Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

AMADOR RIBEIRO NETO 

Nasceu em Caconde (SP), em 1953. Autor de uma dissertação e uma tese de doutorado sobre a criação lítero-musical de Caetano Veloso, recebendo os títulos de mestre em Teoria Literária pela USP e doutor em Semiótica pela PUC/SP. Está incluído na antologia Na Virada do Século, organizada por Claudio Daniel e Frederico Barbosa. Atualmente vive em João Pessoa, onde leciona na UFPb. É um autor da chamada poesia de invenção, e neobarroca, daí o título de sua obra, de onde extraímos os poemas a seguir: - Barrocidade (Landy Editora, 2003). Por certo, barroco tem mesmo a ver com invenção, experimentalismo, hibridismo... 

Amador Ribeiro Neto faz parte de uma geração de poetas que são também críticos e pesquisadores na academia, caractarística da cena poética mais avançada da atualidade, embora muitos deles — como acontece com Amador (e acontecia com Oswald de Andrade) pesquisam também a poesia popular.  Certamente que a sua imersão no mundo nordestino, no eixo João Pessoa – Recife, deve ter marcado profundamente sua formação estética e poética, em seu proveito. Seus poemas fazem tanto referência aos irmãos Campos quanto ao João Cabral de Melo Neto, vai do coloquial ao armorial, que tem muito a ver...  Nosso querido Glauco Mattoso dá a clave: “Amador desconstrói nos sugere que a poeticidade ainda pode ser encontrada nas menores partículas (...)” Isso mesmo.  A. M. 

AMADOR RIBEIRO NETO

nogueira na missa do galo

será
tem de ser assim
um fazendo não
outro fazendo sim
será
outro fazendo não
um fazendo sim será
o Benedito
conceição



urbanidade

metrópole judaica bom retiro
bicho carne suína de pé do quarto crescente imundo
vida ordinária estendida no curtume
são nova paulo Iorque de cada internet

que vou te contar ô meu


falta água e falta

falta água e falta
água tens e não tens
os surfista de são miguel paulista quebram ondas
nos tetos dos trens

 

caconde

caconde não rima com onde
não rima com bonde ao rima com conde
não rima com esconde não rima com porra nenhuma

caconde é lá
atrás muito além daquela serra que ainda azula no horizonte


Judas perdeu onde

prefeito não instalou bonde
nunca viveu um conde

só saudade

per
turba


alceu valença

recife de repente baixou
madrugada

cavalinhos de flechas
bandeira bandeira bandeiras

um modo treno
um terno concreto

um
um a um

todos
voz

performáticos palavras & tambores & silêncios
máscaras animais

arnaldo antunes

páscoa periquito siamês cachorro banho tosado pêlo xuxado
tudo chocolate-pagode-axé
mesa posta
família em volta
tá na hora
da foto

& eu & eu & eu &  eu & eu & eu & eu
mutantes

ah como era sampa aquele som de garagem na Pompéia
baby


augusto de campos

então é assim
é

ah
é

depois de falar tudo
de contar tudo
de relembrar tudo
pós-tudo
sobra
o teclado da internet

mudo


david byrne

as mãos da cigana tocam dedos no teclado da internet

um saco de soja na esquina
gatinhos
leblonzeados
no primeiro de janeiro

mininos na tevê
em apa epa ipa opa upa
neguinho
da porteira
da música brasileira
azaro geral mermâoxinho olha o sinal

 

Página publicada em fevereiro de 2009.
Voltar à página de São Paulo Voltar ao topo da página

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar