Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
POESIA MUNDIAL EM PORTUGUÊS

JOACHIM DU BELLAY

 

Joachim du Bellay (c. 1522 - 1 de janeiro de 1560) foi um poeta francês, membro da La Pléiade.

Nasceu por volta de 1522 em Liré, no Château de la Turmelière, na região de Anjou. Naquela época, Francisco I era rei da França e o Renascimento estava em plena expansão, principalmente em termos de cultura e arte. Ele pertencia a uma família de nobreza antiga e ficou órfão aos 10 anos. Em 1547, enquanto estudava na Universidade de Poitiers, ele fez amizade com Pierre de Ronsard. Juntos, eles foram para o Collège Coqueret em Paris, onde o helenista Jean Doratele descobriu autores clássicos greco-latinos e poesia italiana. Em torno dele formou-se o grupo poético que será conhecido em princípio como La Brigada e depois como La Pléiade.

(...)

Biografia completa em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Joachim_du_Bellay

 

 

"Si nostre vie…"
Si notre vie est moins qu'une journée
En l'éternel, si l'an qui fait le tour
Chasse nos jours sans espoir de retour,
Si périssable est toute chose née,

Que songes-tu, mon âme emprisonnée?
Pourquoi te plaît l'obscur de notre jour,
Si pour voler en un plus clair séjour,
Tu as au dos l'aile bien empanée?

Là, est le bien que tout esprit désire,
Là, le repos où tout le monde aspire,
Là, est l'amour, là, le plaisir encore.

Là, ô mon âme au plus haut ciel guidée!
Tu y pourras reconnaître l'Idée
De la beauté, qu'en ce monde j'adore.

 

 

REVISTA DE POESIA E CRÍTICA. Ano VI  No. 8. Setembro 1982.  Diretor responsável: José Jezer de Oliveira.  Brasília: 1982. 

 

        Tradução de Péricles Eugênio da Silva Ramos:

 

               CXIII

 

              Se é menos do que um dia a nossa vida
na eternidade, e o tempo em retirada,
não voltará jamais nesta jornada;
se é certo o fim da coisa já nascida,

que sonhas tu, minh´alma aprisionada?
Por que esta fosca luz por ti é querida,
se para voar à fúlgida guarida
a asa trazes no dorso aparelhada?

Lá fica o bem que o espírito deseja,
lá o repouso que todo mundo almeja,
lá fica o amor, e fica lá o prazer.

Lá, ó alma ao mais alto céu subida,
a Ideia poderás reconhecer
da beleza, que adoro nesta vida.

 

*

VEJA e LEIA outros poetas mundo em Português em línguas originais:

 

http://www.antoniomiranda.com.br/poesiamundialportugues/poesiamundialportugues.html

 

Página publicada em maio de 2021

 


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar