Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

DÉCIO PIGNATARI 

 

VEJA TAMBÉM transcriação de  Décio Pignatari em>> TRANSCRIAR. Org. Julio Plaza.

KEY in English.

IDEROS: STÈLE POUR VIVRE


Extraído de PIGNATARI, Décio. Poesia Pois É Poesia 1950-2000.  Cotia, SP: Ateliê Editorial; Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2004.  ISBN 85-7480-114-4; ISBN 85-268-0689-0.

Extraído de

ARTÉRIA 9 – NOMUQUE EDIÇÕES SEGUNDO SEMESTRE DE 2007.  Idealização Omar Khouri e Paulo Miranda. Projeto gráfico e diagramação Vanderlei Lopes. São Paulo, 2007. 

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

LIFE
(1958)

http://www.poesiaconcreta.com/audio.php?page=6&ordem=asc

 

A disposição do texto numa sequência de seis pranchas/páginas se organiza de forma progressiva: a cada prancha/página, um novo traço se inclui, alterando gradativamente o signo e redimensionando os seus sentidos.

 

Como em um processo cinematográfico [nos moldes das montagens, com saltos e sobreposições, do cineasta soviético Sergei Eisenstein - 1889-1948), as letras de "Life" vão se transformando com o acréscimo de uma linha a cada página. Na penúltima, a justaposição das letras compõe o ideograma chinês "sol" e, na última, após uma reorganização, "life" [vida). A palavra, embora só apareça na última prancha, está contida no ideograma e, em uma leitura gestáltica, pode ser percebida, também, na sequência das quatro primeiras pranchas/páginas, ainda que o "I" anteceda o "L": parte e todo, desse modo, se reafirmam. No trabalho de Pignatari, a escrita ocidental, indiciada pelo vocábulo em inglês e marcada por uma arbitrariedade maior entre significante-significado, aproxima-se do princípio da escrita oriental, ideogrâmica: o movimento, caracterizador da vida e metonimicamente representado pelo sol, concretiza-se na composição do texto, no virar de página acionado pelo leitor, que ilumina a obra a partir da ação vivificadora do poeta. "O signo é contra a vida, a arte pretende ser um signo de recuperação da vida, vida, memória na pme", afirma o autor de "Life" [PIGNATARI, 2004, p. 13). O texto exige, para tanto, um olhar especial, gestáltico.  (LEITE, p. 37)

 

Texto extraído de:

 

LEITE, Marli Siqueira.  Ronaldo Azeredo: o mínimo múltiplo (in)comum da poesía concreta.  Vitória (ES): EDUFES, 2013.  132 p.  20x20 cm.  ilus.  Projeto gráfico e diagramação: Isabelly Possatto.  Capa: Isabelli Possatto e Willi Piske Júnior. ISBN 978-85-7772-155-9  Ex. na bibl. Antonio Miranda

 

 

 
Poema

COCA-COLA

(Texto interpretativo extraído de José FERNANDES: O Poema visual – Leitura do imaginário esotérico (Da antiguidade ao século XX)  Petrópolis, RJ: Vozes, 1996.   p. 125-126)

“O concretismo, ao oferecer possibilidades várias de leituras, como se pode verificar pela análise do poema caviar, feita por Haroldo de Campos*, empobrece, no entanto, o processo criativo do poema visual, porque descura de aspectos esotéricos e metafísicos que remontam a conhecimentos milenares da cabala, da mandala, da alquimia e da geometria. Entretanto, há poemas concretos em que o caráter esotérico é substituído por forte ideologia, como podemos observar nos poemas Coca-cola ** e Caviar, criados por Décio Pignatari.

Não obstante Haroldo de Campos falar apenas em antipropaganda, ao referir-e a este poema, analisando mais profundamente as coordenadas fonêmico-semânticas dos vocábulos que se metamorfoseiam ao longo do texto, observamos que subjaz às palavras um conteúdo que vai além do meramente verbivocovisual. Já no segundo movimento, a metátese fonêmica que redundou na passagem de beba para babe, evidencia o processo ideológico e o discurso do silêncio, subjacente ao visual.  Beber coca-cola não figura nos países do Terceiro Mundo, tão-somente como ato de sorver o liquido e matar a sede; é, antes, o ato de absorver uma cultura que se coloca por trás do discurso visual, ou se mistura com a essência da coca. Babe, além de se referir diretamente ao ato de lambuzar, próprio de quem vai ao poete sem se precaver, reserva uma carga semântica que se interconecta às conseqüências da perda da identidade cultural. Esse raciocínio se clarifica quando verificamos que babar se correlaciona, ainda, a fala melíflua, fala enganosa da propaganda e do domínio cultural que se impõe aos povos subdesenvolvidos. Alicerçando nossa interpretação, observamos que a ação de babar não se refere mais a coca, como o fizera a de beber, mas a cola. Ora, babar cola é, de certa maneira, aderir ao consumismo, que compreende toda a dinâmica do capital e, sobremaneira, do copismo cultural:  

 

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Key (1958:

bebe(r): to drink
baba(r): to slobber
cola: glue; aerosol; tail
caco: fragmento
cloaca: cloaca

From: TAPSCOTT,  Stephen. Twentieth-century Latin American Poetry. A Bilingual anthology.  Austin, University of Texas, 1997. 

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Para substantivar as asseverações anteriores, o segundo movimento do poema inicia com a abertura do primeiro, suprimindo o vocábulo cola. O imperativo beba coca reitera, deste modo, a necessidade de se consumirem e de se assimilarem  todos os componentes culturais que, de forma implícita, a coca representa. A seqüência babe cola caco, ao proceder a aproximação com babe cola, reitera obrigatoriedade da adesão, pois dela dependerão concessões ao Terceiro Mundo e o futuro das empresas multinacionais. Todavia, a metátese da palavra coca, transformando-a em caco, esclarece a qualidade do produto e do consumidor. Afora aduzir à ordinariedade da cultura importada, caco deixa entrever a transformação do produto, reduzido a excrementos, cocô, fim de toda sociedade consumista e subdesenvolvida que perde a identidade cultural. É sintomático que, a partir desse movimento, coca, cola e caco procedem a um verdadeiro balé, em que fonemas e palavras se vão sucedendo até desembocarem na cloaca, fusão das palavras, dos corpos e das essências. Evidentemente, não se trata de uma fusão que se destina à criação de um novo ser, como se fosse um processo alquímico, mas à redução ao imundo, ao sórdido, ao imprestável, com sói acontecer ao povo que abdica de suas peculiaridades culturais.

Como evidenciar esta ideologia, quase todas as outras palavras que podem ser formadas a partir de cloaca, são impregnadas de semântica depreciativa, em que a negação do homem e da cultura se patenteia. Assim, oca lembra um estado primitivo, que se adéqua a quem se deixa influenciar por culturas estranhas e impostas de forma sub-reptícia, através da coca. Ainda pior se afiguram as semias de loca. Se oca remete a nação para o estágio pré-civilizatório, loca coloca-a  em estado animal, com potencialidades para um tipo de dominação que a reduz à condição abjeta das alimárias.

Inseto nesta ideologia, o vocábulo calo que poderia corporificar o exercício  e a prática do labor diário, desloca o campo semântico para o vil silêncio da submissão, próprio de quem não possui o grito incrustado nas formas de cultura. Encontrando-se em estado de escravo, porque subjugado culturalmente, transforma-se em ser repelente, que causa nojo, náusea, como se depreende de outro possível vocábulo composto com os fonemas de cloaca: aca, aquilo que produz mau cheiro, porque deteriorado. A um povo, visto sob esta óptica, nada mais resta que a cloaca.

Este poema joga mais com a palavra do que com o espaço em branco, o visual. O poeta, ao utilizar palavras que se alternam no espaço da folha, não apenas materializa um estado primitivo que antecede à fala, mas patenteia o estado de coisa, de dejeto, a despeito de se não apegar à tradição esotérico-semiótica, é um dos parcos que se deixa ler nas fímbrias do silêncio, é um dos poucos que resiste a uma análise mais profunda do estrato fônico-semântico.”

*CAMPOS, Haroldo de  1975. A arte no horizonte do provável.  Sâo Paulo: Perspectiva, 1975. p. 126-127.

VEJA TAMBÉM transcriação de  Décio Pignatari em>> TRANSCRIAR. Org. Julio Plaza.

VEJA TAMBÉM transcriação de Coca Cols... fr   Décio Pignatari realizada por Régis Bonvicino em>> TRANSCRIAR. Org. Julio Plaza.

 

---------------------------------------------------------------------------------------

Orgasmo
1960

 

Fonte:

GALVÃO, Dácio.  Da poesia ao poema: leitura do poema-processo. / Dácio Tavares de Freitas Galvão.  Natal, RN: Zit Gráfica e Editora, 2004.  188 p.  ISBN 85-89907-60-0   Dissertação de mestrado, Departamento de Letras da UFRN.  Col. A.M. 

 

===================================================================================

 

PIGNATARI, Décio.  Bili com limão verde na mão.  Ilustrações Daniel Bueno.  São Paulo: Cosac Naif, 2008.  80 p. ilus col. formato 15,5x30 cm.  Fonte Neutra; papel alta Alvura 120 gr/m2, tiragem 7000 exs. Coordenação editorial  Augusto Massi e Isabel Lopes Coelho. Projeto gráfico Luciana Facchini. Revisão Isabel Jorge Cury, de acordo com o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. Livro de arte gráfica. Poesia infantil.  ISBN 978-85-7503-747-8  Col. A. M.  (LA)



artéria  revista de poesia  40 anos.  2ª. edição.  Curadoria Omar Khouri e Paulo Miranda. De 18 de maio a 17 de julho de 2016.  São Paulo. SP: Caixa Cultural São     Paulo, 2016. 156 p. ilus. col.  X  cm. ISBN 978-85-67718-04-0   Reproduz os conteúdos dos 10 números da revista e um texto de Augusto de Campos sobre a revista Artéria,  p. 45-49 e outros textos em Português e Inglês. Catálogo de exposição – poesia visual. Realização Espaço Líquido; Nomuque Edições. Ex. bibl. Antonio Miranda 

 

Página publicada em junho de 2008. ampliada e republicada em setembro de 2011, ampliada em outubro de 2016.



Voltar a página de Poesia Visual Voltar ao topo da página

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar