Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

POESIA MUNDIAL EM PORTUGUÊS

Afresco frequentemente referido a Safo nos tempos
modernos, encontrado em Pompeia.

 

SAFO DE MITILENE

 

Safo (em grego antigo: Σαπφώ, transl. Safo) foi uma celebre poetisa grega da ilha de Lesbos, contemporânea de Pítaco e Alceus.

É conhecida por sua poesia escrita para ser cantada ao som da lira.  A maioria dos poemas de Safo se perdeu ao longo do tempo, assim como ocorreu com praticamente todos os escritores da antiguidade, e o que sobreviveu chegou até nós em forma de fragmentos, sendo seu único poema completo a chegar aos dias atuais intitulado ´´Ode a Afrodite´´, pois foi preservado por Dionísio de Halicarnasso, em sua obra sobre a composição dos nomes.[

 Além da poesia lírica, os antigos comentaristas afirmam que ela escrevia poesia elegíaca e iâmbica. Pouco se sabe sobre a vida de Safo, sabe-se que ela era filha de uma família rica da aristocracia de Mitilene, porém não é possível ter certeza sobre o real nome de seus pais, sendo atribuídos geralmente o nome de Cleis para a sua mãe e de Escamandronimo para seu pai. Biografia (mais em) pt.wikipedia.org

É sabido que sua obra foi queimada em Constantinopla, no pontificado de Gregório VII. Esteve exilada na Sicilia.

 

         À AMADA

         Ventura, que iguala aos deuses,
Em meu conceito, desfruta
Quem, junto de ti sentada,
As doces faltas te escuta,
Goza teu mago sorrir.

         Quando imagino em tal gosto
É minha alma um labirinto;
Expira-me a voz nos lábios;
Nas veias um fogo sinto;
Sinto os ouvidos zunir.

         Gelado suor me inunda;
O corpo se me arrepia;
Fogem-me as cores do rosto,
Como ao vir da quadra fria
Entra a folha a desmaiar.

         Respiro a custo, e já cuido
Que se esvai a doce vida!
Arrisquemo-nos a tudo...
Contra uma angústia insofrida
Tudo se deve tentar.

                            Tradução: António  Feliciano de Castilho

 

         O PUDOR

         A teus dotes qual mais encantador
Tu ajuntas, amável criatura,
Um para mim de todos o maior;
E que até embeleza a formosura:
O pudor!

                            Tradução: João de Deus

 

 

Poesialésbica?
Poesia homo-afetiva

Página publicada em fevereiro de 2019   


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar