Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
POESIA MUNDIAL EM PORTUGUÊS

ANACREONTE

Anacreonte (em grego: Άνακρέων, na transliteração Anakréōn (Teos, 563 a.C. — Teos, 478 a.C.), foi um poeta lírico grego.

Foi conselheiro de Polícrates, tirano de Samos. Com a morte deste em 522 a.C., partiu para Atenas, onde foi recebido por Hiparco, filho de Pisístrato. Tendo ele sido assassinado em 514 a.C., o poeta voltou para sua terra natal, onde morreu.

A poesia de Anacreonte chegou até nós sob a forma de fragmentos. Cantava as musas, Dioniso e o amor. Foi muito apreciado pelos gregos, e seu estilo, posteriormente conhecido como "anacreôntico", foi muito imitado ao longo da antiguidade e do período bizantino, tendo nos chegado diversas odes anacreônticas. Segundo Clemente de Alexandria, ele foi o inventor das canções de amor.   (Leia mais em:  pt.wikipedia.org)

 

      ODES
        Da sua lira

         De Atridas os feitos, de Cadmo os louvores
tentei celebrar;
e a lira rebelde só cantos de amores
me quis entoar.

         Impus-lhe outras cordas... trabalho perdido!#
A lira troquei;
aos feitos de Alcides a nova convido...
e Amor, lhe escutei!

         Adeus, grandes homens! Buscai noutra lira
o vosso louvor!
A minha não sabe; não pode; suspira
só cantos de amor.

                            Tradutor: António  Feliciano de Castilho

 

                   O AMOR E A ABELHA

                   Amor um dia
rosas colhia;
não atentava
que uma ocultava
o leve inseto
que suga o mel.

                   Trépida zune
a abelha, pune
co vivo espinho
o alvo dedinho
desse indiscreto,
com dor cruel.

                  Amor, gritando,
parte chorando,
voa ao materno
regaço terno,
e alça, mesquinho,
querela tal:

                   — “Ó mãe, socorro!
Vale-me! eu morro!...
Vê! vê! que dores!
Naquelas flores
um dragãozinho
me fez o mal;

                   fera mui brava
mas que voava
cumas asinhas;
abelha a chama
o lavrador.”

                   — “Se uma abelhinha
tal dor te excita” —
diz Vênus: — “pensa
que dor intens
dão a quem ama
farpões de Amor.”

                            Tradutor: Antônio Ribeiro dos Santos

 

Página publicada em fevereiro de 2019

 


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar