Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


POESIA GOIANA

Coordenação de Salomão Sousa

 

 

 

BERNARDO ELIS

 

 

Bernardo Élis, uma das principais expressões da ficção goiana, principalmente com o romance O tronco e os livros de contos Ermos e Gerais e Veranico de Janeiro — também foi poeta. Foi um dos primeiros a praticar a poesia modernista em Goiás, junto com João Accioly e José Godoy Garcia, em publicações esparsas na revista Oeste . A sua poesia seria reunida no livro Primeira chuva (1955), que na realidade ficou sendo a única, pois não voltaria a publicar poesia..

 

Ele nasceu em 15 de novembro de 1915 e faleceu em 30 de novembro de 1977. Nasceu e morreu na cidade de Corumbá de Goiás. Era advogado. Ingressou na Academia Brasileira de Letras numa controvertida eleição contra Juscelino Kubitischek.

 

Cabe destacar, de sua biografia que, em 1936, foi escrivão da delegacia de polícia em Anápolis e do cartório do crime de Corumbá. Em 1939, foi nomeado secretário da Prefeitura de Goiânia, cidade onde seria prefeito por duas vezes. Em 1944, casou-se com Violeta Metran. Em 45, trabalhou como professor da Escola Técnica de Goiânia e do ensino público estadual e municipal. Entre 1970 a 1978, foi assessor cultural no Escritório de Representação do Estado de Goiás, no Rio de Janeiro. Assumiu a direção do Instituto Nacional do Livro, em Brasília, de 1978 a 1985. Em 1986, foi nomeado para o Conselho Federal de Cultura, ao qual pertenceu até a extinção do órgão, em 1989. Recebeu os prêmios José Lins do Rego (1965) e Jabuti, da Câmara Brasileira do Livro (1966), pelo livro de contos "Veranico de Janeiro" (1966). "Caminhos e Descaminhos" (1965) lhe rendeu o Prêmio Afonso Arinos, da Academia Brasileira de Letras. Recebeu também o Prêmio Sesquicentenário da Independência pelo estudo "Marechal Xavier Curado, Criador do Exército Nacional" (1972). Em 1987, recebeu o Prêmio da Fundação Cultural de Brasília, pelo conjunto de obras, e a medalha do Instituto de Artes e Cultura de Brasília.

 

 

PRIMEIRA CHUVA

 

Quentura de noite pejada de nuvens baixas e negras.

Bambos bamboleios de trovão soturno

batendo o tímpano bambo da zabumba do horizonte.

Trovão apagado,

                               saudoso,

                                               distante.

Depois a chuva em grossos pingos

sobre os telhados,

Na poeira ressequida das estradas,

na terra requeimada das queimadas,

desprendendo um cheiro forte de gestação.

(Mamãe molhava algodão em cachaça canforada

E nos dava para cheirar: cuidado com defluxo!)

Amanhã tudo vai começar de novo:

as folhas voltarão aos galhos secos,

as águas resmungarão nas grotas mortas,

os pássaros do céu hão de cantar no cio...

(E aquela que partiu porque não volta?)

 

Lá fora uma goteira numa lata pinga,

pinga a pingo,

                               pengue,

                                               pengue,

numa toada monótona de preta que ninasse.

Pengue,

                pengue,

pingo a pingo.  

(E aquela que partiu,

Porque não volta?)

 

 

TARDE DE NOVENA

 

Ingenuidade macia das tardes de novena,

com os sinos dos Passos batendo,

pausado, molengo,

sobre o poente que pegou fogo.

 

Fervores honestos gemendo

sobre o poente que se alarga e se estende,

congesto,

pela noite adentro,

pondo rubras palpitações

nas trevas do ocidente,

— grandes borboletas de fogo

espanejando cegas sobre as essas.

 

 

PARTIDA AUTOMÁTICA

 

Porque a amada entrasse num automóvel

e o automóvel saísse rolando,

um terremoto imperceptível e sereno arrasou a cidade,

as casas, os jardins, os céus, e os pássaros continuaram voando mas mortos.

E o homem cuja amada viajou

encontrou-se numa cidade que nunca vira antes,

cheia de gentes estranhas,

mas que o conheciam e queriam conversar,

discutir, falar de guerra e de negócios impossíveis.

Havia um calo ruim

machucando a alma do homem: Não chore meu filho que

                               [a vida é lutar contra as conversas entojadas”.

Então ele subiu à torre da igreja da Trindade

que também se chama santuário do divino padre eterno da Trindade

e ouviu a voz de um anjo lhe dizendo assim

“daqui dois homens atiraram-se lá embaixo:

um morreu — orai por ele,

o outro pede esmola”.

O homem deu uma gorjeta ao anjo e não quis jogar com probabilidades.

Lembrou que existia álcool, éter, melhoral,

estriquinina, cocaína e outros venenos lentos e violentos.

Mas tirou seu retrato na porta da igreja

e pregou na sala dos milagres.

 

 

O HOMEM QUE FAZIA ANOS NO DIA SETE DE SETEMBRO

 

No dia de meus anos

a bandinha saía pra rua de madrugada,

tocando matinas.

A gente acordava com o estrondo dos foguetes,

espantando os morigerados pombos da torre da igreja.

Botavam bandeira na Prefeitura,

no Correio,

na Cadeia,

havia discurso, passeatas etcétera,

“tudo por sua causa! — dizia meu pai.

E eu ficava intrigadíssimo

porque ninguém mais era igualmente festejado.

 

Hoje, como conheço a história do Brasil,

mudei a data de meus anos,

que é o dia mais triste do mundo.

 

 

 

Informações sobre o escritor Salomão Sousa

consultar o blog http://www.safraquebrada.blogspot.com/

 

 

ÉLIS, Bernardo.  Primeira Chuva.  Goiânia: Editora do Autor Goiano, 1971.  75 p.  16 x 23 cm   Capá: Laerte Araujo.  Ilustrações: Octo Marques.    Col. A.M

   




 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar