Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



ALEXEI BUENO


ALEXEI BUENO

 

 

         Alexei Bueno nasceu no Rio de Janeiro em 1963. Publicou, entre outros livros, As escadas da torre (1984), Poemas gregos (1985), Livro de haicais (1989), A decomposição de J. S. Bach (1989), Lucernário (1993 - Prêmio Alphonsus de Guimaraens, da Biblioteca Nacional, e Prêmio da APCA), A via estreita (1995), A juventude dos deuses (1996), Entusiasmo (1997), Poemas reunidos (1998 - Prêmio Fernando Pessoa), Em sonho (1999), Os resistentes (2001), Gamboa (2002), para a coleção Cantos do Rio, O patrimônio construído (2002, com Augusto Carlos da Silva Teles e Lauro Cavalcanti – Prêmio Jabuti), Glauber Rocha, mais fortes são os poderes do povo! (2003), Poesia reunida (2003 - Prêmio Jabuti, Prêmio da Academia Brasileira de Letras), O século XIX brasileiro na Coleção Fadel (2004), Antologia pornográfica (2004), e A árvore seca (2006).

 

         Como editor organizou, para a Nova Aguilar, a Obra completa de Augusto dos Anjos (1994), a Obra completa de Mário de Sá-Carneiro (1995), a atualização da Obra completa de Cruz e Sousa (1995), a Obra reunida de Olavo Bilac (1996), a Poesia completa de Jorge de Lima e a Obra completa de Almada Negreiros (1997), a Poesia e prosa completas de Gonçalves Dias (1998), além da nova edição da Poesia completa e prosa de Vinicius de Moraes, no mesmo ano. Publicou, pela Nova Fronteira, uma edição comentada de Os Lusíadas (1993) e Grandes poemas do Romantismo brasileiro (1994).

 

Traduziu para o português As quimeras, de Gérard de Nerval, editado pela Topbooks, também com edição portuguesa. Traduziu igualmente poemas de Poe, Longfellow, Mallarmé, Tasso e Leopardi, entre outros. Em 1998 publicou, pela Lacerda Editores, a primeira edição brasileira, prefaciada e anotada, da História trágico-marítima e uma edição dos Sonetos de Camões, além do ensaio introdutório e fixação do texto da Jerusalém libertada, de Torquato Tasso, pela Topbooks. Em 1999 organizou, com Alberto da Costa e Silva, a Antologia da poesia portuguesa contemporânea _ um panorama, para a Lacerda Editores, e no ano seguinte publicou a edição remodelada e definitiva da História das ruas do Rio, de Brasil Gerson. No ano de 2002 organizou, a convite da UNESCO, a Anthologie de la poésie romantique brésilienne, editada em Paris, e a Correspondência de Alphonsus de Guimaraens, para a Academia Brasileira de Letras. Em 2004 organizou a antologia Poesía brasileira hoxe, para a Editorial Danú, de Santiago de Compostela. Em 2006 organizou e publicou, junto com George Ermakoff, Duelos no serpentário, uma antologia da polêmica intelectual no Brasil.

 

         Colabora em diversos órgãos de imprensa no Brasil e no exterior, é membro do PEN Clube do Brasil, e foi, de 1999 a 2002, Diretor do INEPAC, Instituto Estadual do Patrimônio Cultural do Rio de Janeiro, e membro do Conselho Estadual de Tombamento. 

 

TEXTOS EM PORTUGUÊS   /   TEXTO EN ESPAÑOL

ALEXEI BUENO

"Alexei Bueno é um dos nomes consagrados da literatura brasileira, e da poesia em particular. Polêmico. Suas invectivas contra algumas vanguardas renitentes, poderiam passar a idéia de ser um conservador. Não é. Mesmo cultivando as formas mais tradicionais da poesia, como é o caso do soneto (que se renova ou se repete há séculos), consegue ser contemporâneo.  Ainda que mantenha até as rimas, mas sem pompa e sem afetação. Como no soneto que se destaca na contracapa de AS DESAPARIÇÕES, da G. Ermakoff Casa Editorial (ISBN 978-85-98815-15-2), de 2009, já nas livrarias."  A. M.

 

"De uma forma ou de outra, com sarcasmo ou ironia, indignação ou humor, violência ou suavidade, e às vezes com ternura extrema — como em "Amor, ainda", por exemplo —, o autor liberta-nos da opacidade cotidiana, oscilando entre a realidade mais chã e o misticismo mais imponderável."  Ruy Espinheira Filho

 



CONSTATAÇÃO

 

Corrente de amanhãs, vício de auroras.
Outro dia, outro dia, outro, por quê?
Agoras a exigir outros agoras,
Barco sem mapa, cais que não se vê.

No alto, a bandeira rota, e o lema: até.
Tudo incompleto. As horas, mães das horas,
Partindo inúteis. Novas, as escoras
Certas que a torre lhes cairá ao pé.

Ser fragmento, ser caco, ser a corda
Que não se amarra em nada, o elo partido,
O escorrer puro, o rio sem sentido,

A mão que segue adiante e nada aborda,
O que não é daqui, o que é a loucura
E o orgulho de seguir na selva escura.

 

 

E fica aqui também este metapoema, em que o poeta orienta seu rumo:



EX-VOTO

Fora de ti, poesia,
Nunca vali um nada.
Que a tua mão sagrada
Me acene mais um dia.

 


  
*********

 

TRAJETÓRIA

 

Onipresente

Melancolia

Que entre a alegria

Sorris prudente.

 

Sombra latente

À luz do dia,

Mudez sombria

Que o som pressente.

 

Por te vencermos

Percorreremos

Longínquos ermos,

 

Lá dançaremos

E expiraremos

Sem te esquecermos.

 

 

HISTORIA

 

Não é minha esta casa, aí entrarei no entanto.

Quebrarei o portão, marcharei entre as flores,

Encherei meu pulmão com os estranhos odores

Do jardim adubado a sêmen, sangue e pranto.

 

Porei a porta abaixo, enfrentarei o espanto

Dos vultos me fitando; e apesar dos bolores

Envergarei sem medo os trajes de idas cores,

Nas suas mãos beberei, entoarei seu canto!

 

Com os corpos rolarei de milhões de mulheres

Sem corpo. Ei-los que já me saúdam e me aclamam,

Meus perdidos avós, desamparados seres.

 

Estendem-me suas mãos como a um filho que os salva.

Deles vim, mas é a mim que eles agora clamam

A vida, como a um pai, um sol sonhando na alva.

 

 

AO MENOS

 

As vidas passadas

Talvez tenham tido

Grandes madrugadas

Com maior sentido

Do que os nossos nadas.

 

Mas em nós saltita

Seco, o coração,

Esponja maldita

A se inflar num vão

Onde ninguém fita.

 

A pular vermelha,

A encolher-se langue,

Suja bomba velha

Bêbada de sangue

Que só o nada espelha.

 

Que se estique e encolha

Até a hora em que estoure,

Ridícula bolha

Sem um só que a chore,

Sem quem a recolha.

 

E então tombe gorda

Dentro de si mesma,

Brinquedo sem corda,

Ressecada lesma

Que já nada acorda.

 

E ali, sem mais ânsia,

Imprestável odre,

Suma na distância,

Sem a dança podre

Que fez desde a infância.

 

Mas de ao menos nós

Que o sofremos tanto,

Que ele deixe após

Tanto pranto e espanto

Viva a nossa voz.

 

 

NUMISMA

 

Eu, Marcus Silbannacus, alguns dias

Reinei. Ébrias, as tropas me aclamaram.

Um laurel de ouro baixo me botaram

Na testa, entre um estrondo de armarias.

 

Sobre dois ombros sucedi a Augusto.

Vi a Gália do alto, eu, César Silbannacus.

Das ânforas vazias voavam cacos.

Um escultor veio esboçar meu busto.

 

Quando eu morresse se ergueria um templo

Em Roma, a Silbannacus, Divo e Pio.

Abriram cunhos com meu rosto esguio,

Com a inscrição seguindo o usado exemplo.

 

Depois fui degolado. Uma moeda,

Uma só, que um achou a abrir buracos,

Vos deu meu nome e rosto, eu, Silbannacus,

Mudo no tempo a fluir que nos enreda.

 

 

OS ETERNOS

 

Estátuas dos deuses, brancos,

Um sem mãos, sem a cabeça

Um outro, a portar nos flancos

O manto de um sol que desça

 

Ou suba, aléia de gestos

Alvos, fitando o oceano

Alheia aos ventos funestos,

Ao sopro humano e inumano,

 

Fila de risos sem boca,

Longos olhares sem olhos,

Ouvidos surdos à rouca

Conversação dos escolhos,

 

Altivos, friamente ígneos,

Lançando dardos sem braços,

Sem alma urdindo os desígnios

Mais certos que os nossos passos,

 

Imortais, sonhos de nós,

Cristalizados, latentes,

Sem antes, hoje ou após,

Gélidos sobre as torrentes

 

Do sal impreciso, erguidos

Nas decisões sem entraves,

À noite de astros vestidos,

De dia do asco das aves,

 

E inabaláveis, repletos

Da glória de si, exatos,

Mutilados mais completos

Que a soma dos nossos atos,

 

Totalidades corpóreas,

Sorrisos leves do eterno,

Deuses, fixas trajetórias

Paradas num fora interno,

 

Deuses, imortais, imotos,

Gestualizadas conquistas,

Chamas, vizinhos remotos,

Hálitos de idos artistas

 

Há tanto, que é quase a lenda

Terem sido, serem, sem

Que alguma ausência os pretenda,

E a morte morre também.

 

 

 PRODÍGIO

 

Oh flor, oh muro,

Vós ambos sois.

Ser, este é, pois,

O liame obscuro

 

Que há em vós. O puro

Elo. Depois,

Se se erguem sóis,

Se se alça o escuro,

 

Que importa? Estais,

Seiva, argamassa,

Aqui. Jamais

 

Sereis mais que isto

Que é, que não passa.

Oculto e visto.

 

 

VIDÊNCIA

 

Se os nossos olhos te enxergassem, rosa,

E não só: “É uma rosa” nos dissessem

Na vulgar gradação que nunca esquecem,

Que epifania na manhã tediosa!

 

Se eles vissem, ao vê-la, cada coisa

E não seu nome, se afinal pudessem

Fugir da furna abstrata onde destecem

A vida, um morto partiria a lousa

 

Maciça de aqui estar. Flor, nuvem, muro,

Árvore, que é uma só e não tal nome,

Se tudo entrasse o corredor escuro

 

Que há em nós, algo de exato se ergueria,

Algo que pára o tempo ou que o consome,

Que alveja a noite e entenebrece o dia.

 

 

ENIGMA

 

Certo mistério existe, indesvendado,

Escrito há eras sem conta, sobre os céus,

Por uma mão, talvez a mão de Deus,

Ressoando no criado e no incriado.

 

Para entendê-lo, deste e do outro lado

De tudo, angustiados como réus,

Demônios e anjos chocam-se nos seus

Vórtices, sem nenhum outro cuidado.

 

À volta dele os seres e as esferas

Inutilmente orbitam pelas eras

Na ânsia de desvelar a eles imposta.

 

Revolvem-se em legiões desamparadas,

Enquanto aqui, na noite, entre as calçadas,

És, e somente tu, sua resposta.

 

 

PERGUNTA

 

Será realmente a face do Universo

         A face da Medusa,

Esta geral destruição confusa,

         Este criar perverso,

 

Ou será a máscara, álgida e estrelada,

         Onde os cometas passam,

Turva de treva, rútila de nada,

         E onde olhos se espedaçam?

 

 

                   AS VELHAS

 

Elas nos olham, mas não vêem nada.

Sua vida é a que foi, muito lá atrás.

São quase máscaras, mascando o nada,

E em seus olhos há um charco, não a paz.

 

Como em molduras, nas janelas, duras,

São pré-retratos, mas dirão: de quem?

Fitam o amor e a fúria, aves obscuras

No batente-poleiro que as sustém.

 

Sabem, no quarto escuro que é o seu dia,

Que não são deste mundo. A sua voz,

Se existisse, a nós, sãos, perguntaria

Se porventura sê-lo-emos nós.

 

 

26-9-2004

 

 

LAPA

 

Nesta casa antiga,

Sob estas volutas,

Como ri com as putas

Entre uma e outra briga.

 

Como virei copos

E extingui charutos,

Discuti com brutos,

Vaiei misantropos.

 

Urinei nas pias,

Vomitei nas portas,

Com passadas tortas

Vi nascer os dias.

 

Velha, velha casa,

Como ainda és a mesma.

(Não tens dentro a lesma

Que nos funda e abrasa.)

 

19-9-2004

 

 

EXTRAVIO

 

Devia a vida ser só isso,

O vinho, o pão, o som da chama.

Sapos no tanque. O olhar mortiço

Do mocho. O luar crivando a cama.

 

Mãos de mulher cerrando a fresta

Onde entra, como a morte, a bruma.

Mas nos perdemos na floresta

Onde não há árvore nenhuma.

 

11-10-2004

 

 

NOTURNO

 

Sobre os seus saltos, sob a lua cheia,

Os travestis desfilam como garças,

Farsa carnal em meio às outras farsas

Que o mundo absurdo no aéreo chão semeia.

 

São deusas-mães usando liga e meia,

De ancas imensas, madeixas esparsas,

De enormes seios, piscando aos comparsas,

Buscando otários para a escusa teia.

 

São Vênus neolíticas chamando

Sombras confusas, entre os cães sem casa

E os negros ébrios. Seu barroco bando

 

Volveu, pulsante, dos tetos das grutas,

E anda na névoa, como numa vasa,

Rotundas popas balouçando enxutas.

 

28-10-2004

 

 

A HORA

 

Quando as palavras detêm-se,

Hirtas, perante a visão,

E se entreolham em vão,

Ínscias do que lhes pertence,

 

Quando a vida é muito vasta

Para o seu ordeiro lar,

Canoa em pleno alto mar,

Florinha que a enchente arrasta,

 

Ela ergue a chave, a poesia,

E adentra. Ela que é, não diz.

Que é o palco, a platéia e a atriz,

A hora nem noite nem dia.

 

1-11-2004

 

 

MOTO PERPETUO

 

      Todo poema

É o último do mundo.

A tentativa extrema,

O crucial segundo.

 

      Por fim, escrito,

Pétreo, coagulado,

As larvas do não dito

Postam-se a cada lado.

 

      E tudo é falta.

A fonte exige a bilha

Sem fundo, e eis nos assalta

A horrenda maravilha.

 

30-9-2004

 

 

INTIMIDADE

 

Caros mortos do Rio de Janeiro,

Quando eu ando nas ruas em que andastes

Não são meus olhos tão somente engastes

Dos vossos, vendo o que vistes primeiro?

 

Estar vivo, este fato, não é um só

E mesmo, se se exclui cenário e nome?

Não é a mesma uma boca quando come

E dois pés na calçada erguendo o pó?

 

Não será isso enfim a vida eterna,

Livrar-se da memória e andar nas ruas?

Ser só olhos com pés, as íris nuas

De tudo o que das horas nos governa?

 

Não morremos? Talvez nunca tenhamos

Deixado o mesmo ponto intacto e alheio.

O que é o agora? O que é? Como está cheio

Este jardim deserto onde uivam ramos.

 

12-10-2004

 

 

 

BUENO, Alexei.  Os resistentes.   Rio de Janeiro, RJ: Livraria Francisco Alves, 2001.  70 p.   14x21 cm.  Apresentação de Ferreira Gullar.  Capa: Luiz Stein.  ISBN 85-265-0441-X   “Poema longo, dividido em 12 partes ou movimentos”.  “ Alexei Bueno “ Ex. bibl. Antonio Miranda

 

I

 

Já houve um homem chamado Ninguém, que ainda

                                                           é todos nós

E lutava

Contra as ondas grisalhas

E os longes muito maiores que um grito.

Não tinha espada de ferro,

Mas só o bronze macio que corta tão pouco.

De quatro rodas de couro

Lhe eram os rudes escudos, de abeto e betume os seus

                                                           barcos esguios

E as vestes

Da alva lanugem de ovelhas: a túnica rota

E o curvo barrete encardido nas auras geladas

da noite.

 

Suas fogueiras no entanto crepitam ainda

Nos nossos olhos vazios,

A sua voz nos convida ou ordena ao calar-se

                                                 dos ventos

E seus poentes nos sangram,

Nos cobrem de púrpura úmida as almas velozes.

 

Um outro hoje domina, que não é um gigante faminto

De um olho só, nem o deus irritado do mar.

Seu nome é Todos, que não é nenhum de nós.

                                                 Todos pisa

Com armas mais do que o ferro nos que não o são

                                                 nem o querem.

Donzela alguma dos céus nos guiará contra ele.

O sangue

Que ele perscruta e transmuta, ainda nosso, talvez

                                                           nos guiará

Na grande guerra incruenta. Pois ele é o Senhor

da Crueldade

E a nós só resta roê-lo por dentro

Quais ratos

Ou vírus

Ou cancros. Nós somos os resistentes da guerra

Silenciosa. Nós corroeremos o monstro

Chamado Todos, que é na verdade ninguém.

 

 

BUENO, Alexei.  Poesia reunida.  Rio de Janeiro, RJ:  Nova Fronteira, 2003.   446 p.  16x23 cm.  ISBN 85-209-1582-5  “Prêmio Jabuti 2004 – Poesia” e “Prêmio Academia Brasileira de Letras 2004 – Poesia”.   Alexei Bueno “ Ex. bibl. Antonio Miranda

 

  • Delírio

     

     Tecido em glória e desgraça, eu canto o ser
     Pois eu não sou do que some, e nem carcaça que cai,
     Eu sou aquele que vai, sem qualquer raça que o dome,
     Sem pai, sem água que tome, ou jaça ou sílaba em ai!

     Pois com a luz da miséria, e a luz não maior da glória,
     Com a alma e a lama irrisória, a aérea luz me refaz
     Da minha funérea paz na minha ardente vitória,
     Onde a aqui tão certa história é a escória onde a gema jaz.

     Pois o meu corpo não é como o de um porco! O suíno
     É o que se aceita, cretino, um mortal! Pus sem fé! Pó!
     Que encha o chiqueiro sem dó! Até que o grunhido em hino
     Se verta, e o pé com destino oprima o chão santo e só!

     Pois só pronome eu existe, e um número age somente,
     O um, e o dois que te mente e a farsa triste te diz
     Há de fundir-se, infeliz, com o ódio em riste, e o seu quente
     Cadáver, chiste morrente, ir-se-á em vermes hostis.

     Tal como o teu! Mas tais são, no entanto, os vermes da vida
     Que da tão falsa ferida o corpo eterno e real
     Refarão, enquanto o mal, podre, perfuma, e a incendida
     Sânie do nada, ação ida, ao Todo pare afinal!

 

          Um dia

 

          Nos anais do universo, eternamente,
                    Está escrito: eu fui.
          Minha sombra estampou-se no chão quente
                    Do sol de onde deflui.

          E sempre estará lá. Lá, nas calçadas,
                    Trazendo caramujos,
          Meus pés pisaram, mão nas mãos fanadas,
                    Entre os canteiros sujos.

          Lá estou. Estou lá. Como as estrelas
                    Que olhar de homem não vê.
          Eu fui. Glória das vidas, menor que elas,
                    Sem termo nem porquê.

                               4/10/1998

         

          Zero 

 

          Ai, a vida, esse mofo, esse bolor      
          Como o de um queijo esférico e titânico,
          Camada rasa de ilusão e pânico
          Chutada no ar pelo divino amor.

          Dueto bufão do desejo e da dor,   
          Fanfarra errada do acaso tirânico,
          Farsa de atores com esgar tetânico,  
          Gangorra torta de espera e pavor.

          Brota e murcha, enquanto uivam os profetas,
          Os videntes enxergam, os soldados
          Matam, e a esfera foge entre piruetas.

          Bolor falhado, inútil mofo escasso
          Que um zero obeso entre os mundos baldados
          Vaidosamente exibe pelo espaço.

 

                              7/12/1998

 

 

================================================

                               TEXTO EN ESPAÑOL

 


La juventud de los dioses

(fragmento)

         Versión de Saúl Ibargoyen


Aquí cruzamos los dominios de la impermanencia.
Forma es muerte. Nombre es muerte. Comienzo es muerte.
Y todo el impaciente dolor va atando máscaras inéditas
A la autofagía del tiempo. Muerte y dolor. Dolor y Muerte.
Muerte y dolor
La vida, la intersección entre ambos, intangible
Como el presente entre dos tiempos que nunca existieron.

Resbala, y ahora en el baile de disfraz
Del sufrimiento, em su nuevo estilo, le roban a un hombre
Las pupilas o le arrancan el corazón
Y los riñones, para vendérselos a otros, palpitantes.
Como se robaba antes un anillo o una túnica. Espantosa
Revolución. Los pájaros rondan allá arriba,
Atontados, pero la lluvia no caerá.

Hay um flujo
Formidable em los ojos de Gautama.
Penúltima visión antes del complet Despertar.
Es el remolino, um sumidero, las alas crecientes, tal vez
Las grandes furias del Ganges. Pierna de niño en el lodo,
Lecho danzante, elefante abierto, estatuilla de dios
Brincando en las aguas, rodillas de novia, vacas descomadas,
Zapatos sins u par, monos circunspectos...
¿El ojo promiscuo del caudal? No. Ronco, ahora,
El torbellino del pasado y de lo que está aún por venir.
Legiones
Inacabables de seres y famílias amadas, muerte y dolor,
Dolor y muerte, en la danza de la rueda vertiginosa...
¿Es por eso que asesinan? Em la penumbra
De las sábanas de vísceras resuellan. Hijastras
Poseídas por sus padrastos. Parejas papeleándose em los muelles    
                                                                               nocturnos.
Ambulancias en las clínicas, de madrugada, como la que nos llevará   
                                                                                   algún dia.
Frágiles amores deshaciéndose como aríetes de paja
En la muralla del haber outra alma. Viudas sin dientes
Saqueadas por albaceas. Subastas. Matanzas. Asmas.
Pleitos con los vecinos. Articulaciones entumeciéndose
Y la larga fila para empeñar las alianzas. En médio
Del lodazal hirviente, en médio
Del gan mar de rostros que se muerden, se besan y se insultan.
Aquí y allá, un hombre,
A una enorme distancia, como islas volcánicas
Vomitadas en la soledad de las olas bullentes
Por las agonias de la tierra.
Más a lo lejos, allá donde despedazan niños
Para vender los trozos a los herederos mal nacidos.
Allí, en la carnicería de los vivos, las risueñas multitudes
De los apretadores de teclas, de loa amantes de maquinitas
Para quienes el viento no existe. Cucarachas en los supermercados
Entre el estruendo intolerable. Acariciadores de controles.
Enamorados de comandos, corruptores de asuntos, trancados
En los cubos que se apilan. O los que intentan persuadir su íntima
                                                                                  voluntad
En las fuentes perennes de la vida. Y la ilusión
De la permanência extendiendo un manto maternal encima de todo,
Y la embriaguez
Del fuuro, del apogeo y de la conquista
Sacudiéndolos en el salto desamparado hasta el molino gigantesco
Que rueda exactamente como siempre y regurgita polvo.

En esta vorágine
Toda manifestación es el principio de la caída,
Condena que se firma, botón que se presiona
Para la nada. Aquí, todo lo que se despliegue
Será rasgado. Todo lo que se absorba
Retornará en vômitos. Aquí no es
Parada de nadie, y el mecanismo enorme
Del reloj del universo, donde el ser penetro como un insecto,
Un ratón espurio, un engrenaje desajustado y vacilante,
Por El nunca se alterará ni insinuará una brecha
Para su evasión inconcebible. Aquí sólo tiembla el milagro
O la muerte. Ni sistemas, ni ilumincaciones, ni escalas de perfección
Ni transmigraciones de almas, ni el avaro rocio de los elegidos,
Ni el escolar grupo divino. Nada. Aquí
Será la orgia del milagro, o no será
Lo que nunca fue. Ahora
Sólo resta el abismo como nuestra fortaleza.
Es el mirar
Hasta el fondo cuando entrevemos nuestra cara. Es inclinados
Sobre la orilla que sentimos nuestro cuerpo.
Es el danzar
En el riesgoso borde que despierta en nuestro espíritu
El fuego de la promesa. Es al embriagarnos
En la margen conocida que entrevemos
La figura del milagro
Palpitando
Mal percibido en las tinieblas.
¿Quien es? ¿Cuál es el puerto final de toda esta digresión absurda?
Es el hombre. Los ronquidos nocturnos de los cobardes  no prevalecerán contra ti.
Es preciso nacer nuevamente, salir hacia otra luz que no sea ésta
Donde un olor nauseabundo y tíbio avanza desde las lavanderias,
Torbellinos aprisionados limpiando los jugos de la vida.
Sosegadamente, dentro del alma casi extinta del Despierto
De los orígenes, formas y nombres, jadea
Como un herido. Las aves
pasan gritando allá arriba.

 

Página ampliada e republicada em novembro de 2008; ampliada e republicada em maio de 2016.

 

 


Voltar à página do Rio de Janeiro Voltar ao topo da página

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar