Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



HEITOR FERRAZ


Poeta e jornalista, Heitor Ferraz Mello nasceu em Puteaux, França,  em 1964.

Ferraz passou a infância em São José dos Campos e, aos onze anos, mudou-se para São Paulo. Jornalista, formado pela PUC-SP, colaborou em diversos jornais e revistas da capital paulista, tendo sido editor de livros. É mestre em literatura pela USP, com dissertação sobre o poeta Francisco Alvim, O Rito das calçadas - a poesia de Francisco Alvim. Foi ganhador da Bolsa Vitae em 2000/2001.

Obras publicadas:  Resumo do Dia (antes chamado Couro de Sapo)(1996); A Mesma Noite (1997); Goethe nos Olhos do Lagarto (2001); Hoje Como Ontem ao Meio-Dia (2002); Pré-Desperto (2004) e Coisas Imediatas [1996-2004], uma reunião de todos os cinco títulos do autor .    Fonte: Wikipedia
 

TEXTOS EM PORTUGUÊS  /  TEXTOS EN ESPAÑOL

 

OUTROS RESÍDUOS

Fica um par de brincos
em cima da cômoda.
Fica um elástico solto
como retrato, na gaveta.

Fica a marca da cabeça
deitada no travesseiro
(às vezes um fio de cabelo
para restituí-la em silêncio).

Fica a lua — a meia-lua —
que banal comparei
ao seu sorriso (lembra?).

Fica você que caminha.
Seu corpo indeciso muda
e mudo se desmembra.

 

A MORTE DO VIZINHO

A morte é assim.
Esvaziam sua casa,
levam todos os seus móveis,
o quadro na parede

roubam sua sombra
todo ruído

fica somente
a memória
cativa na janela
se chego em casa.


PAISAGEM

Os lençóis criam
ondulações de mar
armam no espaço do quarto
montanhas barrocas.

Toda uma noite consumida
em que o amor surge
por indecifráveis sonhos
sacudindo esta natureza convulsiva.

O difícil é levantar sozinho.


RESUMO DO DIA

Nenhum recado de morte
que sempre abala
tanto a família.
O mundo perplexo parou
e a vida
               oblíqua
preferiu continuar traindo
sem matar ninguém.


MEMÓRIA
                     (de um poema de Dante Milano)

No rosto do morto,
só olheiras.
O soco do destino,
o sono arrastado,
tudo
como última memória.

   

Poemas extraídos de ESSES POETAS – Uma antologia dos Anos 90, org. de Heloisa Buarque de Holanda.  .  Rio de Janeiro: Aeroplano,  1998.

================================================================== 

LUAR

                     para Armando Freitas Filho

Estava na hora da morte
o mundo constrangido pedia
atirava pedras contra
a parede da memória.
Óculos, xícaras, vasos
dissimulavam o passado cativo.
Muito sensata
a morte repousava
em branca superfície de lua.

 

MELLO, Heitor FerrazUm a menos.  Rio de Janeiro: 7Letras, 2009.   76 p.  12x18 cm.  Programa Cultural Petrobras.  ISBN 978-85-7577-594-3    Ex. bibl. Antonio Miranda.  

 

&

 

Barcos de pesca

na linha divisória do horizonte

O hotel avança sobre a areia da praia:

"a degradação da vida social está presente

na simples transferência direta

dos valores individualistas privados

para a esfera pública"

E um bando de gaivotas

revoa com os lençóis brancos

no céu ensaboado

de uma máquina de lavar roupas.

 

 

p/ Carlinhos

 

&

 

Foi como se o espelho
tivesse memória
— memória do outro
guardada em gavetas
As gavetas da penteadeira
que foi dos meus pais
depois dos meus avós
Diante dele, menino
passei horas inteiras
navegando

                   Mas agora
ao me ver refletido
nada mais lembra o outro
que num relance se sobrepôs
sem tempo suficiente
para uma nova investida
E como folhas concentradas
odores quebradiços
ficou apenas a impressão
do gesto inacabado.

 

 

&

 

Assim será melhor

esta é a melhor solução

Na busca do precário

é difícil encontrar a melhor solução

São apenas três reais

na casa lotérica

O vidro que me espelha

projeta lá dentro

meu rosto distorcido

Não me parece

que seja assim

a mobília partilhada

a partilha dos horários

O amor

não me parece

estraçalhado na mesa da cozinha

junto ao café

e algumas migalhas de pão
E tudo tão precário
que amedronta.

 

 

&

 

A blusa preta
 a calça cinza
uma bolsa vermelha
que ela carregava
nos ombros

o All Star de couro preto

cabelo curto

também preto

de couro preto

é o que resta

Passa sem deixar rastro

o amor estampado

no fundo dos olhos

é apenas um ideal

sem ponto

de sustentação.

 

 

 

TEXTOS EN ESPAÑOL

Versión de Héctor Carreto



CLARO DE LUNA

         para Armando Freitas Filho

Estaba en la hora de la muerte
el mundo constreñido pedía
arrojaba piedras contra
el muro de la memoria.

Anteojos, jiçaras, vasos
disimulaban el paso del cautivo.

Muy sensata,
la muerte reposaba
sobre la blanca superficie de la Luna.

 

Extraído de BLANCO MÓVIL, n. 75. México, DF, Primavera de 1998. “Poetas de Brasil”.

Página publicada em outubro de 2008, ampliada e republicada em novembro de 2008; ampliada em abril de 2017

Voltar para a página de São Paulo Voltar para o topo da página

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar