Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 

 

AURELIANO DE FIGUEIREDO PINTO

 Aureliano de Figueiredo Pinto nasceu em 1º de agosto de 1898, na fazenda São Domingos, município de Tupanciretã, filho de Domingos José Pinto e de Marfisa Figueiredo Pinto. Exerceu o ofício de médico, mas por essência foi poeta e escritor. Leia mais sobre o autor em: http://www.chasquepampeano.com.br/biografias.html

 

De
PINTO, Aureliano de Figueiredo.  Romances de estância e querência.  Porto Alegre: Editora Globo, 1959.  182 p.

 

“Poucos livros refletem com mais autenticidade o homem e a paisagem do Rio Grande do que este “Romances de Estância e Querência”. / Lê-los, é sentir a força telúrica do gaúcho andarengo perdido nas coxilhas do tempo (...)” Texto extraído da orelha do livro.


SESTEADA

          A Homero Jobim

O andante velho, de cansados olhos,
desencilha ao sol quente o matungo viajado
à sombra da figueira da tapera.

A árvore maternal o acolhe.
Estende a sombra com o maior cuidado,
que o sol, coxilha a fora, desespera.

Quando guri, ali passou tropeando.
Quando moço, passou numa guerrilha
e a figueira ainda é a mesma que antes era.

Velho e só, pobre e enfermo, a vida merma.
Murcham os músculos que de atleta foram.
Fantasma vivo da campanha erma.

Fieira de ossos sob o couro hirsuto!
Desconsolado como antigo salso
de longos ramos pra o chão pendentes.

Oiga! figueira velha macanuda!
Passam decênios nas copadas altas
tal se fossem o frêmito de um dia.

Gaúcho velho! Que sesteias, pobre
e errante e enfermo sob a sombra forte
da árvore da tapera que resiste!

Secou-te o sonho que era vasto e nobre!
Vais repontando em direção da morte
os magros restos do teu vulto triste...

 

FOGO DO DIABO

Chinita, que foste minha!
Sem tu, não era o que sou.
Tu me ensinaste a ser bueno:
- Sacaste a mágoa e o veneno
com que outra me machucou.

Onde andarás, china minha,
guaxa do rancho dos teus,
florindo a flor sem mistério
do teu corpito gaudério
por esse mundo de Deus?!

Sobre o teu vulto, chinita,
faz tempo que escureceu.
Perdi o teu rumo e o teu rasto
- sovada, a sofrer nos bastos
de outro andarengo como eu!

Teus fundos olhos, chinoca,
são duas sangas cortadas
pelo sol de tanto amor.
Com a chuva e o choro dão flor
como aguapé nas aguadas.

Teus braços são rédea aos xucros,
que domas, com voz ladina,
nos teus seiitos de escrava.
- Dois ninhitos de ave brava
nua arvesita franzina.

Os teus cabelos meneiam
e derrubam sem barulho.
E a tua ausência, ferindo,
dói mais que a neve caindo
pelos minuanos de julho.

Se te alegras, se te coloras
do tom de flor, que ainda lembro,
dos durasnais da tapera
enfeitando a primavera
pelas manhãs de setembro.

Se sofres, teus cílios finos
são como os juncos da tarde
no espelho de uma lagoa.
Porque és tão boba e tão boa
para o destino covarde...

Chinita, que foste minha!
Nunca mais quero encontrar-te.
Tu sabes de cada espera
com a tua alminha de Angoera,
com sangue de Malasarte!

A pobre... quando morrer,
na noite em que ela se for,
verão como ainda tem manhas,
em boitatás, nas campanhas,
o fogo do seu amor...

 

QUERÊNCIA

         
Para o velho Domingos

I

Recordo... Um coxilhão, virgem do arado,
alto e estendido na campanha em frente.
Resfolegando a névoa ao sol nascente.
Na noite negra era um fortim sitiado.

Somrbio sob o crepúsculo indolente
nos paradouros acolhia o gado.
Promontório nas rotas di El-Dorado
ao luar e aos sonhos de um adolescente.

Tristão no inverno... Esplêndido na sanha
do estio fugindo... No horizonte aberto
a galopada das miragens foge.

Tão longe... E ainda a paisagem me acompanha
com o encanto das ilhas que no oceano incerto
as minhas naves descobrissem hoje...

II

Por toda parte onde eu andei, Querência,
pedaço de alma, te levei comigo.
A proteger-me como um poncho amigo,
ou estrela d´alva nos sertões da ausência.

Andante, chego ao teu galpão de abrigo.
Fogão e amargo! A missioneira essência.
E, pelo teu conslho em confidência,
forjei meu coração para o perigo.

Quantas vezes na ronda a noite andando
vieste em recuerdo, como irmã, sorrindo,
adoçando a amargura da inclemência.

Por ti, na Vida e no lidar em que ando,
a sorte, ou contra ou a favor, vem lindo!
só pelo orgulho de te honrar – Querência!

 

Página publicada em dezembro de 2011


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar