Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
POESIA MUNDIAL EM PORTUGUÊS

KONSTANTINOS KAVÁFIS

 

Konstantínos Kaváfis, no alfabeto grego: Κωνσταντίνος Πέτρου Καβάφης, (Alexandria, 29 de abril de 1863 — Alexandria, 29 de abril de 1933) foi um poeta grego, geralmente considerado o maior nome da poesia em idioma grego moderno. Por vezes, seu nome aparece creditado como Constantine P. Cavafy. Em sua poesia, 154 poemas reelaborados durante a vida inteira, unia citações eruditas à fala cotidiana.

Constantine P. Cavafy (Kavafis), nasceu em Alexandria (Egipto) em 1863. Ainda que tivesse nascido em terras egípcias, Kavafis era grego, pois pertencia a numerosa colônia helênica que floresceu nessa cidade mediterrânea. A condição de estrangeiro, na própria terra, pode ser realçada pelo fato de que conhecia muito pouco o árabe, língua materna da quase totalidade da população egípcia. Mas é sempre importante lembrar que a Alexandria, do período em que viveu Kaváfis, era cercada por um contexto social bem mais cosmopolita do que o que se apresenta em nossos dias, resultado da política de nacionalização empreendida, na década de cinqüenta do século XX, pelo, então, presidente egípcio Gamal Abdel Nasser.

O seu pai morreu em 1870, deixando a família em precária situação financeira. A sua mãe e os seus seis irmãos mudaram-se para Inglaterra dois anos depois. Devido a má administração dos bens da família por parte de um dos filhos, a família foi forçada a regressar a Alexandria, na pobreza.

Os sete anos que Kaváfis passou em Inglaterra foram importantes na formação da sua sensibilidade poética. O seu primeiro verso foi escrito em inglês (assinando 'Constantine Cavafy'), e o seu subsequente trabalho poético demonstra uma familiaridade substancial com a tradição poética inglesa, em particular as obras de William Shakespeare e Oscar Wilde.

Os anos que se seguiram, de regresso a Alexandria, representaram tempos de pobreza e desconforto, mas revelaram-se igualmente significativos no desenvolvimento da sensibilidade de Kavafis. Este escreveu os seus primeiros poemas — em inglês, francês e grego — durante este tempo, em que aparentemente também teve as primeiras relações homossexuais.

Tendo trabalhado durante trinta anos na Bolsa de Valores Egípcia, Kavafis permaneceu em Alexandria até sua morte, que ocorreu em 1933, por motivo de câncer de laringe.

Kaváfis era um cético e questionava a Cristandade, o patriotismo e a heterossexualidade. Publicou 154 poemas e cerca de mais uma dúzia permaneceram incompletos ou no esboço.

Kavafis em vida não publicou nenhum livro. Seus poemas eram distribuídos em feuilles volantes (folhas soltas) ou, então, publicados em algumas revistas literárias.

O mais próximo de um livro, foram dois opúsculos que imprimiu: o primeiro, em 1904, com dezesseis folhas e o segundo, em 1910, com vinte e quatro folhas.

Em 1935 publicou-se o livro póstumo com os 154 poemas. Esta editio princeps consistia basicamente em uma coletânea das diversas feuilles volantes que fizera o poeta greco-alexandrino. Os poemas da editio princeps acabaram por receber o nome de canônicos. Entretanto, havia outros: inéditos, inacabados, repudiados que não fizeram parte do livro de 1935. Esses poemas infelizmente não foram ainda traduzidos para o português em sua totalidade.    Fonte: wikipedia

 

KAVÁFIS, Konstantinos77 poemas de konstantinos kaváfis   traduzidos do grego por Théon Spanúdis. (segunda, revisada edição).  São Paulo, SP: Livraria Kosmos Editora, 1979.   96 p.  Ex. bibl. Antonio Miranda

 

         Muralhas

         Sem preocupação, sem dó, e sem pudor
grandes muralhas altas ao meu redor me levantaram.

         E agora aqui sentado perco a esperança.
Domina o meu pensamento este negro Fados

         Porque eu tinha muita coisa a fazer lá fora.
Ah, quando erguiam-se as muralhas, como que eu não o sentisse.

         Mas nunca ouvi um som, ruído dos pedreiros,
insensivelmente me fecharam fora deste mundo.

 

         As almas dos velhos

         Dentro dos corpos velhos, desgastados
ficam sentadas, as almas dos idosos.
Quão tristes, desoladas são as pobres
E como são enfadadas com a vida que elas levam.
estas contraditórias, confusas —
dentro das velhas peles enrugadas.

 

         Candelabro

         Num quarto oco e coto, quatro paredes só,
cobertas todas com os panos verde puro,
inflama um candelabro belo em plena orgia
e dentro cada chama sua arde intensa
a comoção dita anormal, um anormal desejo.

         Dentro do quarto singular que arde iluminado
com este fogo flâmeo do belo candelabro,
não é luz corriqueira que emana da sua alma.
Por corpos que não são bem arrojados
não é propício o fervor deste hedonismos.

 

         Introspecção

         Anos de juventude e hedonismo —
como clareia agora o seu sentido.

         Que arrependimentos tolos e vazios...

         Mas neste tempo não chequei a ver o seu sentido.

         Na relaxada vida de um jovem
formavam-se da minha poesia os voos,,
delineava-se a fronteira da minha arte.

         Por isto os arrependimentos não duravam.
E decisões de conter-me, de mudar-me
permaneciam ao máximo duas semanas.

 

         Emiliano Monái, Alexandrino
628-655 após Cristo

         Com logos, fisionomia e maneiras
farei uma excelsa armadura
e enfrentarei assim as vis pessoas
sem medo ou fraqueza.

         Desejarão prejudicar-me. Mas não saberá
ninguém daqueles que se aproximarão,
onde tenho feridas, vulneráveis membros,
debaixo das mentiras que me cobrirão.

         Dizeres gabadores de Emilianós Monái.
Será que ele jamais fez a armadura assim?
Em todo caso não a vestiu muito tempo.
Com vinte e sete anos em Sikelía morreu.

 

         Veio pra ler —

         Veio pra ler, e são abertos
dois, três livros de historiadores e poetas.
Mas quando leu mais ou menos dez minutos,
abandonou-os.  Agora no sofá
adormeceu. Entregue todo aos livros —
mas ele tem vinte três anos, e é tão belo
e hoje à tarde o eros apalpou-o
na sua carne ideal, nos seus lábios.
Na carne que é de imácula beleza
passou todo o calor do erotismo
sem o ridículo pudor pela forma do gozo...

 

 (Poesia homoerótica – homossexual

 

Página publicada em junho de 2018

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar