Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 





OSMAR DILLON

 

Osmar Dillon é uma das pessoas que mais admirei em minha juventude. Cheguei até ao apartamento em que vivia, na zona sul do Rio de Janeiro, com nosso amigo comum Roberto Pontual, outro admirador e propagador de sua obra. Isso aconteceu no início do emblemático ano de 1960 — ano da inauguração de Brasília, no auge da Bossa Nova, do Cinema Novo e do movimento neoconcreto (criado em 1959).   O arquiteto Osmar Dillon já montava seus “livro-poemas” e, em decorrência, os “não-objetos verbais”, numa experimentação de textos manipuláveis, participativos, escultóricos.

 

Um dos primeiros exercícios de ideogramização do verso é o MUSGO/MURO, a seguir:


 

Muito jái se escreveu sobre este trabalho pioneiro de Dillon. Eu mesmo me referi a ele em várias oportunidades, no Brasil e na Argentina, em artigos e cursos sobre arte verbal de vanguarda.  

Publiquei um texto sobre a criação de Dillon no célebre SDJB com o pseudônimo de Da Nirham Eros (da,nirham: eRos) — “Poesia/Um paralelo – Estrutura e Conteúdo”, Suplemento Dominical de Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 29 out. 1961. Confesso que não lembrava mais... Descobri a referência bibliográfica no catálogo do artista de uma exposição individual : OSMAR DILLON . objetos. múltiplos 1972, Galeria de Arte Ipanema. Não conservei, infelizmente, nem o recorte do jornal nem o manuscrito do artigo mas é questão agora de ir aos arquivos da editora... mas certamente aludia à fusão do verbal com o visual em sua obra.


 

Logo em seguida Dillon partiu para exercício no espírito da integração das artes:

 

      “Uma poesia de permanente fundamento plástico, como se as palavras

      se destinassem à pintura (“meus dedos são tubos de tinta”); uma

      pintura de fala, com a viscelaridade de contorsões oníricas   

      correspondendo ao jogo aliterativo de toda a sua poesia. Assim — com

      a poesia perdendo palavras, mas não a referência ao mundo exterior, e

      a pintura abandonando a figuração explícita, mas não o símbolo — foi

      por um processo natural de despojamento de ambos os âmbitos, e com

      o acréscimo de sua tarefa profissional de arquiteto, que ele formulou a

      partir de 1960 o rumo ainda hoje se desdobrando”.  Roberto Pontual,

      no catálogo supra citado, 1972.


Surge a proposta “neoconcreta” de superar o maquinismo e assegurar o conceito de Wladimir Weidlé que Pontual reitera no referido catálogo:  

      “no sentido de sua nítida semelhança estrutural com os ORGANISMOS

       VIVOS. Assegurando o revigoramento de três vetores básicos da arte     

       em nosso século [XX] — substituição do ato de representar a realidade

       pelo de presentificá-la; a emergência de participação do espectador

       como co-autor da obra, infinitamente aberta; e a síntese dos antes

       estanques departamentos da expressão — tentativas de ampliar e

       aprofundar a fusão da palavra e a visualidade, seja em ideogramas

       verbais, em livros-poemas ou em NÃO-OBJETOS, termo

       visionariamente criado por Ferreira Gullar para definir uma nova

       categoria de trabalho”.

Um exemplo é o livro-poema AVE, de 1960, de Dillon:


 

em que a manipulação da placa azul, presa ao centro do suporte, podia ser circulada no processo de “leitura”, sugerindo o “vôo” da ave. Em verdade, o “vôo” (movimento) da “asa” é dado pela participação e vivenciamento do “leitor” durante a manipulação da peça.

 

Merece destaque também o “poema” CHEIO, descrito por Roberto Pontual:


 

   “O passo seguinte, no impulso de curiosidade por diferentes processos,

     seria o abandono da pura superfície do papel em busca do espaço

     tridimensional concreto que nos circunscreve. CHEIO é o melhor

     exemplo dessa transição de extrema importância: aqui, a folha vazada

     nos conduz para além do plano e engendra seu significado pela tensa

     oposição dos elementos verbal (cheio) e visual (vazio). É preciso

     constatar ainda, nesse mesmo ideograma, o emprego tático de uma

     particularidade física das letras que constituem a palavra CHEIO, todas

     elas permanecendo simetricamente idênticas quando divididas pela

     metade, o que impede, nessas circunstâncias, que a palavra tenha um

     avesso.”

 

Roberto pretendeu assinalar que, se o “leitor” virar a folha ao contrário e virá-la de cabeça para baixo, ela continuará apresentando a palavra CHEIO, e não seu avesso... Efeito que poderia ser apresentado atualmente numa animação gráfica, virtualmente. Cabe ressaltar ainda que as letras estão vazadas na superfície da página, pelo corte do papel, efeito tridimensional que a Internet ainda não consegue apresentar... Efeito que poderia ser apresentado atualmente numa animação gráfica, virtualmente.   Previsivelmente, o artista-arquiteto parte para uma criação mais “vivencial”, através de projetos de monumentos como o SÓ, que chegou a ser semifinalista do Symposium Urban Nürenberg.


 

     “Uma proposta de atingir e ativar o inconsciente pela envolvência dos

     choques de visualidade amalgamada a sons, palavras, materiais e tempo

     — a vida totalizada. Mergulhado e envolvido, o homem se conheceria,

     alfa e ômega, retornando. Teria passado pelo frio e fogo de sua própria

     matéria”. Roberto Pontual

Uma autêntica “instalação”, só que permanente, como um templo para a vivência,  digamos,   litúrgica em sua relação com a arte e a poesia.

 

Em 1966 fui para a Venezuela e só voltei a estar com Dillon em 1968, numa breve visita que fiz ao Rio de Janeiro. De lá para cá perdi o contato com o grande artista. Descubro-o pela Internet, que é o lugar de encontro com os contemporâneos. Quase quarenta anos depois!

 

Quero completar a presente homenagem ao amigo com a imagem de um de seus trabalhos mais recentes. Atestando a evolução e a permanência de uma proposta criativa que se renova mas não trai as suas raízes, como sugeriu Edgar Morin ao exigir da poesia o lastro de sua sustentabilidade.
                                                                     Antonio Miranda, jan. 2005

 

Veja trabalhos do artista em:

http://www.rioartecultura.com/osmardillon.htm




 

 


 


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar