Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



ZILA MAMEDE

(1928-1985) 

 

Nasceu na Paraíba mas está mais ligada às letras e à cultura do Rio Grande do Norte, onde viveu a maior parte de sua vida e onde o mar a levou para sempre. O poema Elegia, incluído na presente seleção, é como um prenúncio de seu destino.  Formada em biblioteconomia, tendo exercido cargos de importância no Instituto Nacional do Livro (em Brasília) e como diretora da Biblioteca Central da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Seus principais livros: Rosa de Pedra (1953), Salinas (1958), O Arado (1959), Exercício da Palavra (1975), A Herança (1984) e Navegos (Poesia reunida 1953-1978).  Poeta sutil, elegante, de um lirismo contido e introvertido, de solidão e paixão mas também, não raras vezes, com um fundo social relativo às temáticas do sertão nordestino. Drummond tinha-a entre suas predileções.

 

(...) fiquei feliz em ler Exercício da palavra, e até me arrependo de ter

publicado um livro também em 75. Na geração de Zila Mamede nin-

guém fez algo mais importante. Algo tão sólido, tão inovador — sem

chegar ao excesso —, onde ela não perdeu a noção do funcional, que é

básico em arte.  JOÃO CABRAL DE MELO NETO (Tribuna do Norte, Natal, 22 fev. 1976.)

 

 

 

Veja também: ZILA MAMEDE, poema de Antonio Miranda

 

TEXTOS EM INGLÊS

 

 

MAMEDE, ZilaNavegos (poesia reunida, 1953-1978).  Belo Horizonte, MG: Editora Veja, 1978.  201 p. 15x22,4 cm.  Capa e ilustrações: Paulo Bernardo F. Vaz.  Foto da poeta na última página: Carlos Lyra.

 

BILHAR

       a Ludi e Oswaldo Lamartine

 

Na medida exata

em que a noite corre

não fico: me ausento

como quem morre

 

Entre lousa e livro

- único disfarce

que concedo ao tempo =

mudo-me a face

 

que, no entanto, vária,

inábil, reprimida,

perde-se no encontro

tátil da vida

 

Bola sete em rude

pano de bilhar

marco meu sem rumo

jogo-de-amar.

 

 

PROCISSÃO  


Quando vem a procissão

no seu passo de perdão,

 

Alcaide, comendador

dominam povo e andor

 

Cada grupo de irmandade

empunhando uma verdade:

 

A das Filhas-de-Maria

virgindade em romaria

 

Do SSmo Sacramento

vermelha de emproamento

 

Do Senhor Jesus dos Passos

roxo em santos e devassos

 

Irmãs da Ordem Terceira

terço em mãos de camareiras

 

Os meninos da Cruzada

fome na barriga inchada

 

A Banda da Prefeitura

solo e soldo de amargura

 

Estandartes, confrarias

escondem velhacarias

 

O Santo vai carregado

pelos donos do mercado

 

E o povo segue inocente

descalço, nu, paciente:

 

- A compacta multidão

carente de Deus e pão.

 
 

A PONTE

 

Salto esculpido

sobre o vão

do espaço

em chão

de pedra e de aço

onde não

permaneço

                   - passo.

 

MAMEDE, ZilaO arado.  Poesia.  Rio de Janeiro: Livraria São José, 1959;  37 p. 
13x18,5 cm. 

 

ARADO


Arado cultivadeira

rompe veios, morde chão

Ai uns olhos afiados

rasgando meu coração.

 

Arado dentes enxadas

Lavancando capoeiras

Mil prometimentos, juras

Faladas, reverdadeiras?

 

Arado ara picoteira

sega relha amanhamento,

me desata desse amor

ternura torturamento.

 

-------------------------------------------------------------------------

OUTROS POEMAS

 

ELEGIA

 

Não retornei aos caminhos

que me trouxeram do mar.

Sinto-me brancos desertos

onde as dunas me abrasando

tarjam meus olhos de sal

dum pranto nunca chorado,

dum terror que nunca vi.

 

Vivo hoje areias ardentes

sonhando praias perdidas

com levianos marujos

brincando de se afogar,

com rochedos e enseadas

sentindo afagos do mar.

 

Tudo perdi no retorno,

tudo ficou lá no mar:

arrancaram-me das ondas

onde nasci a vagar,

desmancharam meus caminhos

- os inventados no mar:

depois, secaram meus braços

para eu não mais velejar.

 

Meus pensamentos de espumas,

meus peixes e meu luar,

de tudo fui despojada

(até das fúrias do mar)

porque já não sou areias,

areias soltas de mar.

Transformaram-me em desertos,

ouço meus dedos gritando

vejo-me rouca de sede

das leves águas do mar.

 

Nem descubro mais caminhos,

já nem sei também remar:

morreram meus marinheiros,

minha alma, deixei no mar.

 

Pudessem meus olhos vagos

ser ostras, rochas, luar,

ficariam como as algas

morando sempre no mar.

 

Que amargura em ser desertos!

Meu rosto a queimar, queimar,

Meus olhos se desmanchando

- roubados foram do mar.

No infinito me consumo:

acaba-se o pensamento.

No navegante que fui

sinto a vida se calar.

 

Meus antigos horizontes,

navios meus destroçados,

meus mares de navegar,

levai-me desses desertos,

deitai-me nas ondas mansas,

plantai meu corpo no mar.

Lá, viverei como as brisas.

Lá, serei pura como o ar.

Nunca serei nessas terras,

Que só existo no mar.

 

 

 

Rua (TRAIRI)

 

Nos cubos desse sal que me encarcera

(Pedras, silêncios, picaretas, luas,

anoitecidos braços na paisagem)

a duna antiga faz-se pavimento.

 

Meu chão se muda em novos alicerces,

sob as pedreiras rasgam-se meus passos;

 

e a velha grama (pasto de lirismos)

afoga-se nos sulcos das enxadas,

 

nas ânsias do caminho vertical.

Ao sono das areias abandonam-

se nesta rua vívidos fantasmas

 

De seus rios meninos que descalços
apascentavam lamas e enxurradas.
Meu chão de agora: a rua está calçada.

 

 

MAMEDE, ZilaO arado.  Poesia.  Rio de Janeiro: Livraria São José, 1959;  37 p.  13x18,5 cm.     Col. A.M. 

 

MARCHA PARA O JUMENTO PASSARINHO

 

Passarinheiro

que invoou

Passaligeiro

que não bicou

Você apenas

tão jumentinho

milpradiou

a Pedradágua

lajeslisando

da Corujinha

pró Corredor.

 

Passacaminho

de caçuás

com resedás

se engravidou.

 

Passariinho

que não tem ninho

despassará?

 

Passadotempo

aguassecou

E passarinho

desruminando

não mais lajeiro

passarinhou.

 

              (O Arado)

 

 

A APANHA

 

Do verde o espanto cresce, de repente

se enramam tabuleiros e baxios,

renascem ventanias, sons raízes,

 

nervuras duma terra que desperta

alucinadamente a fecundar-se.

Agora é tudo um sol encantamento

 

nos acres cultivados em xadrez.

As ramas do algodão reverdecidas

habitam-se de flores amarelas

 

irresistíndo à chega dos casulos.

Branca oferenda mostra-se o plantio

quando revinda a apanha. Apanhadores

 

irrompem dedilhando fibra e hastes:

 

estendem nas clareiras alvos seios

de carregadas plumas pelas aves.

 

Quando a lavoura escuta as vesperais

se cala, pois há lábios fatigados

cantando sua apanha no paiol.

 

Lenta, Ia fora, no rocio, a seiva

fia maçãs, funda capuchos, gomos;

As ladainhas descem dos oiteiros,

 

cansaços se horizontam nas esteiras

onde é o amor, sementa, lavradura

nas noites desse algodoeiro chão.

 

 

CAVALO BRANCO

 

Cavalo branco

aos cereames abandonado

incerto

nessa pureza de menino antigo.

 

Cavalo branco

branco de ninguém.

 

Mastiga teu silêncio;

o meu, deixa-o

 

largando-se aos fantasmas;

pisa-o

 

para que as pedras sejam seu regaço,

que as pedras são presenças neutras,

apenas.

 

Cavalo branco

assoberbado só :

 

na firmeza dos cascos

há caminhos ocultos que me esperam.

 

 

BOIS DORMINDO (I)

 

          Para Tomé Filgueira

 

A paz dos bois dormindo era tamanha

(mas grave era a tristeza de seu sono)

e tanto era o silêncio da campina

que se ouvia nascerem açucenas.

 

No sono os bois seguiam tangermos

que abandonando relhos e chicotes

tangiam-nos serenos com as cantigas

aboiadeiras e um bastão de lírios.

 

Os bois assim dormindo caminhavam

destino não de bois mas de meninos

libertos que vadiassem chão de feno;

 

e ausentes de limites e porteiras

arquitetassem sonhos (sem currais)

nessa paz outonal de bois dormindo.

 

MAMEDE, Zila.  Exercício da palavra (Poesia, 1959-1975).    Natal, RN: Fundação José Augusto, 1975. 73 p.  13,5x18,5 cm.   Inclui “Errata” ao final do livro. 


RÉQUIEM   PARA  CERTO   AMOR

 

JAZZ

 

no papel

a mágoa

o rosto

o tato

a rosa

o fato

 

Fixa

 

a palavra

 

passivamente

o homem

o ato

a dor

o pacto

o amor

 

nascente

morrente

no tempo

ex 

 

ato.

 

 

 

MEMÓRIA VIVA DE ZILA MAMEDEEntrevistadores: Carlos Lyra (coordenador), Alvamar Furtado, Celso da Silveira.   Natal, RN: Editora Universitária, 1987.  14,5x21 cm.  33 9,   Capa: Alexandre Oliveira.   Tiragem: 300 exs.  Ex. bibl. Antonio Miranda

 

 

 

ALVES, Alexandre Bezerra..  Silêncio, mar. A poesia de Zila Mamede nos anos 50.  Natal, RN: Sebo Vermelho Edições, 2006.  144 p.  14X21 cm. “ Alexandre Bezerra Alves “ Ex. bibl. Antonio Miranda

 

ANDRADE, Carlos Drummond de.  Cartas de Drummond a Zila Mamede.  Org. e introdução de Graça Aquino. Natal, RN: Sebo Vermelho Edições, 2000.  75 p.  14x21 p. “Orelha” do livro por Diva Cunha.  “ Carlos Drummond de Andrade “  Ex. bibl. Antonio Miranda

 

===============================================

         

           TEXTOS EM PORTUGUÊS – TEXTOS EM INGLÊS

ZILA MAMEDE

Zila Mamede (1928-1985) published six books of poetry: Rosa de pedra (1953), Salinas (1958), O arado (1959), Exercício da palavra (1975), Navegos (1978), and A herança (1984). She has two posthumous works, the compilation Navegos/A herança (2003) and Exercícios de poesia: textos esparsos (2009). In Natal (RN), she was director of the Central Library at the Universidade Federal do Rio Grande do Norte (Federal University of Rio Grande do Norte - UFRN) and wrote important researches in the field of Librarianship, especiallly about Luís da Câmara Cascudo and João Cabral de
Melo Neto.

                                    (O Arado)

MAMEDE, Zila.  Rosa de Pedra.  The stone rose.  Edição bilíngue português –
inglês.  Tradutor Alexandre Alves.  Mossoró, RN: Queima-Bucha, 2013.  104 p.  12,5x20 cm.    Inclui errata, ao final.  Edição comemorativa dos 60 anos da obra. Col. A.M

 

FLOR EXTINTA

 

Extinta flor azul na correnteza,

desfeita luz na face transitória

do tempo, voz perdida na memória

em traços, mudas formas de beleza.

 

Sob folhas de mangue acobertada,

extinta flor azul entorpecida

numa corola resta vã, sem vida,

navega na torrente, atormentada.

 

Distantes, já, em sombras liquefeitas

as pétalas marejam sóis, desfeitas

em mil fragmentações, gestos sem cor.

 

Nas brumas, morto caule inconformado

liberto foi de corpo ensanguentado,

perdido corpo azul de extinta flor.

 

 

EXTINGUISHED FLOWER

 

In the flow, dead blue flower,

undone light on the fleeting face

oftime, a Lost voice on a trace

of memory, beaut´s mute manner.

 

Under covered mangrove leaves,

blue flower, numb and lifeless

on a corolla, vain and useless

sails into the flow, ever teased.

 

Ever distant on liquefied shades

petals are weeping suns, they fade

into pieces, gestures without colour.

 

On a fog, a dead stalk in a bad mood

breaks free from a lost body in blood,

blue body of an extinguished flower.

 

 

 

SONETO GEOMÉTRICO

 

Ventre da noite, incesto, cavernoso,

gerando ideia longitudinal.

O frio vento insólito e anguloso

vertendo em gesto azul a flor do mal

 

que vinda foi de rio caudaloso

e após ter sido areia e também sal

fundiu-se logo em ângulo brilhoso

descrito num momento horizontal,

 

por causa de um desejo da neblina

que, pura, quis traçá-lo na retina,

em formas, já, de justificação.

 

Tranquila, a flor do mal purificada

despiu-se, pois, de forma avermelhada

por branco horizontal de redenção.

 

 

GEOMETRYCAL SONNET

 

Night hollow womb, incestuous in,

a lengthwise idea is turning over.

The unusual cold and angular wind

in blue ways pouring out the evil flower

 

which came from a swollen river

and after became salt and sand

blended on a shining angle ever

described on a horizontal instant,

 

just due to a pure mist desire

which wanted to catch it in the eye

in sooner forms of justification.

 

Quiet, the evil flower ever purified

— on a reddish way - got undressed

into a horizontal blank of redemption.

 

 

 

SONETO DA TUA VINDA ANTECIPADA

 

Chegaste antecipado de mistérios

tendo na face, amorfo, o meu segredo.

Na argila do teu beijo adolescente

trazes canções molhadas de esperanças

 

sobrepairando lábios e hemisférios

onde se oculta, informe, o teu degredo.

Te vejo aproximado e intransparente,

te sinto inatingido de lembranças.

 

Por onde andaste, ó ave de granito,

plantando os pensamentos? Onde a veste

a seduzir-te chamas, branco e espaços?

 

Meus olhos te investiram de infinito

guardando, intato, o amor que não trouxeste

na tarde prematura dos teus braços.

 

 

SONNET OF YOUR ANTECIPATED COMING

 

Soon, you arrived under mysteries

my shapeless secret on your face.

On the clay of your teen kiss, likewise

you bring wet songs of expectancies

 

fluttering lips and hemispheres

where its hidden your exile place.

I see you not so clear but nearby,

I feel you unattained ofmemories.

 

Oh granite bird, where have you been,

placing your thoughts? Where do you wear it

in flames, in white, in space to seduce you?

 

My eyes vested in you with innnity

keeping intact a love you didnt bring on it,

on your arms as a premature afternoon.

 

 

 

 SONETO PARA O MOMENTÂNEO

REENCONTRO DA PERDIDA INFÂNCIA

 

Não. Esse não, porque esse quadro encerra

os seus limites infantis de outrora

quando plantava as mãos de medo e terra

nos flocos de algodão sujos de aurora.

 

Não esse quadro antigo em que se aferra,

surda, uma dor que uma antes criança chora

perdida no caminho que a desterra

e no pranto que então seus anos mora.

 

Esse não: que ainda busca o procurado

abismo de onde os traços seus, feridos,

surpreendam voz pedindo claros sons.

 

Não essa inútil forma em céu crestado

descolorindo os ecos ressurgidos

nos dedos que inventaram lírio e tons.

 

 

SONNET TO THE MOMENTARY

COMEBACK OF THE LOST CHILDHOOD

 

Not. Not this, because this picture ends

your childish limits of a past time

when you planted hands offear and grains

on the cotton flakes, all dirty of daylight.

 

Not this old picture which holds on tight

a dull ache which a child weeps before

lost on away that takes her out, on a cry

over the years which live therefore.

 

Not this: which it still looks for the tried

abyss from where your traces are wounded,

they surprise a voice into sounds on and on.

 

Not this worthless form on a parched sky

discolouring these echoes on a rise

among fingers which created lily and tones.

 

 

 

 

 

 

VOLTAR À PÁGINA BRASIL SEMPRE Topo da Página

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar