Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

WILLIAM BLAKE

 

(Londres, 28 de novembro de 1757 — Londres, 12 de agosto de 1827) foi um poeta, tipógrafo e pintor inglês, sendo sua pintura definida como pintura fantástica.

Blake viveu num período significativo da história, marcado pelo iluminismo e pela Revolução Industrial na Inglaterra. A literatura estava no auge do que se pode chamar de clássico "augustano", uma espécie de paraíso para os conformados às convenções sociais, mas não para Blake que, nesse sentido era romântico, "enxergava o que muitos se negavam a ver: a pobreza, a injustiça social, a negatividade do poder da Igreja Anglicana e do estado."

 

Poemas ilustrados, relacionando texto e imagens de forma fantástica.

 

 

BLAKE, William.  Canções de inocência e de experiência.  Mostrando os dois estados contrários da alma humana.  Tradução Jorge Vaz de Carvalho.  Assírio & Alvim, 2009.  12 p.   11x17 cm.  ISBN 978-972-27-1457-9  ilus. col. capa dura.  Fac-simile das imagens da edição inglesa e traduções ao português.   Col. A.M. 

 

A seguir um dos 45 poemas ilustrados do livro, que merecem ser visitados...

 

 

A Ecoante Verdura

 

O Sol já levanta,

E os céus logo encanta.

Toca o sino gaio

Para acolher Maio.

Tordo e cotovia,

Que no bosque havia,

Cantam altos trinos,

Ao jovial som dos sinos.

Nosso jogo perdura

Na Ecoanre Verdura.

 

Velho John das cãs

Rindo arreda afãs,

Sob o roble assente,

Entre a idosa gente.

 

Riem deste jogo.

Todos dizem logo

Nos tempos remotos,

Garotas & garotos,

Era assim a ventura,

Na Ecoante Verdura.

 

Os miúdos cansados

Não estão já folgados

O sol vai baixando,

Nossos jogos findando:

Rondam colo de mães,

Os irmãos e as irmãs,

Como aves no ninho,

Prontos p'ra o soninho:

Já o jogo não dura,

Na escurenta Verdura.

 

 

 

BLAKE, William.  Sete livros iluminados. Tradução Manuel Portela.  2ª. Edição.  Lisboa, Portugal: Antígona, 2007.  176 p.  13x21 cm.  Ilus. col.  Inclui o ensio: “Oficina gráfica & Forja divina: a gravura como cosmogonia”, por Manuel Portela. Texto bilíngue inglês e português.  ISBN 972-608-181-5   Ex. na bibl. Antonio Miranda 

 

"The morning comes, the night decays, the watchmen leave their

          stations;

The grave is burst, the spices shed, the linen wrapped up;

The bonés of death, the cov'ring clay, the sinews shrunk & dry'd,

Reviving shake, inspiring move, breathing! awakening'.

Spring like redeemed captives when their bonds & bars are burst,

Let the slave grinding at the mill, run out into the field:

Let him look up into the heavens &: laugh Ín the bríght air;

Let the inchained soul shut up Ín darkness and in sighing,

Whose face hás never seen a smile in thirty weary years;

Rise and look out, his chains are loose, his dungeon doors are

          open-

And let his wife and children return from the opressors scourge;

They look behind at every step & believe it is a dream.

Singing. The Sun hás left his blackness, & hás found a fresher

          morning

And the fair Moon rejoices in the clear &• cloudless night;

For Empire is no more, and now the Lion & Wolfshall cease.'"

 

 

 

«Chega a manhã, a noite esmorece, os vigias deixam os postos;

Abre-se o túmulo, derramam-se os unguentos, dobra-se a mortalha;

As ossadas dos mortos, o barro que os cobre, os tendões mirrados

          & secos,

Revivendo agitam-se, inspiram, movem-se, a respirar! a acordar!

Erguem-se como cativos resgatados quando grilhetas & grades se

          quebram;

Que o escravo a labutar no engenho corra lá para fora para os

          campos,

Que olhe para os céus & ria no resplendor do ar;

Que a alma agrilhoada encerrada em escuridão e mágoa,

Cujo rosto não conheceu sorriso em trinta penosos anos,

Se erga e olhe lá para fora, as cadeias soltas, as portas do calabouço

          abertas.

E que a mulher e os filhos se libertem do látego do opressor;

Olham para trás a cada passo & julgam que é sonho.

Cantam 'O Sol deixou as trevas, &• encontrou manhã mais fresca

E a bela Lua rejubila na noite clara & sem nuvens,

Pois o Império acabou, e agora Leão & Lobo hão-de cessar.»

 

 

 

 

 


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar