"1" border="0" id="undefined_4">
Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas 20"
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
POESIA MUNDIAL EM PORTUGUÊS

Foto e biografia: https://pt.wikipedia.or

 

OSCAR WILDE

 

Oscar Fingal O'Flahertie Wills Wilde, ou simplesmente Oscar Wilde foi um influente escritor, poeta e dramaturgo britânico de origem irlandesa. Depois de escrever de diferentes formas ao longo da década de 1880, tornou-se um dos dramaturgos mais populares de Londres, em 1890. Wikipédia

Nand Row, Dublin, Irlanda

Falecimento: 30 de novembro de 1900, Paris, França 

 

WILDE, OscarPoemas em prosa e Salomé. Tradução do original inglês por Dilermando Duarte Cox.  Com as ilustrações de Audrey Beardslsey.  Introdução de Walmir Ayala.      Rio de Janeiro: EDIOURO – Editora Tecnoprint, s. d. 147 p.   (Coleção Universidade de bolso).  12 x 21 cm.   
Ex. bibl. Antonio Miranda

 

Oscar Wilde, em torno de cuja vida sobrevoa o pássaro do escândalo, um dos poetas ingleses de maior fama e audiência mundial, nasceu em Dublin, aos 16 de outubro de 1854 e faleceu em Paris a 30 de novembro de 1900.

Seu espírito raro, sua sensibilidade doentiamente comprometida com a beleza, deram-lhe as armas para, dentro de um esquema estritamente aristocrático, processar uma verdadeira revolução anticonvencional. Porque o reino da beleza é o único onde se pode exercer a verdadeira subverseu até a última gota.

WALMIR AYALA

 

 

O Poeta

 

O poeta vivia no campo, entre prados e bosques; porém, todas as manhãs, ele ia à grande cidade que ficava a muitas milhas de distância, envolvida em névoas tristes, no topo das colinas.

Todas as tardes, ele regressava, E à luz indecisa do crepúsculo, crianças e adultos juntavam-se à sua volta a fim de ouvi-lo narrar as coisas maravilhosas que vira na das colinas.

E ele contava-lhes como os pequeninos faunos escuros o espreitavam dentre as folhas verdes do bosque.

Contava-lhes como as nereidas de cabelos esverdeados emergiam das águas cristalinas do lago, cantando para ele ao som das suo lago, cantando para ele ao som das suas harpas.

Contava-lhes também como o grande centauro o encontrava no alto da colina e sorrindo galopava, envolvido em nuvens de pó.

Estas e muitas outras coisas maravilhosas o poeta narrava às crianças e aos adultos quando se reuniam à sua volta, todas as tardes, enquanto as sombras se adensavam à aproximação do crepúsculo cinzento.

Contou-lhes histórias maravilhosas de coisas surpreendentes criadas pelo seu espírito, porque o tinha pleno de lindas fantasias.

Um dia, porém, o poeta, regressando da cidade grande através dos bosques, viu, de fato, os pequeninos faunos escuros espreitando-o dentre as folhas verdes. E, quando se dirigiu para o lago, as nereidas de cabelos esverdeados emergiram da água cristalina e cantaram para ele ao som de suas harpas. E, também quando alcançou o topo da colina, o grande centauro galopou sorrindo, envolvido em nuvens de pó.

Naquela tarde quando, ao pálido crepúsculo, os adultos e as crianças se lhe juntaram para ouvir as coisas maravilhosas que vira naquele dia, o poeta lhes disse:

— Hoje nada tenho para lhes contar; não vi coisa alguma.

Isso porqueily:'Verdana',sans-serif; ">Isso porque, naquele dia, pela primeira vez na sua vida, ele os vira de fato, e, para um poeta a fantasia é a realidade e a realidade nada significa.

 

WILDE, Oscar. Salomé.  Concepção e tradução Renata Maria Parreira
Cordeiro, do original francês.  São Paulo:    Landy, 2002.  121 p. 
11.5 x 20,5 cm.     Capa: Camila Mesquita.  
ISBN  9678-85-87731-64-5 ISBN  9678-85-87731-64-5 Ex. bibl. Antonio Miranda

Acontece que as traduções para outras línguas têm, geralmente, por base essa versão de Alfred Douglas. Julga-se, no entanto, que uma vez que a peça foi escrita em francês, cumpre fazer uma tradução direta do original. É isso que se propõe aqui, e não criticar esta ou aquela versão, nem tampouco desmerecer as des, foram consultadas e citadas na Bibliografia, pois o objetivo é tão-somente propor uma leitura "menos distante", ainda que, nas palavras de Romain Rolland a Richard Strauss, Wilde não possa ser considerado um poeta francês, "por maior que fosse o seu conhecimento desse idioma".

Renana',sans-serif; font-size:10.0pt; ">Renata Maria Parreira Cordeiro Fevereiro de 2002

 

 

SALOMÉ

Como é bom ver a lua! Parece uma moedinha. Parece uma pequenina flor de prata. A lua é fria e casta... Tenho certeza de que é virgem. Tem a beleza virginal... Sim, é virgem. Nunca se maculou. Nunca se entregou aos homens como as outras Deusas.

 

SALOMÉ

Os olhos, principalmente, é que são terríveis. Parecem buracos negros feitos por archotes numa tapeçaria de Tiro." Parecem cavernas negras, habitadas por dragões, cavernas negras do Egito onde os dragões encontram refúgio. Parecem lagos negros agitados por luas fantásticas... Julgais que continuará falando?

 

 

OUTRAS VERSÕES: 

Por Stéphane Mallarmé, 1871

HERODÍADE

 

III    Cântico de São João

de São João

 

Esse sol que a sua alta
Tranquilidade exalta
Já desce novamente
Incandescente

 

Nas vértebras parece
Que uma asa negra cresce
E de todo vibrante
Unissonante

&nbsn="left" class="MsoNoSpacing" style="margin-left:35.4pt;">A cabeça assomada
Vigilante isolada
No vôo triunfal
Desse punhal

 

Já cortada supera
Ou resolve ou modera
O que de divergente
No corpo sente

 

Bêbada de abstinência
a
Na queda desvairada
Pura mirada

 

***

 

 

Por  Mário de Sá-Carneiro, 1913 

S A L O M É

 

 

Insónia roxa. A luz a virgular-se em medo,
Luz morta de luar, mais Alma do que a lua...
Ela dança, ela range. A carne, álcool de nua,
Alastra-se pra mim num espasmo de segredo...

 

 

Ela chama-me em íris. Nimba-se a perder-me,
Golfa-me os seios nus, ecoa-me em quebranto...
Timbres, elmos, punhais... A doida quer morrer-me:

 

Mordoura-se a chorar - há sexos no seu pranto...
Ergo-me em som, oscilo, e parto, e vou arder-me
Na boca imperial que humanizou um Santo...

 

 

 

 Página publicada em janeiro de 2018; ampliada em agosto de 2019


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar