Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



SUICÍDIO DE MAIAKÓVSKI

Poema de Antonio Miranda

 

os jornais me espreitam

anunciando minha despedida:

anúncios! eu-havido

 

em nota funerária= rodapé:

(letras mínimas!)

 

o passamento, passa tempo

os jornais me observam

já na véspera, vespertina

— jamais, nunca, ninguém.

 

morte anunciada nos jornais

o poema antecipa a morte

em suicídio ou despedida

 

“Fechem, fechem os olhos dos jornais!”*

 

É no poema que me recolho

encolho

olho

o.

 

Vou ao meu funeral, cantando.  

 

 

 

*Trecho de “A Mãe e o Crepúsculo Morto pelos Alemães” (1914), de Vladimir Maiakóvski, em tradução de Haroldo de Campos)

 

 

 



Arte gráfica: Edson Guedes de Moraes
– Editora Guararapes – PE - 2016

 

 

 

MAIAKOVSKIANAS

 

Poema de Antonio Miranda

 

 

1

Preso às palavras

como o Cristo na cruz:

pregos, pregos, palavras.

 

Palavras-vértebras

que me sustentam

— vivem de mim.

Nelas eu vivo.

 

2

Crânio-arquivo:

versos

ventríloquos

vertendo a alegria.

 

3

Ódio ao burguês!

 

Aqui, seguro,

e o escuro porvir.

 

4

“Bananas-ananás!”

Juízes em prontidão

degustam frases

sentenciam alíneas

e vociferam incisos.

 

Sem futuro,

diante do muro.

 

5

Meus versos de cesura e

esta conjura de burocratas

contra o verso libertário.

 

“Sem forma revolucionária

não há arte revolucionária!”

 

Não desço ao povo

— que o povo ascenda

e me entenda.

 

Contra a poesia estacionária

prisioneira do verso marmóreo

e incorpóreo!

 

6

Céus de letras rebuscadas

e horizontes de arame-farpado.

 

Que o verso-aríete

rompa o vazio do discurso

oficial. Que o poema-pua

avance sobre as redações do dia.

 

Ao “poder das rimas imprevistas”. *

 

 

 

*Verso de Maiakóvski no poema “Escárnios”, de 1916, em tradução de Augusto de Campos e Boris Schnaiderman.

 

 

 

“Deste metapoema, destacamos a intertextualidade, as citações posta entre aspas e, sobretudo, a homenagem destinada a Maiakóvski. Como já e sabido, bastantes metapoesias de Antonio Miranda fazem referências a muitos poetas. Neste texto, já percebemos o vínculo do maranhense com as palavras, às quais ele se declara preso como Cristo na cruz e elenca um conjunto de vocábulos que representem este elo: “pregos, pregos, palavras”. Esse jogo sígnico aponta para a linguagem caleidoscópica mirandiana, que se materializa inclusive na metalinguagem: “versos”, “vetríloquos”, “vertendo a alegria”. No poema, essas palavras associam-se sem vírgulas, explorando, com isso, a oralidade do discurso.

          Este metapoema também questiona “a poesia estacionária”, “prisioneira do verso marmóreo”, “e incorpóreo”, isto é, a poesia sugere ruptura com o tradicionalismo, rompendo com o vazio do discurso para que o poema  avance sobre as redações registrando o “poder das rimas imprevistas”, de Maikóvski. Esse último verso designa uma maneira de como deve ser erigida a poesia contemporânea.”

 

VALTER GOMES DIAS JÚNIOR. (na tese de doutorado: A Poesia de Antonio Miranda e suas intersemioses. João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba, 2014, p.120-123).

 



 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar