Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
POESIA MUNDIAL EM PORTUGUÊS

Dante Alighieri, por Sandro Botticelli

DANTE ALIGHIERI

 

Dante Alighieri (Florença, entre 21 de maio e 20 de junho de 1265 d.C. — Ravena, 13 ou 14 de setembro de 1321 d.C.)[1]foi um escritor, poeta e político florentino, nascido na atual Itália. É sumo poeta"). Disse o escritor e poeta francês Victor Hugo (1802-1885) que o pensamento humano atinge em certos homens a sua completa intensidade, e cita Dante como um dos que "marcam os cem graus de gênio". E tal é a sua grandeza que a literatura ocidental está impregnada de sua poderosa influência, sendo extraordinário o verdadeiro culto que lhe dedica a consciência literária ocidental. (...)  Fonte: wikipedia

 

FRÓES, Heitor FMeus poemas dos Outros. Traduções e versões.  Bahia, 1952.  312 p.  Ex. bibl. Antonio Miranda

 

 

BEATRICE

 

 

         Dante Alighien

 

 

Tanto gentile e tanto onesta pare
La donna mia, quand'ella altrui saluta,
Ch'ogni lingua divien tremando muta,
E gli occhi non ardiscon di guardare.

 

Ella sen va, sentendosi laudare,
Benignamente e d'umiltà vestuta;
E par che sia una cosa venuta
Di cielo in terra a miracol mostrare.

 

Mostrasi si piacente a chi la mira,

Che dà per gli occhi una dolcezza al core,

Che intender non la può chi non la prova.

 

E par che della sua labbia si muova
Uno spirto soave e pien d'amore,
Che va dicendo all'anima: "Sospira!"

 

 

 

 

BEATRIZ

 

 

     Tradução: Heitor P. Fróes

 

 

Tão recatada e tão gentil parece
A minha amada, quando alguém saùda,
Que a gente quer falar ...  e fica muda;
Não se anima a fitá-la ... e se enternece.

 

Escutando o louvor que se lhe tece,
E' tão modesta sempre, e tão sizuda,
Que pode, ao vê-la, haver alguém que aluda
A um milagre do céu que à terra desce.

 

Tão amorável é, se a contemplamos,
Que seu olhar desperta um doce enleio
Que somente ao mirá-la interpretamos;

 

E do seu labio é comò se surdira

Um fluido brando e de paixâo tâo cheio

Que nos sugere ao coraçâo: "Suspira!"

 

 

 

 

Página publicada em dezembro de 2017

 

 

 

 

 


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar