Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
POESIA MUNDIAL EM PORTUGUÊS

PHILIPPE JACCOTTET

 

Philippe Jaccottet , nascido em 30 de junho de 1925 em Moudon , é escritor , poeta , crítico literário e tradutor suíço Vaud . Ele é o marido da ilustradora e pintora Anne-Marie Jaccottet , nascida em Haesler.

Jaccottet escreve versos e prosa curta pelos quais ele se esforça para encontrar uma relação com a natureza e o mundo. Em busca das palavras mais justas possíveis, ele tenta preservar a emoção das coisas vistas, trabalhando tanto no percebido quanto no sentido; isso explica por que sua poesia é imbuída de simplicidade e mistério. O poema permanece no "quase", fica no limiar, à beira de nos dar acesso à alegria vivenciada diante da beleza da natureza. Além de poemas e ensaios, o trabalho de Jaccottet também consiste em cadernos , que constituem para ele uma forma alternativa de poesia. O todo é marcado pela modéstia e contenção, que ele resume a si mesmo pela fórmula "Erasure é o meu modo de brilhar" , e que pode ser encontrado em várias formas em Charles-Ferdinand Ramuz , Gustave Roud , Maurice Chappaz e Edmond-Henri Crisinel  . É acima de tudo uma exigência muito forte da verdade que motiva o poeta em sua escrita, daí uma certa desconfiança das imagens ("a imagem esconde o real, distrai o olhar"), e uma dúvida que se encaixa, explicitamente no poema:

"A verdade parecia tão simples, guardo apenas o casco, vazio, nem mesmo: máscaras, um macaco ..."

Para evitar esse perigo, inerente ao uso da imagem, a escrita jaccoteana é "uma estética da medição e não dita", caracterizada por uma busca por equilíbrio e precisão, o que explica as muitas correções presentes nos poemas - além disso, o próprio título da coleção Lessons refere-se a essa busca por precisão, uma vez que uma lição também pode ter o significado de "versão" de um texto (é usa para textos latinos ou gregos por exemplo), uma versão que não é certa, que pode admitir outras versões ou correções; é uma questão de chegar o mais próximo possível, por exemplo, de uma cor, que é difícil de tornar as palavras muito vagas e gerais para satisfazer a preocupação de Jaccottet para caracterizá-lo: "Os campos de trigo: este é mais amarelo, ainda não ocre. Nem ouro. É algo diferente de uma cor. Caracterização que é antes uma abordagem, de modo algum definitiva, da coisa considerada, exceto quando a condensação poética parece alcançar uma precisão quase milagrosa, mas que não exclui a dúvida, como nas notas mais notáveis. Semente Conciso, ou as linhas finais de um poema como " O Ignorante ".

 

Em um discurso em Reconhecimento pelo Prix Rambert , onde ele expôs alguns "elementos de poética", Jaccottet escreve que o poeta não é mais "o Sol [...] nem um filho do Sol; nem mesmo um portador da tocha ou um farol "(ele rejeita a imagem do" poeta-profeta "): a tarefa desse" anônimo [...] vestido como qualquer outro homem preocupado "é tentar" o mundo "tão maravilhosamente" que sua obra seria capaz de afastar o homem de seu medo da morte 34 . O poeta deve, portanto, "observar como um pastor [e] chamar / tudo o que pode ser perdido se ele adormecer"; seu "trabalho é manter, preservar uma memória: ele mantém um" fogo fino "contra o vento e as trevas", como escreve Jean-Michel Maulpoix. É em consonância com essa concepção que o poeta lança um olhar crítico em relação a seus inícios, por exemplo, nas primeiras páginas da Lição . Quando Poesia , retomando as primeiras coleções, foi publicada na coletânea "Poesia / Gallimard", Jaccottet decidiu descartar certos poemas, aqueles que ele "gosta menos", e modificar alguns outros. Essas mudanças podem ser vistas no sentido de uma harmonização dos textos do poeta ainda jovem com os do "poeta tardio", especialmente em relação à sua concepção de obliteração e poesia. De fato, o caminho de Jaccottet leva-o a considerar os meios da poesia com certa desconfiança e a não confundir esses meios com seus objetivos: ele também considera a prosódia como segunda, comparável a outra forma de retórica porque há "um conflito entre a rima e a verdade". Este pensamento tem, portanto, uma influência sobre as formas escolhidas: o soneto , presente em O Fright , desaparece nas outras coleções para o benefício de formas mais pessoais, tendo sido "uma passagem [...] um meio e um lugar de experimentação". para o jovem poeta.

O motivo da luz é onipresente na obra: os títulos de certas obras e de muitos poemas, e os efeitos da luz que aparecem nos textos atestam isso. Jean Starobinski enfatiza um "amor professado de luz, [que] ele ama o suficiente para querer que ele circule nas palavras que ele traça, e para garantir que ele não escreva quaisquer linhas que não sejam para o leitor uma maneira de clareza ".

Biografia: fr.wikipedia.org

 

TEXTES EN FRANÇAIS – TEXTOS EN ESPAÑOL – TEXTOS EM PORTUGUÊS

 

JACCOTTET, PhilippeCantos de abajo.  Nubes. Traducción de Juan Manuel Rodríguez Tobal.   Monterrey, México:  Universidad Autónoma de Nuevo León, 2009.  73 p.  Portada de Marta Hoyos González Luna.  ISBN 978-607-433-087-8     Ex. bibl. Antonio Miranda

 

Je me redresse avec effort et je regarde:
il y a trois lumières, dirait-on.
Celle du ciel, celle qui de là-haut
s'écoule en moi, s'efface,
et celle dont ma main trace l'ombre sur la page.

L'encre serait de l'ombre.

Ce ciel qui me traverse me surprend.

On voudrait croire que nous sommes tourmentés
pour mieux montrer le ciel. Mais le tourment
l'emporte sur ces envolées, et la pitié
noie tout, brillant d'autant de larmes
que la nuit.

 

6

J'aurais voulu parler sans images, simplement
pousser la porte...

J'ai trop de crainte
pour cela, d'incertitude, parfois de pitié:
on ne vit pas longtemps comme les oiseaux
dans l'évidence du ciel,

et retombé à terre,
on ne voit plus en eux précisément que des images
ou des rêves.

 

 

6

Yo habría querido hablar sin imágenes,
sencillamente sólo
empujar la puerta...

                                Tengo, sí, demasiado miedo
a eso, incertidumbre, misericordia a veces:
no puede uno vivir como los pájaros
en la evidencia del cielo largo tiempo,
y caído ya en tierra,
no puede ver en ellos más que precisamente
imágenes o sueños.

 

Me he enderezado con esfuerzo y miro:
hay tres luces, diría.
La del cielo, la que arriba en lo alto
se deja caer en mí, se borra,
y aquella cuya sombra traza sobre la página
mi mano.

 

La tinta sería sombra.

 

Este cielo que ahora me traspasa es extraño.

 

Querría uno creer que algo nos atormenta
para mostrar mejor el cielo. Pero el tormento
puede más que este vuelo, y la misericordia
lo anega todo, luciendo en tantas lágrimas
como la noche.

 

 

 

TEXTOS EM PORTUGUÊS
Tradução de Antonio Miranda

 

Me dirigi com esforço e miro:
são três luzes, diria.
A do céu, a que lá em cima no alto
cai sobre mim, se apaga,
e aquela cuja sombra traça sobre a página
minha mão.

         A tinta seria uma sombra.

         O céu que agora me atravessa é estranho.

Queríamos acreditar que algo nos atormenta
para mostrar melhor o céu. Mas o tormento
pode mais que este voo, e a misericórdia
inunda tudo, luzindo em tantas lágrimas
como a noite.

*

 

Falar

         6

Eu preferia falar sem imagens,
simplesmente apenas
empurrar a porta...
Tenho, sim, medo demais
disso, incerteza, misericórdia às vezes:
não podemos viver como os pássaros
na evidência do céu longo tempo,
e caído pela terra,
não pode ver neles mais que precisamente
imagens ou sonhos.

 

 

IARARANA – revista de arte, crítica e literatura.  Salvador, Bahia.   No.  10 – dezembro   2004. Ex. bibl. Antonio Miranda

 

 

Tradução:  CLAUDIO VEIGA
Ensaista, presidente da ALB.

 

 

FRUITS

 

 

Dans les chambres des vergers
ce sont des globes suspendus
que la course du temps colore
des lampes que le temps allume
et dont la lumière est parfum

 

On respire sous chaque branche

le fouet odorant de la hâte

Ce sont des perles parmi l'herbe

de nacre à mesure plus rose

que les brumes sont moins lointaines

 

des pendeloques plus pesantes
que moins de linge elles ornent

 

Comme ils dorment longtemps
Sous les mille paupières vertes!

 

Et comme la chaleur

 

Par la hâte avivée
leur fait le regard avide!

 

 

 

Frutas  

Nos aposentos dos vergéis
são globos pendurados
pela marcha do tempo coloridos
lâmpadas que o tempo acende
e cuja luz é perfume

 

Sob os ramos se respira

o chicote perfumado da pressa
São pérolas na relva

de nácar mais cor-de-rosa
quanto menos longe esteja a bruma 

brincos mais pesados

quanto menos vestido enfeitem
 

Como estão dormindo há muito
No verdor de suas pálpebras!

 

E como o calor
 

Avivado pela pressa

a seus olhos dá mais forme

 

 

 

IGNORANT

 

Plus je vieillis et plus je croîs en ignorance,

Plus j'ai vécu, moins je possède et moins je règne.

Tout ce que j'ai c'est un espace tour à tour

Enneigé et brillant, mais jamais habité.

Où est le donateur, le guide, le gardien?

Je me tiens dans ma chambre et d'abord je me tais

(le silence entre en serviteur mettre un peu d'ordre),

et j'attends qu'un à un les mensonges s'écartent:

que reste-t-il , que reste-t-il à ce mourant

qui l'empêche si bien de mourir? Quelle force

le fait encor parler entre ses quatre murs?

Mais je l'entends vraiment qui parle, et sa parole

Pénètre avec le jour, encore que bien vague:

 

"Comme le feu, l'amour n'établit sa clarté

que sur la faute et la beauté des bois en cendres..." 

 

 

 

IGNORANTE

 

Quanto mais envelheço, encurta meu saber,
Quanto mais eu vivi, menos possuo e reino.
Tudo o que tenho é um espaço alternativo,
Nevado e reluzente, e jamais habitado.

Onde está o doador, onde o guarda, onde o guia?
Permaneço em meu quarto e primeiro me calo
(serviçal, o silêncio arruma um pouco as coisas),
e espero que uma a uma as mentiras se afastem:
ao pobre moribundo o que resta, o que resta
que lhe impede morrer? Qual a força que ainda
o faz ficar falando entre as quatro paredes?
Mas na verdade o estou ouvindo e sua voz
Vai entrando com o dia embora muito vaga:

 

"Tal como o fogo, o amor só constrói seu clarão 

com a falta e a sedução da lenha incinerada..."

 

 

 

Do livro Antologia da poesia francesa (2. ed. Rio de Janeiro: Record, 1999). Tradução e organização de Cláudio Veiga.

 

 

 

 

Página publicada em fevereiro de 2019; ampliada em junho de 2019

 


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar