Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 

 

CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE 

 

TEXTOS EM PORTUGUêS  -  EM ITALIANO

 

 

ANDRADE, Carlos Drummond deL´amore naturale  a cura di Fernanda Toriello.  Bari,  Itália: Adriatica, 1997.  117 p.  ilus. col.   14,5x21 cm.   Capa com foto do autor, por Luiz Augusto B. de Brito e Silva. ILustrazioni di Domenico Cantatore.  Edição bilíngue português e italiano.  Col. A.M.

 

A LÍNGUA LAMBE

 

A língua lambe as pétalas vermelhas

da rosa pluriaberta; a língua lavra

certo oculto botão, e vai tecendo

lépidas variações de leves ritmos.

 

E lambe, lambilonga, lambilenta,

a licorina gruta cabeluda,

e, quanto mais lambente, mais ativa,

atinge o céu do céu, entre gemidos,

 

entre gritos, balidos e rugidos

de leõs na floresta, enfurecidos.

 

 

LA LINGUA LECCA

 

La língua lecca i petali vermigli

alia rosa pluriaperta; Ia língua esplora

un certo occulto bocciolo e vá tessendo

lepide variazioni di ritmi lievi.

 

E lecca, leccalunga, leccalenta,

Ia liquorosa grotta capelluta,

e, quanto piú leccante, piú attiva,

raggiunge il ciei dei cieli, tra i sospiri,

 

tra le grida, i belati e i ruggiti

di leoni nella foresta, inferociti.

 

 

 

 

A CASTIDADE COM QUE ABEIA AS COXAS

 

A castidade com que abria as coxas

e reluzia a sua flora brava.

Na mansuetude das ovelhas mochas,

e tão estreita, como se alargava.

 

Ah, coito, coito, morte de tão vida,

sepultura na grama, sem dizeres.

Em minha ardente substância esvaída,

eu não era ninguém e era mil seres

 

em mim ressuscitados. Era Adão,

primeiro gesto nu ante a primeira

negritude de corpo feminino.

 

Roupa e tempo jaziam pelo chão.

E nem restava mais o mundo, à beira

dessa moita orvalhada, nem destino.

 

 

LA CASTITÀ CON CUIAPRIVA LÊ COSCE

 

La castità con cui apriva le cosce

e Ia sua flora incolta luccicava.

Mansueta come pecora scornata,

e stretta stretta, come si allargava.

 

Ah, coito, coito, morte di tanta vita,

sepoltura neJFerba, senza parole.

Nella mia ardente sostanza svanita,

ero nessuno ed ero mille uomini

 

in me resuscitati. Ero Adamo,

primo gesto nudo innanzi ai primo

nereggiare dei corpo femminile.

 

Vesti e tempo giacevano per terra.

E non restava piú neppure íl mondo, interno

a quel cespuglio rórido, o destino.

 

 

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar