Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cena da canção “Cuando me vaya a la luna”
com os atores do espetáculo “Tu País está Feliz” (1971).

CUANDO EU FOR À LUA
(Canção 10) >>>

Poema de Antonio Miranda

 

Quando eu for à lua
não levarei relógio
não levarei a Bíblia
nem ressentimentos

Quando eu for à lua
não vou firmar papéis
não farei testamentos, inventários
nem balanços.

Esquecerei em terra firma
minha conta bancária
minha caderneta de endereços
minhas roupas
e a gramática.

Alunizarei sem pressa
no espaço
como quem chega
para instalar-se.

 

(De Tu País está Feliz, 1971)

Obs. o poema foi escrito originalmente em castelhano e traduzido, anos depois, pelo autor. Ver texto original>>

              

 

 

QUANDO EU FOR À LUA
(análise do texto)

“Interpretar um texto, segundo Umberto Eco, já é um ato abdutivo*, porém, a mensagem desta canção nos desperta também para essa inferência. O primeiro quarteto, assim como o título, é iniciado por uma temporalidade designativa de um posicionamento abdutivo, porque o termo “quando eu for à lua” aponta para algo ainda não concretizado, está no plano das possibilidades. Mais abdutivo é a saída do planeta em que o eu enunciador assiste até chegar à lua, região não habitada por humanos e, principalmente, por tratar-se de um satélite que preenche demasiadamente o imaginário romântico das pessoas. E a referência à lua levou o eu poético ao desprendimento da materialidade que o cerca. Sobre este poema, Elga Pérez-Laborde (2007ª, p. 14) declara que “a musicalidade dos poemas mirandianos tem permitido transformá-los em canções onde a projeção do eu alcança às vezes um tom mais lírico acorde com os ideais, que procuram libertar-se da alienação proveniente dos males da civilização”. Essa ruptura indutivamente** mostra-nos que essa viagem lunática atinge o desejo de liberdade do eu enunciador que só será conquistado dedutivamente no momento que este eu desligar-se de seu contexto normativo e controlador e alunizar sem pressa, isto é, pacientemente no espaço para não se desprender nunca de lá. A voz poética sugere abdutivamente a possibilidade de vivenciar a liberdade através de uma viagem à lua.
          A abdução é essencial para o surgimento dessas ideias inovadoras e muitas vezes inusitadas. Por isso, ela foi o esteio central para a descontrução do método cartesiano.

* “Abdução é o processo para formar hipóteses explicativas. É a única operação lógica para introduzir ideias novas; pois que a indução não faz mais que determinar um valor, e a dedução envolve apenas as consequências necessárias de uma pura hipótese. Dedução prova que algo pode ser. Indução mostra que algo atualmente é operatório; Abdução faz uma mera sugestão de que algo pode ser.” (PEIRCE, 1974, p. 52-3) Tradução de Armando Mora D´Oliveira e Sergio Pomerangblum.

** “Dedução é o modo de raciocínio que examina o estado de coisas colocado nas premissas.” (PEIRCE, 2012, p. 5)
Tradução de José Teixeira Coelho Neto.

DIAS JÚNIOR, Valter GomesA Poesia de Antonio Miranda e suas intersemioses. João Pessoa, PB: Universidade Federal da Paraíba, Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Departamento de Pós-graduação em Letras, 2014.  268 p.  Tese de doutorado. Orientadora: Dra. Zélia Bora, p. 30.
              

 

 


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar