Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
POESIA MUNDIAL EM PORTUGUÊS

BUSON

 

Yosa Buson, ou simplesmente Buson, como é conhecido Taniguchi Buson, (1716, Osaca - 1783, Quioto) foi um poeta e pintor japonês do Período Edo, e foi tanto discípulo como mestre de grandes artistas do século XVIII.

Ele nasceu em 1716 na vila de Kema (hoje incorporada à cidade de Osaca) e faleceu em 1783, em Kyoto, a capital nacional naquela época. Já antes de fazer 20 anos, mudou-se para Edo e lá dedicou-se aos estudos artísticos. Tempos depois, Yosa passou mais de uma década a viajar. Em suas numerosas viagens chegou a conhecer várias cidades japonesas, paisagens de mares e serras pelas ilhas de Honshu e Shikoku, o que dava a ele inspiração redobrada para escrever e pintar. Casou-se aos 45 anos, e chegou a ter uma filha chamada Kuno, e foi mais ou menos nessa época que seu trabalho começou a ficar conhecido.

Juntamente com Matsuo Bashō e Kobayashi Issa, é considerado o melhor representante do Período Edo, o principal poeta do segundo período clássico do haiku. Seu trabalho inclui também a pintura, na qual destacou-se na bunjin-ga e na haiga. Bunjin-ga (a pintura dos intelectuais), é um gênero que se desenvolveu no Japão a partir do início do século XVIII, influenciada pela mesma arte de pintar principalmente paisagens, flores e pássaros que surgiu muito antes na China, ainda na época da Dinastia Yuan. Já a haiga (o desenho do haikai) é, como já diz o nome, a ilustração desse tipo de poema e foi criada pelo próprio Buson.

Seus versos são muito sensíveis, e buscam alcançar a essência das coisas, não se afastando do pensamento zen-budista, mais que a aparência, apesar do efeito plástico de seus poemas, mais que cinematográfico, ser o principal diferencial da fase anterior do haiku, de Bashô. O colorido e a forma das coisas comparecem muitas vezes, mais que o movimento ou a imobilidade da imagem visual retratada, demonstrando bem as qualidades de poeta-pintor de Buson. As referências às estações do ano, uma das principais exigências do haiku clássico, também aparecem em seus poemas. Preludiando a terceira fase do haiku, protagonizada por Issa, alguns de seus poemas apontam para uma certa crítica social, embora dentro do espírito de contemplação zen.

Diz a lenda que, no leito de morte, Buson teria pronunciado seus três últimos haikais. Desde a adolescência ele estudou pintura e poesia, tendo começado a escrever influenciado pelos grandes mestres que o ensinaram. Compôs haikai de uma beleza plástica considerada inigualável pelos seus contemporâneos e ainda nos tempos atuais, totalizando mais de 3.000 poemas, até hoje lidos em seu país e divulgados no mundo todo através de traduções para outros idiomas.

 

O LIVRO DOS HAI-KAIS. Prefácio de Octavio Paz. Trad. de Olga Savary. Desenhos de Manabu Mabe.  São Paulo: Massao Ohno; Roswitha Kempf, 1980.   134 p.  ilus.col.  Edição de 1.500 exs.  Ex. bibl. Antonio Miranda

(Seleção)

 

                   Lento dia:
             um faisão
             repousando sobre a ponte.

             *

             Menina muda,
             convertida em mulher
              já se perfuma.

             *

              Faisão da montanha
             o sol da primavera
              pisa sua cauda.

             *

             Nada se move,
             nem uma folha: inquietante
             jaz o bosque no verão.

             **

             Lavrando o campo:
             do templo aos cumes
             o canto do galo.

             *

             O lutador, na velhice,
             conta à sua mulher o combate
             que não devia ter perdido.

             *

             Sob a chuva primaveril
             absortos num diálogo
             a capa de palha e o guarda-chuva.

             *

             Chegado para ver as flores,
             sobre elas dormirei
             sem sentir o tempo.

             *

             Ontem um voo,
             hoje outro: os gansos selvagens
             não estarão aqui esta noite.

 

 

Página publicada em abril de 2018


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar