Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

AMADEU AMARAL

AMADEU AMARAL


Amadeu Ataliba Arruda Amaral Leite Penteado (Capivari, 6 de novembro de 1875 — São Paulo, 24 de outubro de 1929) foi um poeta, folclorista, filólogo e ensaísta brasileiro. Autodidata, surpreendeu a todos por sua extraordinária erudição, num tempo em que não havia, em São Paulo, os estudos acadêmicos e os cursos especializados que se especializariam pouco depois. Dedicou-se paralelamente à poesia aos estudos folclóricos e, sobretudo, à dialectologia. No Brasil, foi o primeiro a estudar cientificamente um dialeto regional. O Dialeto Caipira, publicado em 1920, escrito à luz da lingüística, estuda o linguajar do caipira paulista da área do vale do rio Paraíba, analisando suas formas e esmiuçando-lhe sistematicamente o vocabulário. Esta obra é considerada como sua melhor contribuição as Letras.

Sua poesia enquadra-se na fase pós-parnasiana, das duas primeiras décadas do século XX. Como poeta, não estave à altura de seus dois predecessores, Gonçalves Dias e Olavo Bilac, mas destacou-se pelo desejo de contribuir, com suas obras, para a elevação de seus semelhantes.

Seu primeiro livro, Urzes, revela a influência pelo Simbolismo, notadamente na parte referente aos sonetos, estética da qual se afastaria gradualmente dos volumes posterioes, Névoa e Espumas, já ligados ao Parnasianismo. Em seu último livro de versos, Lâmpada Antiga, é constituido de sessenta sonetos, os quais verifica os princípios de humildade, na análise de personalidade do ser humano e dos princípios da moral e cívica, visando diretamente ao aperfeiçoamento humano.

Foi eleito para a cadeira 15 da Academia Brasileira de Letras, na vaga de Olavo Bilac.

Fonte: wikipedia

TEXTO EN ITALIANO

 

Extraído de: LEVE COMO UM BEIJA-FLOR.   São Paulo, SP: Laboratórios Wyeth-Whytehall Ltda, s.d.  64 p.  25,5X25 cm. Produzido por Segmento Farma. Fotos de beija-flores por Haroldo Palo Jr. Versos dos poetas Adélia Prado, Amadeu Amaral, Cecilia Meireles, Cora Coralina, Fernando Pessoa, Flavio Venturini Márcio Borges, Joyce Ana Terra, Judith Nunes Pires, Luis de Camões, Lupe Cotrim,  Nelson Angelo, Nelson Motta Rubens Queiroz, Olga Savary, Therezinha Guerra Del Picchia e Vinicius de Moraes.  “ Adélia Prado “ Ex. bibl. Antonio Miranda

 

5. — SOBRE OS DESENGANOS

         Desenganos da vida! Se eue ouvia
         falar, outrora, nos seus negros danos,
         enfadado exclamava: “Ora! mania,
         que a muitos vem com o desfiar dos anos!”

         A minha nau, porém, abrindo os panos,
         lançou-se ao largo mar com galhardia.
         E logo pude ver que os desenganos
         são mais cruéis do que eu pensei um dia.

         Hoje, as lamentações, que ouvi outrora
         com profano desdém, causam-me espanto:
         o humano coração bem pouco chora!

         Quão fracamente seu queixume exala!
         quanto resiste, em seu calvário! E quanto
         é desgraçado, porque não estala! 

 

12. — EM QUE SE CONSIDERA A VIDA COMO SEMELHANTE
                   À LAVRA DA TERRA.


         A terra é dura; o sol é bravo; a geada,
         destruidora; aves más e más formigas
         assolam tudo, e a planta acarinhada
         mal resiste a essas forças inimiga.

         Que importa! Lavra sempre. Não maldigas
         a terra ingrata. Não maldigas nada.
         Talvez um dia o preço das fadigas
         brote do sulco da robusta enxada.

         Mas, quanto mais a terra é ingrata, e brvo
         o sol, e as aves são cruéis e o resto,
         mais valor mostrarás em continuarl.

         Que é gentileza não viver escravo
         da ganância, e plantar só pelo gesto
         religioso e sereno de plantar.


         15. — NEC MERGITUR

        
A sorte, muita vez, é bem amarga.
         Vai-se, corrente abaixo, sem sentir,
         e eis, de repente, o passo nos embarga
         um cachão de água brava a refluir.

         Eis a piroga a corcovar de ilharga,
         a vela a estremeer, a ir, a vir;
         eis que rolou por água abaixo a carga,
         eis a água pelas bordas a subir.

         Mas tenhamos paciência! Ao menos esta
         não sossobre aos boleus da sorte infesta,
         para todo o perdido recompor;

         e, se o não recompõe, ao menos, diga:
         — Raivaik, águas! Raivai, sorte inimiga!
         exijo inteiro o meu quinhão de dor.


                  
(, de Lâmpada Antiga, 1921)

 

VOZ ÍNTIMA                 

 

Fecha-te, sofredor, na alva túnica ondeante

Dos sonhos!  E caminha, e prossegue, embebido,

Muito embora, na dor de um fiei celebrante

De um estranho ritual desdenhado e esquecido!

 

Deixa ressoar em torno o bárbaro alarido,

Deixa que voe o pó da terra em torno... Adiante!

Vai tu só, calmo e bom, calmo e triste, envolvido

Nessa túnica ideal de sonhos, alvejante.

 

Sê, nesta escuridão do mundo, o paradigma

De um desolado espectro, uma sombra, um enigma,

Perpassando sem ruído a caminho do Além.

 

E só deixes na terra uma reminiscência:

A de alguém que assistiu à luta da existência,

Triste e só, sem fazer nenhum mal a ninguém.

 

 

Extraído de:
2011 CALENDÁRIO   poetas     antologia
Jaboatão dos Guararapes, PE: Editora Guararapes EGM, 2010.
Editor: Edson Guedes de Morais

 

/ Caixa de cartão duro com 12 conjuntos de poemas, um para cada mês do ano. Os poetas incluídos pelo mês de seu aniversário. Inclui efígie e um poema de cada poeta, escolhidos entre os clássicos e os contemporâneos do Brasil, e alguns de Portugal. Produção artesanal.

 

 

 

***

 

SONETOS. v.1.Jaboatão dos Guararapes, PE: Editora Guararapes EGM, s.d.  154 p.  16,5 x 11 cm.  ilus. col.  Editor: Edson Guedes de Moraes. Inclui 148 sonetos de uma centena de poetas brasileiros e portugueses.  Ex. bibl. Antonio Miranda



 

 

TEXTO EM ITALIANO

 

Extraído de

 

MIRAGLIA, Tolentino.  Piccola Antologia poetica brasiliana.  Versioni.  São Paulo: Livraria Nobel, 1955.  164 p.  Ex. bibl. Antonio Miranda

 

LA VITA

Ecco la vita : seguire una chimera vaga,
Straziando le mani in sangue ai cardi e alio spino;
Rotolar nella polve e lasciare nel cammino
I brandelli di carne e il sangue delia piaga.

Sorbir l'amaro fiel, che c'è in qualunque vino
E il veleno che c'è in tutto e in qualunque plaga;
Resister, tuttavia, alio scherno, che dilaga,
Di quelli che ronzano ed ululan d'avvicino.

Arrivare esausti, alfin, all'auge dell’età;
Veder disfatto il giardin d'incanti che sognammo
E notare, abbattuti, che lo sforzo nulla diede.

Cuardare indietro, e veder che la felicità
Resto al di là, nel suol, ove, spettri, passammo;
Restò al di là nel fior che si calcò col piede.

 

 

Página publicada em março de 2010; ampliada e republicada em fev. 2011; ampliada em dezembro de 2015. Ampliada em julho de 2018.

Voltar à página de São Paulo Voltar ao topo da página

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar