Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


EDSON CRUZ

 

 

 

Baiano de Ilhéus e paulistano de formação. Estudou psicologia, música, violão e estética. É graduado em Letras pela Universidade de São Paulo – USP. Co-editou o sitio Cronópios (www.cronopios.com.br) e a Revista eletrônica de Literatura Mnemozine (www.cronopios.com.br/mmenmozine)

 

 

Temos, portanto, de um lado, a leveza e o minimalismo das formas essenciais, os poemas curtos atravessados por sutilezas semânticas e sonoras, o atavismo do epigrama e da inscrição lapidar (tumular) como fontes universais de poesia., formas arquetípicas preenchidas pelo léxico singular. De outro, o caráter profunda e meticulosamente pensado de cada solução apresentada.” Ítalo Moriconi. 

 

 

TEXTOS EM PORTUGUÊS    /   TEXTOS EN ESPAÑOL 

 

 

 

De
CRUZ, Edson.  Sambaqui.  Belo Horizonte: Crisálida: 2011.  64 p
 

 

epifania

um girassol ilumina
o silêncio

das coisas sem voz
dos seres sem ver

de tudo que nunca
veio o ser

 

poiésis

o banheiro
é meu reduto
absoluto

templo onde
passo o tempo
a obrar

 

sei não

o que não sei
          eu intuo
o que eu sei
          é entulho

 

uivo

:a vida é breve
urge ser plena
mesmo que o sopro
leve o ânimo
desta pena
e a dor urre
sob o acúmulo
de neve:

vivo

 

 

 

EDSON CRUZ

De

Edson Cruz

SORTILÉGIO

São Paulo: Demônio Negro, 2007

ISBN 859039322

 

 

 

Palimpsesto

 

toda poesia já

escrita

 

não se equipara

a toda poesia

 

inscrita

a poesia jaz

 

 

 

Linguagem

 

outeiro criado de acúmulos

tegumentos enrijecidos

essências exteriorizadas

 

depósito antiqüíssimo de

coisas que não deterioram

 

plástico cheio de esperma

restos que não evaporam

interiores de madrepérola

 

coisas não transformadas em

objetos de sentidos

 

forno onde se calcina

a cal da memória

 

fábrica de desmundos

mijos de civilizações

tudo que o tempo não

esquece nem se envaidece

 

 

 

Sopro

 

assim como não há

eu vejo

 

assim como não dá

ensejo

 

assim e só assim

desejo

 

 

=============================================

 

TEXTOS EM ESPAÑOL

Traducciones de Luis Benítez  y  Adriana de Almeida

 

 

 

De

Edson Cruz

SORTILÉGIO

São Paulo: Demônio Negro, 2007

ISBN 859039322

 

 

 

 Palimpsesto

 

 

toda poesia ya

escrita

 

no se equipara

a toda poesía

 

inscrita

la poesía yace

 

 

 

Lenguaje

 

otero creado de cúmulos

tegumentos enrigecidos

esencias exteriorizadas

 

depósito antiquísimo de

cosas que no deterioran

 

plástico lleno de esperma

restos que no evaporan

interiores de madreperla

 

cosas no transformada en

objetos de adorno

 

palabras no específicas

lamelibranquios

lámina de sentidos

 

horno donde se calcina

la cal de la memoria

 

fábrica de desmundos

meos de civilizaciones

todo lo que el tiempo no

olvida ni envanece

 

 

Soplo

 

así como no hay

yo veo

 

así como no da

oportunidad

 

así y sólo así

deseo

 

 

Visita à Biblioteca Nacional de Brasília: Abreu Paxe, Antonio Miranda, Paulo César de Carvalho, Frederico Barbosa e Edson Cruz na Praça da Língua Portuguesa, dia 28/03/2010.

 

 

Página publicada em março de 2010

 

 

Voltar para o topo Voltar para Brasil Voltar para São Paulo

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar