Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Cartão postal antigo; bilhete postal – old postcard – tarjeta postalantigua –
Editor/publisher M. OROZCO, Rio de Janeiro circa 1904)



MUNIZ BARRETO

 

Francisco MITNIZ BARRETO - Reputado o melhor poeta, repentista do Brasil. Nasceu

na vila de Jaguaripe, Bahia, a 10 de março de 1804, e faleceu em Salvador a 2 de junho

de 1868. Abraçou a carreira militar, chegando a segundo tenente, em cujo posto pediu demissão. Ocupou depois o lugar de escriturário da Alfândega da Bahia, aposentando-se em 1862.

 

CHRISTO NO GOLGOTHA

 

Ao martyrio da Cruz, de bens fecundo,

De Deus caminha o placido Cordeiro!

Em denso véu de trevas o luzeiro

Do dia se retrae com dó profundo.

 

Ao vozear do bando furibundo,

Treme do Golgotha o sagrado outeiro;

Dos rebatidos cravos do madeiro

Brotam faiscas, que dão luz ao mundo.

 

Alli, de sangue lagrimas vertendo,

Da Virgens a superna Magestade

Ao supplicio do Filho assiste horrendo!...

 

Cumprfe-se a pharisaica atrocidade:

Aos seus algozes o perdão dizendo,

Morre o Christo... e renasce a humanidade. 

 

 

(Obs. Conservamos a ortografia original, tal como aparece no cartão).

 

Este exemplar  faz parte de uma coleção de 16 “bilhetes postais” da coleção particular de Antonio Miranda registrada no texto Poesia em Cartão Postal Antigo.

 

 

ESQUECI-ME DE MIM,  PENSANDO NELA

 

Urna noite, em que a lua em céu de estio,

Meiga e serena, prateava o mundo,

Para dar pasto à minha dor, no fundo

De um vale me entranhei, triste e sombrio.

 

De aves noturnas lamentoso pio

O tormento dobrava-me profundo;

Como de acinte, em murmurar jucundo,

Ali de amores me falava um rio.

 

Eis perto ouço um canto magoado...

Olho — era ele de gentil donzela —;

Mas, quando ia a seus pés prostrar-me, oh fado !...

 

Desdenhosa fugiu-me a ninfa bela...

E eu — desde esse instante infortunado —

Esqueci-me de mim, pensando nela.

 



Voltar para o topo da página Voltar para a página de poesia Brasil Sempre

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar