Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
POESIA MUNDIAL EM PORTUGUÊS

MARIO LUZI

(1914 - 2005)

 

Mario Luzi nasceu nos arredores do Monte Amiata, passando sua infância na pequena cidade de Castello, na comuna italiana de Sesto Fiorentino, província de Florença. É na cidade de Florença que ele viria a estudar Literatura Francesa, terminando seus estudos universitários com uma tese sobre o trabalho de François Mauriac (1885 - 1970). Estreou como poeta em 1935, com a coletânea de poemas La barca, passando logo em seguida a lecionar em colégios de Parma e Roma. Na década de 40 voltaria a Florença, onde publicou as coletâneas Avvento notturno (1940), Biografia a Ebe (1942), Un brindisi (1946) e Quaderno gotico (1947). Estes livros são por vezes ligados à poesia hermética italiana do período. A publicação de Primizie del deserto (1952) marcaria uma mudança na sensibilidade estética do poeta, contendo muitos dos poemas antológicos do autor, em livros como Onore del vero (1957), Il gusto della vita (1960), Nel magma (1963), Dal fondo delle campagne (1965) e Su fondamenti invisibili (1971). Em 1978 recebeu o "Premio Viareggio" por Fuoco della controversia, já como um dos poetas mais respeitados do pós-guerra italiano, respeito com o qual contaria até o fim de sua longa vida, quando foi eleito Senador vitalício da República Italiana. Publicaria ainda Viaggio terrestre e celeste di Simone Martini (1994) e Sotto specie umana (1999), encerrando sua obra com o volume Dottrina dell'estremo principiante (2004). O poeta morreu em Florença, em fevereiro de 2005.
Fonte da biografia: revistamododeusar.blogspot.com.br

 

Extraído de

 

POESIA SEMPRE.  Revista Semestral de Poesia..   Ano 3 – Número 6 – Fevereiro  1995.           Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional / Ministério da Cultura – Departamento Nacional do Livro.   ISSN 0104-0626 Ex. bibl. Antonio Miranda

 

Alla vita

Amici ci aspetta una barca e dondola
nella luce ove il cielo s'inarca
e tocca il mare,
volano creature pazze ad amare
il viso d'Iddio caldo di speranza
in alto in basso cercando
affetto in ogni occulta distanza
e piangono: noi siamo in terra
ma ci potremo un giorno librare
esilmente piegare sul seno divino
come rose dai muri nelle strade odorose
sul bimbo che le chiede senza voce.

Amici dalla barca si vede il mondo
e in lui una verità che procede
intrepida, un sospiro profondo
dalle foci alle sorgenti;
la Madonna dagli occhi trasparenti
scende adagio incontro ai morenti,
raccoglie il cumulo della vita, i dolori
le voglie segrete da anni sulla faccia inumidita.
Le ragazze alla finestra annerita
con lo sguardo verso i monti
non sanno finire d'aspettare l'avvenire.
Nelle stanze la voce materna
senza origine, senza profondità s'alterna
col silenzio della terra, è bela
e tutto par nato da quella.

 

À vida

 

Amigos um barco nos espera em doce embalo
na luz onde o céu se dobra em arco
e toca o mar,

esvoaçam criaturas loucas para amar

o rosto de Deus quente de esperança

de alto a baixo procurando

afeto em cada oculta distância

e choram: nós estamos em terra

mas um dia podemos nos librar

de leve reclinar no seio divino

rosas tombadas dos muros nas vias perfumadas

sobre o menino que as pede sem falar.

 

Amigos desde o barco avista-se o mundo

e nele uma verdade que procede

intrépida, um suspiro profundo

desde a foz até as nascentes:

a Madona dos olhos transparentes

desce lenta ao encontro dos morrentes,

recolhe o cúmulo da vida, junta as dores

as vontades secretas há anos na face umedecida.

As moças na janela enegrecida

com o olhar voltado p'ra as montanhas

não sabem desistir de esperar o que há de vir.

 

Dentro dos quartos a voz materna
sem origem, sem profundidade se alterna
com o silêncio da terra, é bela

e tudo parece nascer daquela.

 

Tradução de Rubens Ricupero

 

 

 

Natura

 

La terra e a lei concorde il mare
e sopra ovunque un mare più giocondo
per la veloce fiamma dei passeri
e la via

della riposante luna e del sonno
dei dolci corpi socchiusi alla vita
e alla morte su un campo;
e per quelle voci che scendono
sfuggendo a misteriose porte e balzano
sopra noi come uccelli folli di tornare
sopra le isole originali cantando:
qui si prepara

un giaciglio di porpora e un canto che culla
per chi non ha potuto dormire
sì dura era la pietra,
sì acuminato l'amore.

 

 

 

Natureza

 

 

A terra e com ela o mar em harmonia
e acima e em toda a parte um mais alegre mar
pela veloz flâmula dos pássaros
e a trilha

da repousante lua e do sono
dos doces corpos entreabertos para a vida
e para a morte sobre um campo;
e por aquelas vozes que descem
fugindo de misteriosas portas e saltam
sobre nós como aves loucas de voltarem
para suas ilhas de origem cantando:
aqui se prepara

um catre de púrpura e um acalanto
para aquele que não pôde adormecer
tão dura era a pedra, tão aguçado o amor.

 

Tradução de Rubens Ricupero

 

 

 

Página publicada em dezembro de 2017


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar