Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ELIANE ACCIOLY

 

Eliane Accioly Fonseca, poeta e terapeuta. Psicanalista, educadora somática-existencial, pesquisadora e ensaísta. Mestre em Psicologia Clínica e doutora em Comunicação e Semiótica, PUC São Paulo.

Parecerista da Revista de Psicologia Perfil, da UNESP, Campus de Assis. Há duas décadas investiga as diferenças e convergências, encontros e discrepâncias entre os ofícios poético e terapêutico, práticas cotidianas, cartografando fronteiras entre a clínica e a arte.

 

 

 

RAPSODIAS. Selección de poesia contemporânea.  Montevideo: aBrace editores, 2010.    96 p.   Ex. bibl. Antonio Miranda

 

Confissões de Francisco

 

A vagina desta mulher é uma boca,

suga meu falo e seu mel
extrai o sumo
e me traz o arrego
do menino exausto de pelejas
nos jogos e brincadeiras

Dentro dela são quatro os meus olhos:
dois ambarinos e dois de todos os azuis

Dois exploram os achados
e os ambarinos sendo âmbar, acariciam

Dentro dela meus sonhos de deserto,
o tempo nómade,
tendas forradas de tapete persa,
danças do ventre

Em teus seios atravesso dunas,
mordisco bicos de luas

Nessa moça monto camelos,
cavalgo éguas,
escuto a água das nascentes

Nesta menina sou feito de primórdios
e na Bíblia encontro as minhas,
as dela, e as nossas mãos

 

 

Descobertas de Clara

 

Em ti encontro calma
o tempo sem pressa
aquele (tempo) sem tempo
onde demoro

Quando meu medo
me deixa na rua a tremer
teu chamado me resgata:

_ Estou a tua espera,
não vens, Mulher de Deus?

Escuto, e nua renasço

A vagina entranhas lábios
língua boca olfato tato pele
correm ao teu encontro
beijam o freio do teu falo

Soltas as amarras teu falo penetra
lateja em mim me faz pulsar

Nos teus gemidos vivo dor
calor arrepio êxtase gozo

Juntos ocupamos dois corpos,
o branco e o moreno,
moradas do InstantEterno

Na tua cama somos carne e suor da terra
até que os corpos se dissolvem em luz
entre lençóis de água

É quando sabemos:
não há começo
e nunca houve fim

 

 

 

Confissões de Francisco

 

Minha Putinha
trepadeira de primeira

Que poder tens?
Que fazes comigo?

Meus queixumes
doem no meu corpo
na minha pele, membranas,
meus medos morrem de susto

Se falas: "Vamos repousar?"
de ouvir tua voz e desejar obedecer
ao teu pedido, vejas cresço e latejo

Dê-me tua mão, assim, venhas,
me sentes, vês?

Quero teu toque
e me experimentar macho assim,
contigo me sinto homem como antes nunca

 

 

Descobertas de Clara

 

 

"O que fazes comigo?"

Teus queixumes
trazem a música dos milênios

Teus ais e sustos evocam cavernas
onde acendo fogueiras
e amamento meninos

Contigo o vasto tempo não acaba
em ti o tempo e o espaço conjuminam

Moramos nas dobras
e palmilhamos úmidas fímbrias

Contigo o mundo para
e para mim teu corpo inteiro existe

Não, não é meu o poder que te assusta,
e desconfio, nem teu,
sossega Filho do Homem

Poderosas são as cavernas
as crianças apa
scentadas,
defumar e dar sabor à tua caça te servir e te dar de comer

 

O poder se esconde no nosso quarto de lua

 

 

 

 

Confissões de Francisco

 

 

Esta mulher não se veste
se enrola em mantos monacais
Para cobri-la
e dela fazer carne de minha carne,
sangue do meu sangue,
descasco-a

separo as camadas da cebola
as pétalas da alcachofra
uma a uma devoro
chego ao miolo,
ao coração da flor

 

Não me servem as palavras
chegar me serve

 

 

 

Descobertas de Clara

 

Este homem é frugal
é só um homem
e a casa dele apenas uma casa

 

Ele traz o gosto do silêncio
que me silencia
para escutar o turbilhão vazio

 

Comigo este homem não usa malhas de aço
armas de fogo ou brancas

 

Dou-lhe a mão,
abandono atávicas cidadelas,
e o muro blindado se desfaz

 

Seus beijos me guiam

meus olhos se fecham se o sigo,

deixo que veja por mim

e me vejo se ele me vê

 

Nele conheço o homem inteiro,

mundos e gemidos,

vivo o universo escuro

 

A ele me entrego à margem dos riachos

 

Este homem é um menino

que brinca comigo de Adão e Eva, e me conta:

 

"O Paraíso não existe

nós existimos"

 

Desde que o mundo é mundo

lavamos ele e eu a fala das lavadeiras

e rimos relinchos de cavalos

 

Para ele só há o presente

 

arcaico e milenar,


 

 

Poesia erótica – Poesia pornográfica
Página publicada em novembro de 2019

 


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar