Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
POESIA MUNDIAL EM PORTUGUÊS

GIACOMO LEOPARDI

 

Giacomo Leopardi (Recanati, 29 de junho de 1798 — Nápoles, 14 de junho de 1837) foi um poeta, ensaísta e filólogo italiano. É um dos maiores poetas italianos. A sua obra revela muito pessimismo, melancolia e cepticismo.

 

L'infinito

 

Sempre caro mi fu quest'ermo colle,
e questa siepe, che da tanta parte
dell'ultimo orizzonte il guardo esclude,
Ma sedente e mirando, interminati
spazi di là da quella, e sovrumani
silenzi, e profondissima quiete

lo nel pensier mi fingo; ove per poco

il cor non si spaura. E come il vento

odo stormir tra queste piante, io quello

infinito silenzio a questa voce

vo comparando: e mi sowien l'eterno,

e le morte stagioni, e la presente

e viva, e il suon di lei. Così tra questa

immensità s'annega il pensier mio:

e il naufragar m'è dolce in questo mare.

 

 

 

O infinito

 

        Tradução de Ivo Barroso

 

 

Sempre cara me foi esta colina erma
e esta sebe, que de extensa parte
dos confins do horizonte o olhar me oculta.
Mas, se me sento a olhar — intermináveis
espaços para além, e sobre-humanos
silêncios e quietudes profundíssimas,
na mente vou sonhando — de tal forma
que quase o coração me aflige. E, ouvindo
o vento sussurrar por entre as plantas,
o silêncio infinito à sua voz

comparo: é quando me visita o eterno
e as estações já mortas e a presente
e viva com seus cantos. Assim, nessa
imensidão se afoga o pensamento
doce é naufragar-me nesses mares.

 

 

LEOPARDI, Giacomo.  Cantos.  Tradução de Renato Suttana.  Desterro, SC: Nephelibata,  2014.  160 p.  Edição artesanal de 60 exemplares. Ex. bibl. Antonio Miranda.

 

Obs. Quem quiser adquirir um exemplar do livro, aqui vai o contato com a editora: edicoes.nephelibata@gmail.com

 

 

CANTO XI - O PÁSSARO SOLITÁRIO 

De sobre a agulha dessa antiga torre,
pássaro çolitário, na campina,
cantando vais, até que acabe o dia;
e erra a harmonia pelo vale. Em torno
a primavera esplende,»
nos campos exultando, enquanto, vendo-a,
o coração se acende.
Balem ovelhas, mugem os rebanhos,
e, alegres, outros pássaros competem,
livres, fazendo giros pelo céu,
a festejar sua estação melhor.
Tu, pensativo, à parte, a tudo observas:
nem campinas, nem voos
te dão felicidade: antes, te esquivas
e de tua existência
passas, cantando, a mais bonita flor.
Ai, quanto se assemelha
ao teu estado o meu! Riso e folguedo,
da mocidade doce companhia,
e a ti, amor, que também és irmão
da idade juvenil, suspiro amargo
da provecta estação,
não vos sei procurar; antes vos fujo
e, feito estranho ao meu torrão natal,
passo do meu viver a primavera.
Este dia, que vai anoitecendo,
festejar se costuma em nossa aldeia.
Atravessa o sereno um som de guizos,
de férreos canos soam uns disparos,
que, entre as casas, ao longe, vão morrendo.
Vestida para a festa
a juventude do lugar se apresta:
sai de casa e se expande pelas ruas,
e vê e é vista, e assim muito se alegra.
 

Eu, solitário, nesta
parte remota da campina, adio
alegria e prazer; e entanto o olhar
que dirijo para o ar

me fere o sol, que entre os montes ao longe,
depois de um dia calmo,
lento se apaga, como se a dizer
que a alegre juventude vai morrer.
 

Tu, pássaro sozinho, vindo a noite
da vida, que as estrelas te darão,
por certo o teu costume
não te doerá, que de Natura é fruto
qualquer desejo teu.
A mim, se da velhice
o detestado umbral
evitar não impetro,
quando nada mais digam estes olhos
a um outro coração,
e lhes seja vazio o mundo, e mais
do que os dias presentes os futuros
tediosos e negros, que pensar
deste querer, dos anos, de mim mesmo?
Ai, cheio de remorso, e em desconsolo,
tentarei outra vez
para trás me voltar.

 

CANTO XII - O INFINITO 

Sempre caro me foi este ermo outeiro,
e aquela sebe, que em tão grande parte
do horizonte final o olhar exclui.
Mas sentado, a mirar intermináveis
espaços além desses, sobre-humanos
silêncios e sossegos profundíssimos,
me afundo no pensar, onde por pouco
meu coração não se apavora. E, como
ouço o vento roçar contra estas plantas,
o silêncio infinito comparando
vou a tal voz: e me recorda o eterno,
as mortas estações, mais a presente
e viva, e o seu rumor. Assim, por esta
imensidade o meu pensar se afoga:
e naufragar me é doce neste mar.
 

 

XLI - MESMO ASSUNTO  

O que é dos homens pouco tempo dura,
foi o que, sem defeito,
disse o velho de Quio,
conforme impôs Natura
às folhas e aos humanos.
Mas essa voz no peito
poucos a escutam. À esperança inquieta,
filha dos jovens anos,
todos lhe dão guarida.
Enquanto é rubra a flor
de nossa amarga vida,
soberba, a alma vazia
mil doces ilusões acaricia,
sem na morte pensar ou na velhice;
e a doença não preocupa ao homem são.
Mas tolo é quem não vê
que a juventude tem a asa veloz,
e que é curta a distância
do berço ao fogo atroz.
Tu, preste a pôr o pé
sobre o abismo fatal
da plutônia mansão,
dos deleites presentes
sorve a breve estação.

 

 

 

TESTI IN LINGUA ITALIANA -  TEXTOS EM PORTUGUÊS

 

MEUS VERSOS DOS OUTROS. Traduções de poetas italiano por Oscar Dias Corrêa. Edição bilíngue.  Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras, 1999. 250 p.  (Coleção Afrânio Peixoto, 46)  14,5 X 18 cm.  ISBN 85-7440-018-1   Ex. bibl. Antonio Miranda

 

CANTI

 

XXII

LE RICORDANZE

 

Vaghe stelle dell'Orsa, io non credea
Tornare ancor per uso a contemplarvi
Sul paterno giardino scintillanti,
E ragionar con voi dalle finestre
Di questo albergo ove abitai fanciullo,
E delle gioie mie vidi la fine.

Quante immagini un tempo, e quante fole
Creommi nel pensier l'aspetto vostro
E delle luci voi compagne! allora
Che, tacito, seduto in verde zolla,
Delle sere io solea passar gran parte
Mirando il cielo, ed ascoltando il canto
Della rana rimota alla campagna!
E la lucciola errava appo le siepi
E in su l'aiuole, susurrando al vento
I viali odorati, ed i cipressi
Là nella selva; e sotto al patrio tetto
Sonavan voci alterne, e le tranquille
Opre de'servi. E che pensieri immensi,
Che dolci sogni mi spirò la vista
Di quel lontano mar, quei monti azzurri,
Che di qua scopro, e che varcare un giorno
Io mi pensava, arcani mondi, arcana
Felicità fingendo al viver mio!
Ignaro del mio fato, e quante volte
Questa mia vita dolorosa e nuda
Volentier con la morte avrei cangiato

 

Nè mi diceva il cor che l'età verde
 Sarei dannato a consumare in questo
Natio borgo selvaggio, intra una gente
Zotica, vii; cui nomi strani, e spesso
Argomento di riso e di trastullo,
Son dottrina e saper; che m'odia e fugge,
Per invidia non già, che non mi tiene
Maggior di se, ma perchè tale estima
Ch'io mi tenga in cor mio, sebben di fuori
A persona giammai non ne fo segno.
Qui passo gli anni, abbandonato, occulto,
Senz'amor, senza vita; ed aspro a forza
Tra lo stuol de'malevoli divengo:
Que di pietà mi spoglio e di virtudi,
E sprezzator degli uomini mi rendo,
Per la greggia ch'ho appresso: e intanto vola
Il caro tempo giovanil; più caro
Che la fama e l'allor, più che la pura
Luce del giorno, e lo spirar: ti perdo
Senza un diletto, inutilmente, in questo
Soggiorno disumano, intra gli affanni,
O dell'arida vita unico fiore.

Viene il vento recando il suon dell'ora
Della torre del borgo. Era conforto
Questo suon, mi rimembra, alle mie notti,
Quando fanciullo, nella buia stanza,
Per assidui terrori io vigilava,
Sospirando il mattin. Qui non è cosa
Ch'io vegga o senta, onde un'immagin dentro
Non torni, e un dolce rimembrar non sorga.
Dolce per se; ma con dolor sottentra
Il pensier del presente, un van desio
Dei passato, ancor tristo, e il dire: io fui.
Quella loggia colà, volta agli estremi
Raggi del dì; queste dipinte mura,
Quei figurati armenti, e il Sol che nasce
Su romita campagna, agli ozi miei
Porser mille diletti allorché al fianco
M'era, parlando, il mio possente errore
Sempre, ov'io fossi. In queste sale antiche,
Al chiaror delle nevi, intorno a queste
Ampie finestre sibilando il vento,
 Rimbombaro i sollazi e le festose
Mie voei al tempo che 1'acerbo, indegno
Mistero delle cose a noi si mostra
Pien di dolcezza; indelibata, intera
II garzoncel, come inesperto amante
,
 La sua vi ta ingannevole vagheggia,
E celeste beltà fingendo ammira

 

O speranze, speranze; ameni inganni

Della mia prima età! sempre, parlando,

Ri torno a voi; che per andar di tempo,

Per variar d'affetti e di pensieri,

Obbliarvi non so. Fantasmi, intendo,

Son la gloria e 1'onor; diletti e beni

Mero desio: non ha la vita un frutto,

Inutile miséria. E sebben vóti

Son gli anni miei, sebben deserto, oscuro

II mio stato mortal, poco mi toglie

La fortuna, ben veggo. Ahi, ma qualvolta

A voi ripenso, o mie speranze antiche,

Ed a quel caro immaginar mio primo;

Indi riguardo il viver mio si vile

E si dolente, e che la morte è quello

Che di cotanta speme oggi m'avanza;
Sento serrarmi il cor, sento ch'ai tutto
Consolarmi non so del mio destino.
 E quando por questa invocata morte
 Sarammi allato, e sarà giunto il fine
Della sventura mia; quando la terra
Mi fia straniera valle, e dal mio sguardo
Fuggirà l'avvenir; di voi per certo
Risovverrammi; e quell'imago ancora
Sospirar mi farà, farammi acerbo
 L'esser vissuto indarno, e la dolcezza
Del dì fatai tempererà d'affanno.

 

E già nel primo giovanil tumulto
Di contenti, d'angosce e di desio,
Morte chiamai più volte, e lungamente
Mi sedetti colà su la fontana
Pensoso di cessar dentro quell'acque
La speme e il dolor mio. Poscia, per cieco
Malor, condotto della vita in forse,
Piansi la bella giovanezza, e il fiore
De' miei poveri di, che sì per tempo
Cadeva: e spesso all'ore tarde, assiso
Sul conscio letto, dolorosamente
Alla fioca lucerna poetando

Lamentai co'silenzi e con la notte
Il fuggitivo spirto, ed a me stesso
In sul languir cantai funereo canto.

 

Chi rimembrar vi può senza sospiri,
O primo entrar di giovinezza, o giorni
Vezzosi, inenarrabili, allorquando
Al rapito mortai primieramente
Sorridon le donzelle; a gara intorno
Ogni cosa sorride; invidia tace,
Non desta ancora ovver benigna; e quasi:
(Inusitata maraviglia!) il mondo
La destra soccorrevole gli porge,
Scusa gli errori suoi, festeggia il novo
Suo venir nella vita, ed inchinando
Mostra che per signor l'accolga e chiami?
Fugaci giorni! a somigliar d'un lampo
Son dileguati. E qual mortale ignaro
Di sventura esser può, se a lui già scorsa
Quella vaga stagion, se il suo buon tempo,
Se giovanezza, ahi giovanezza, è spenta?

 

O Nerina! e di te forse non odo
Questi luoghi parlar? caduta forse
Dal mio pensier sei tu? Dove sei gita,
Che qui sola di te la ricordanza
Trovo, dolcezza mia? Più non ti vede
Questa terra natal: quella finestra,
Ond'eri usata favellarmi, ed onde
Mesto riluce delle stelle il raggio
È deserta. Ove sei, che più non odo
La tua voce sonar, siccome un giorno,
Quando soleva ogni lontano accento
Del labbro tuo, ch'a me giungesse, il volto
Scolorarmi? Altro tempo. I giorni tuoi
Furo, mio dolce amor. Passasti. Ad altri
Il passar per la terra oggi é sortito,
 E l'abitar questi odorati colli.
Ma rapida passasti; e come un sogno
Fu la tua vita. Ivi danzando; in fronte
La gioia ti splendea, splendea negli occhi
Quel confidente immaginar, quel lume
Di gioventù, quando spegneali il fato,
E giacevi. Ahi Nerina! In cor mi regna
L'antico amor. Se a feste anco talvolta,
Se a radunanze io movo, infra me stesso
Dico: o Nerina, a radunanze, a feste
Tu non ti acconci più, tu più non movi.
Se toma maggio, e ramoscelli e suoni
Van gli amanti recando alle fanciulle,
Dico: Nerina mia, per te non toma
Primavera giammai, non toma amore.
Ogni giorno sereno, ogni fiorita
Piaggia ch'io miro, ogni goder ch'io sento,
Dico: Nerina or piú non gode; i campi
Uaria non mira. Ahi tu passasti, eterno
Sospiro mio: passasti: e fiacompagna
D'ogni mio vago immaginar, di tutti
I miei teneri sensi, i tristi e cari
Moti dei cor, la rimembranza acerba.
 

 

 

TEXTOS EM PORTUGUÊS
Tradução: OSCAR DIAS CORRÊA

 

CANTOS

 

XXII

AS RELEMBRANÇAS

         Para Francisco Rezek

 

Jamais, estranhas estrelas da Ursa,
Acreditei voltar a contemplar-vos
Sobre o jardim paterno cintilantes,
E das janelas conversar convosco,
Desta morada onde habitei menino
E da minha alegria vi o fim.

Quantas imagens, quantas fantasias
No meu cismar criou o vosso aspecto,
E das luzes das vossas companheiras!
Sentado, absorto, sobre a verde relva,
Passava, então, das noites grande parte,
Mirando o céu e entreouvindo o canto
Das escondidas rãs no campo ao longe!
Vagalumes erravam junto às sebes,
Sobre o canteiro; o vento sussurrava
Nas sendas perfumadas, e ciprestes,
Longe, bem longe; e sob o pátrio teto
Ouviam-se as conversas e o tranquilo
Rumor da casa. Que altos pensamentos,
Que doces sonhos me inspirou a vista
Do mar longínquo, dos montes azuis,
Que daqui vejo, e que pensei, um dia,
Desvendar nos recônditos segredos,
Felicidade de viver, fingindo!
Ignorando meu fado, quantas vezes,
Teria a vida dolorosa e nua
Livremente trocado pela morte!

Nem me dizia o coração que os verdes
Anos consumiria neste burgo
Selvagem e nativo, entre esta gente
Rude e agreste; onde são estranhos nomes,
Objeto de chacota e zombaria,
Saber, doutrina; que me odeia e foge,
Não por inveja - que não me reputa
Maior que eles - mas porque estima
Que assim me considere; nem consigo
Pensar jamais que nisso haja sentido!
Aqui os anos passo, abandonado,
Oculto, sem amor, sem vida; áspero
Me torno vendo a multidão dos maus;
Aqui da caridade e das virtudes
Me dispo, e os homens todos já desprezo,
Olhando em volta; e, enquanto isso, voa

O caro tempo juvenil; mais caro

Do que a fama e que os louros, mais que a pura

Luz do dia, e o próprio viver: te perco

Sem um prazer, inutilmente, desta

Jornada desumana entre as fadigas,

Flor solitária desta vida árida.

 

Vem o vento trazendo o som das horas

Da torre do lugar; me confortava

Este som, lembra-me, nas minhas noites,

Quando menino; no meu quarto escuro,

Em constantes terrores vigiava,

Aguardando a manhã. E não há nada

Que eu veja e sinta, e dentro em mim não surja,

A relembrança mais suave e doce.

Doce em si mesma; mas o pensamento

Presente a dor invade, e um vão desejo

Do passado, inda triste, a dizer: fui.

Aquela sala além, voltada aos últimos

Raios do dia; paredes pintadas

Rebanhos figurando, e o sol que nasce

Sobre a campina solitária, pondo

Mil pensamentos que, a meu lado, falam,

E mil imagens poderosas tecem

Sempre onde eu vá. Nestas antigas salas,
 Ao resplender das neves; junto destas
Amplas janelas, sibilando o vento,
Explodiam prazeres e as alegres
Vozes minhas, no tempo em que o mistério
Das coisas, desumano e cruel, se mostra
De suavidade cheio; e o jovem sonha,
Como inexperto amante, realizar
A vida de enganosas fantasias
E celeste beleza ansioso admira.

 

Esperanças, esperanças, vãos enganos
Da minha juventude! Em vós falando,
A vós retorno. E nem o andar do tempo,
Com o variar de afeto e pensamento,
Esquecer-vos me faz. Fantasmas, sei,
São a glória e o amor; prazeres, bens,
Desejo vão. Não tem a vida um fruto,
Miséria inútil. Vejo tão vazios
Os anos meus, desertos e obscuros.
E se me tolhe a vida o meu destino,
Em vós penso, ó antigas esperanças,
 E lembro os caros sonhos meus primeiros,
E quando olho este viver tão vil
E tão atribulado, a morte é aquela

Mesma esperança que hoje me acalenta.
Sinto fechar-me o coração, e sinto
Consolo em não saber do meu destino.
Quando, porém, esta invocada morte

Me houver levado, chegará ao fim
A minha desventura; quando a terra
Se fizer vale estranho, do olhar meu
O porvir fugirá; me lembrarei
De vós; e aquela última imagem
Me fará suspirar, pois, chorarei
Haver vivido em vão; mas a doçura
Do fatal dia abrandará a dor.

 

Já no primeiro juvenil tumulto
De alegrias, angústias e desejos,
Morte chamei, por vezes, e pensei
Sentado lá bem longe junto à fonte,
Na água pôr fim à esperança e à dor.
Depois, cego destino, conduzido
Pela vida, chorei a juventude
E as belas flores dos meus pobres dias
Que ao tempo pereciam; quantas vezes,
Quantas, horas tardias, assentado
No leito, o mal sabendo, aflitamente,
Junto à frágil lucerna poetando
,
Lamentei, nos silêncios e nas noites,
O fugitivo espírito, e a mim mesmo,
Languescendo, cantei funéreo canto.

Quem recordar-vos pode sem suspiros,
O primeiro surgir da juventude,
Os dias indizíveis, tão viçosos,
Quando ao enlevado mortal primeiro
Sorriem as donzelas; e, em volta,
Tudo, tudo, sorri; a inveja cala,
Ainda não sentida; e, maravilha!
(Inusitada maravilha), o mundo
A destra em seu socorro e ajuda estende,
Desculpa os erros seus, festeja o novo
Chegar da vida, e se inclinando a ela,
Mostra que, soberano, o acolhe e evoca!
Lugazes dia que, como um relâmpago,
Passaram. Qual mortal ignorar pode
A própria desventura se perdeu
Essa breve estação, se esse bom tempo,
Juventude, ah! Juventude, passou?

 

Ó Nerina! Por certo não escuto
Falarem de ti estes locais?
Tu Talvez saíste do meu pensamento?
Onde estás que de ti só relembranças
Tenho, amor meu? E mais não te verá
Esta terra natal; nem as janelas
De onde sempre me falavas e donde
Desertou, pálido, o luzir dos raios
Das estrelas. Onde estás que o soar
Não ouço de tua voz, como num dia
Em que a cada palavra que, de longe,
Dos lábios teus chegava, meu semblante
Descoloria. Noutro tempo, os dias
Foram só teus, meu amor. Passaste.
A outros habitar a terra é dado
E fruir estes montes perfumados.
Mas rápida passaste; como um sonho,
Foi tua vida. Bailando! E a fronte tua
De júbilo fulgia, e nos teus olhos
Esplendia a esperança e aquela luz
Da juventude, e apagou-a o fado,
E te foste. Ah! Nerina! Na minha alma
Domina o antigo amor. E algumas vezes
Se a uma festa vou, a mim me digo:
Ó Nerina, não mais te enfeitas, jovem,
Para na festa admirada seres!
Se volta maio, com os sons e as flores
E os namorados buscam as donzelas,
Digo: Nerina minha, o amor jamais

 

Retornará, nem volta a primavera.

Todos os dias calmos e as floridas

Plagas que vejo, e no prazer que sinto,

Digo: Nerina, tu não sentes mais

Os campos, o ar, não vês! Ah! Tu passaste,

Eterno suspiro meu, companhia

Do meu vago sonhar, dos meus mais temos

Sentidos, tristes e queridos ímpetos

Do coração, a relembrança acerba.

 

 

Página publicada em dezembro de 2017 -Ampliada e republicada em janeiro de 2019


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar