Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


EUCANAÃ FERRAZ

EUCANAÃ FERRAZ

 


Nasceu no Rio de Janeiro, em 18 de maio de 1961. Escreveu, entre outros, os livros de poemas Cinemateca (Companhia das Letras, 2008), Rua do mundo (Companhia das Letras, 2004), publicado em Portugal (Quasi, 2006), Desassombro (7 Letras, 2002, prêmio Alphonsus de Guimaraens, da Fundação Biblioteca Nacional), publicado em Portugal (Quasi, 2001) e Martelo (Sette Letras, 1997).

Organizou os livros Letra só, com letras de Caetano Veloso (Companhia das Letras, 2003), publicado em Portugal (Quasi, 2002); Poesia completa e prosa de Vinicius de Moraes (Nova Aguilar, 2004), a antologia Veneno antimonotonia — Os melhores poemas e canções contra o tédio (Objetiva, 2005) e O mundo não é chato, com textos em prosa de Caetano Veloso (Companhia das Letras, 2005). Publicou ainda, na coleção Folha Explica, o volume Vinicius de Moraes (Publifolha, 2006).

Edita, com André Vallias, a revista on line Errática (
www.erratica.com.br). É professor de literatura brasileira na faculdade de letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ.  Página do autor: http://www.eucanaaferraz.com.br/

 

Foi no taxi entre o aeroporto e o hotel que ouvi o nome de Eucanaã Ferraz pela primeira vez.  Estava em Porto Alegre para dar uma palestrana UFRGS. A jovem bibliotecária que me conduzia me falou de sua admiração pelo poeta carioca. O nome não me era estranho.  Eucanaã não é um nome comum... Depois me lembrei que o havia lido na antologia da Heloisa Buarque de Hollanda, que é quem mais entende de poesia contemporânea no Brasil.  Prometi que ia fazer uma página para o poeta, mas o tempo foi passando, passando.  Os bons poetas  devem ser como o vinho, não são descartáveis, melhoram com o tempo. Na releitura é que realmente apreciei o poeta, e aqui consumo a promessa, com admiração e prazer.  Antonio Miranda

 

TEXTOS EN ESPAÑOL Y PORTUGUÊS

 

O EQUILIBRISTA


Traz consigo resguardada

certa idéia que lhe soa

clara, exata.

 

No entanto, hesita: que palavra

a mais bem medida e cortada

para dizê-la?

 

Enquanto não lhe vem o verso, a frase, a fala,

segue lacrada a caixa

no alto da cabeça.

 


PAISAGEM PARA ANNA AKHMÁTOVA

 

O corpo, ainda corpo,

sabe de cor

a dor. Dizer adeus,

carpir, esconder,

bater palavras contra o muro.

Ruas de São Petersburgo

sob a neblina – o corpo

sabe de cor

onde se morre.

Mas, por entre o estridor

de soldados e funcionários,

cava uma saída:

o próximo poema

(promessa de delicadeza e silêncio)

– ouve cantar uma cereja.

 

===============================


De

BUARQUE DE HOLLANDA, Heloisa.
Esses poetas: uma antologia dos anos 90. 
Rio de Janeiro: Aeroplano Editora, 1998. 
SBN 85-86579-02-5


ACONTECIDO

Como quem se banhasse
no mesmo rio
de águas repetidas,
outra vez era setembro
e o amor tão novo.
Iguais, teu hálito mascavo,
a minha mão inquieta.
Novamente o quarto,
a praça vista da janela,
teu peito.
Depois eu era só — vê —
sob a chuva miúda daquele dia.


MORTE NO MAR

       a T. S. Eliot

Lembro do rapaz que vi morrer na praia.
Os olhos abertos
— uma luz tão fria —
conchas espantadas que RAM.
As mãos nada diziam de
anêmonas e navios.
Eu era um menino e
o azul verde da água.
Alto e belo, o afogado,
um capitão.


MAIO


Dia perfeito:
diapasão.
Marinho. Murano,
meu.
 

RUA DO MUNDO

De
RUA DO MUNDO
São Paulo: Companhia das Letras, 2004
ISBN 85-359-0588-5

 

Não saberia dizer a hora
em que me desfizera de tudo o que não era teu,

quando cada coisa se deixou cobrir
por tua presença sem margens

e deixou de haver um lado
que fosse fora de ti.

*

Amor desfeito.
Do vento mais suave

(arrastamos nosso corpo
para fora, para a hora

de partir) o movimento mínimo
fere nosso rosto

e o silêncio semelha o dente de um ácido
sombrio sobre nosso ferimento,

ainda tão recente,
cintilante.

*

Eu caminhava nu, sem que você visse.

Pra que você visse, eu caminhava sem.

Você não via. Pra que você soubesse,

eu caminhava nem, sem que você visse,

 

eu caminhava livre, além do limite de

ser ninguém, sem remo e sem alento,

o andar isento quase de mim mesmo,

num estranho, cansado engano,

 

sem âncora, no vento, e mais contente.

Nu, livro ao avesso; nu, anel sem dedo;

 

nu, anel sem dentro; nu, a pedra

bruta; nu, um livro bruto, antes

 

do acabamento, cimento grosso,

na antemão da cal, da letra, descampado,

como se a mão de alguém me desenhasse,

antiquíssimo, no dorso de um vaso.

 

(...)

 

EUCANAÃ FERRAZ

 

De
cinemateca

São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

ISBN 978-85-359-1187-9

 

Exemplar gentilmente dedicado e enviado pelo autor. O intermediário – amigo e admirador do poeta — foi Alberto Bresciani que fez também a seleção dos poemas a seguir:

 

acorda

 

 

Em meio ao que deve ser

ainda a noite. Seu grito,

 

porém, não se desfaz

no ácido escuro: cuspido

 

para além do corpo

à maneira de um osso,

 

permanece agudo, ali,

fincado entre a parede

 

e a cama. Pode vê-lo,

como quem vê doer a dor

 

fora de si mesmo. Fecha

os olhos, abre-os, fecha

 

o peito, respira, e o grito,

sólido, negro negror,

 

no mesmo lugar. A garganta

não pode trazê-lo de volta,

 

o sono não pode apagá-lo, o medo

vigia, o quarto carbonizado

 

pelo pavor é minúsculo,

é imenso. O grito assim,

 

matéria, parece ter peso:

não é leve, apesar de

 

acima do chão,

chumbo em levita9ao;

 

tem cor: a tinta da noite

em si mesma concentrada;

 

massa: totalmente caroço,

compacta; temperatura: é frio

 

como só pode o vidro,

frio que se irradia liso

 

e lança de si gelado o hálito

em que tudo — cômoda, quadros,

 

cama — afunda; o grito assim,

feito coisa, tem densidade:

 

a de um piano sem teclas,

só a sua glândula enfartada e dura;

tem cheiro, e pelo quarto
instantâneo se espalha: fedor

de borracha. Bicho que
depois de morto pudesse

saltar sobre a presa:
lei, sentença, decisão

sem preâmbulos e sem motivo. Mas
a mão da mulher acorda

e lhe pergunta. Um sonho,
um pesadelo, ele responde. E

volta-se para o lado. Cômoda,
quadros, cama respiram aliviados,

o dia tem pressa,
dormir é ouro.

 

 

o não

 

 

Então diz o meu nome como se

me devolvesse a mim: eu não te quero

 

é o que, por sob, diz toda vez que me diz

o meu nome, disparando contra mim

 

a distância de eu caber num cadastro,

letras num catálogo que não lhe diz respeito,

 

a despeito de dizer-me o meu nome,

pois o faz, repito, como quem, por assim

 

dizer, diz não, recusa o presente, devolve

a fábrica a ternura torta. Peço que não

 

me diga o meu nome, nome

de quem perde o nome diante de você.

 

 

 

o desfotógrafo

 

Vejo tudo agora diferente,

como se o tempo contra o rio

dirigisse e de trás pra frente

eu desescrëvesse um livro

 

e cada palavra nele se tornasse

livre e me fizesse livre

e sílaba a sílaba toda memória

desaparecesse — sumisse! —

 

como se, na nossa frente, tudo

o que fomos um dia num passe

de mágica evaporasse num passe

de música, num passo — no ar!

 

Hoje, tudo dá-se a ver sem dor,

limpo, sem um traço de paixão.

Os poemas se apagaram e, repara,

façamos um balanço: de nós

 

restou não mais que a folha livre

de depois do livro, retrato em

branco e branco

 

 

a bela e a fera
I


Em cruzar
a sala zumbindo
sua navalha o besouro-ébano espanta

o piano que se ergue atrapalhado,
plantado na ponta das
patas

sem poder,
do chão, tocar o ouro
absoluto da negra couraça que inseta

o ar ali com sua canção. E o pobre
Steinway supõe ser
a nave

um
sinal, um
seu semelhante, um filho talvez.


a bela e a fera
II


Em cruzar a sala zumbindo o outro negro
de sua couraça
o besouro

absoluto
ébano espanta
o piano que, plantado no chão, ergue-se

atrapalhado na ponta das patas sem poder
tocar a nave que
navalha

o ar
com sua canção-verniz. E
o pobre Steinway supõe ser o inseto

ali um sinal, um seu semelhante,
talvez um
filho.

 

                ...........................................

 

FERRAZ, Eucanaã.  Sentimental. Poemas.  São Paulo: Companhia das Letras, 2012.  ISBN 978-85-359-2167-0   Col. A.M.

 

Exorbitar amontoar

Vou chamá-la assim a nossa história: nossa história

 

de amor, que, escrita em mensagens eletrizantes, plasmou-se

em relâmpagos no espelho do velho computador; acredite,

nosso amor que morreu resiste tecnicamente em disquetes

depois de quase todo apagado de nossa memória,

 

da sua pelo menos,

 

e sonâmbulo continua, mesmo perdido em montanhas

de nada e nada; viverá assim por centenas de anos;

desaparecerá, portanto, muito tempo depois de nós

próprios termos desaparecido,

 

nossa história de amor, eternizada no lixo.

 

 

 

EUCANAÃ FERRAZ  PUBLICA METAPOEMA ANTIPOÉTICO

e um comentário de ANTONIO MIRANDA à guisa de apresentação

 

O poeta Eucanaã, uma das vozes mais incisivas e criativas entre nós, publicou dois poemas na última edição do suplemento dominical ILUSTRÍSSIMA, da Folha de S. Paulo, de 22 de fevereiro de 2015. Escolhemos o metapoema (poemas sobre poesia) ORELHAS, com conotação explicitamente antipoética (como a antipoesia do Nicanor Parra, mas recorrendo a uma oralidade entre erudita e popular, sarcástica e contundente). A metalinguagem usa e até abusa, com extrema lucidez e propriedade, de oximoros, ou seja, contrastando os opostos em dimensão propriamente esperpêntica, vale dizer, de exagero e denúncia, do mais sublime ao mais cruel sobre a prática eufemística e edulcorada de certos poetas contemporâneos. Mais cruel do que sublime...

 

Orelhas

Estão certas todas as canções banais convencionais
seus corações como são de praxe; estão certos os poemas
enfáticos inchados de artifícios à luz óbvia da lua
ou de estúpidos crepúsculos; os sonetos mal alinhavados
toscos estão certos bem como as confissões íntimas
não lapidadas reles nem polidas; ouçamos o que dizem
sobre qualquer coisa; dizem não vai dar certo; repetem;
e se o versos é trivial é mais sagaz quanto mais pueril
mais seguro quanto mais frouxo mais sólido quanto
mais rasteiro mais a toda prova e quanto mais barato
e quanto mais prolixo o alexandrino mais legítimo;
as formas desdentadas vêm do fundo; as odes indigestas
dizem tudo; o verso oco não traz menos que a verdade
nua ponto. Estão certos os romances de aeroporto;
a quem busca um modelo procure o estúpido; se deseja
uma estrela de primeira grandeza escolha o simplório
é o que digo não busque senão na aberração a sinceridade
e no disparate a franqueza; prêmios literários não passam
de hipocrisia; estiveram desde sempre certos os erros
de tipografia; o contrassenso dever ser o mandamento
de quem precisa disfarçar o mal-estar após mostrá-lo
sem pudor; sim a saudade arde exatamente como
nos roteiro dos filmes mas só as fitas mais chinfrins
e com fins infelizes não mistificam e dizem de antemão
o que seremos: redundância errância perfeição.

 

Obs. foto extraída de http://www.flip.org.br/

 

 

 

TEXTOS EN ESPAÑOL Y PORTUGUÊS

 

EUCANAÃ FERRAZ

 

Rio de Janeiro, 1961. Poeta, narrador, ensayista  y  profesor.  Imparte  clases de  Literatura  brasileña  en  la  Universidade Federal do Rio de Janeiro. Organizó  la  edición  conmemorativa  de los ochenta años de la publicación del primer libro de Carlos Drummond de Andrade, Alguma poesia (2010). Organizó la publicación de la Poesia completa  e  prosa  de  Vinicius  de  Moraes (2004) y O mundo não é chato (2005), de Caetano Veloso. Edita, con André Vallias, la revista literaria digital Errática. Es autor de varios libros de poesía como Martelo (1997), Desassombro (2002), Rua do mundo (2004)  y Cinemateca (2008).

 

A seguir, textos extraídos de la revista venezolana (en la web) LA COMUNA DE BELLO.  N. 2, abril 2014


 

Retrato de menina

Os cabelos, não.

Tampouco olhos.

Nada além do sorriso: pedras

que as palavras atravessam rápidas

como lagartos, muro

onde encostar meu cansaço.

 

 

Retrato de muchacha

Los cabellos, no.

Tampoco ojos.

Nada más allá de la sonri

 

 

 

sa: piedras

que las palabras atraviesan rápidas

como lagartos, muro

          donde apoyar mi cansancio.

 

Eles

 

Os saqueados de

tudo

ou quase tudo.

Em cuja alma

não cabem mais que uma mesa

e sonhar que,

sobre ela,

a lavoura da vida inteira

seja,

um dia, a ceia.

 

 

Ellos

Los saqueados de

todo

o casi todo.

En cuya alma

no caben más que una mesa

y soñar que,

sobre ella,

el cultivo de la vida entera

sea,

                    un día, la cena.

 

 

Forma

     Para Roberto Corrêa

Palavras, arrumá-las

de tal jeito

–cilada–

que se possa

apanhar com elas

um sentimento que passa.

 

Forma

     Para Roberto Corrêa

Palabras, arréglalas

de tal modo

–celada–

que se pueda

asir con ellas

un sentimiento que pasa.

 

El laberinto de la soledad

 

Yuri viu que a Terra é azul e disse a Terra é azul.

Depois disso, ao ver que a folha era verde disse

a folha é verde, via que a água era transparente

e dizia a água é transparente via a chuva que caía

e dizia a chuva está caindo via que a noite surgia

e dizia lá vem a noite, por isso uns amigos diziam

que Yuri era só obviedades enquanto outros

atestavam que tolo se limitava a tautologias

e inimigos juravam que Yuri era um idiota

que se comovia mais que o esperado; chorava

nos museus, teatros, diante da televisão, alguém

varrendo a manhã, cafés vazios no fim da noite,

sacos de carvão; a neve caindo, dizia é branca

a neve e chorava; se estava triste, se alegre,

essa mágoa; mas ria se via um besouro dizia

um besouro e ria; vizinhos e cunhados decretaram:

o homem estava doido; mas sua mulher assegurava

que ele apenas voltara sentimental. O astronauta

lacrimoso sentia o peito tangido de amor total

ao ver as filhas brincando de passar anel

e de melancolia ao deparar com antigas fotos

de Klushino, não aquela dos livros, estufada

de pendões e medalhas, mas sua aldeia menina,

dos carpinteiros, das luas e lobisomens,

de seu tio Pavel, de sua mãe, do trem,

de seus primos, coisas assim, luvas velhas,

furadas, que servem somente para chorar.

Era constrangedor o modo como os olhos

de Yuri pareciam transpassar parede,

nas reuniões de trabalho, nas solenidades,

nas discussões das metas para o próximo ano

e no instante seguinte podiam se encher de água

e os dentes ficavam quase azuis de um sorriso

inexplicável; um velho general, ironicamente

ou não, afirmara em relatório oficial que Yuri

Gagarin vinha sofrendo de uma ternura

devastadora; sabe se lá o que isso significava,

mas parecia que era exatamante isso, porque

o herói não voltou místico ou religioso, ficou

doce, e podia dizer eu amo você com a facilidade

de um pequeno-burguês, conforme sentença

do Partido a portas fechadas. Certo dia, contam,

caiu aos pés de Octavio Paz; descuidado tropeçara

de paixão pelas telas cubistas degeneradas de Picasso.

Médicos recomendaram vodka, férias, Marx,

barbitúricos; o pobre-diabo fez de tudo

para ser igual a todo mundo; mas,

quando aparecia apenas banal, logo dizia coisas

como a leveza é leve. Desde o início,

quiseram calá-lo; uma pena; Yuri voltou vivo

e não nos contou como é a morte.

 

 

El laberinto de la soledad

 

Yuri vio que la Tierra es azul y dice la Tierra es azul.

Después de eso, al ver que la hoja era verde dice

la hoja es verde, veía que el agua era transparente

y decía el agua es transparente veía la lluvia que caía

y decía la lluvia está cayendo veía que la noche surgía

y decía allá viene la noche, por eso unos amigos decían

que Yuri era sólo obviedades mientras otros

atestiguaban que ingenuo se limitaba a tautologías

y enemigos juraban que Yuri era un idiota

que se conmovía más que lo esperado; lloraba

en los museos, teatros, delante de la televisión, alguien

barriendo la mañana, cafés vacíos en el fin de la noche,

sacos de carbón; la nieve cayendo, decía es blanca

la nieve y lloraba; si estaba triste, si alegre,

ese pesar; pero reía si veía un escarabajo decía

un escarabajo y reía; vecinos y cuñados decretaron:

el hombre estaba loco; pero su mujer aseguraba

que él apenas se volvió sentimental. El astronauta

lagrimoso sentía el pecho tocado de amor total

al ver a las hijas jugando a pasar anillo*

y de melancolía al topar con antiguas fotos

de Klushino, no aquella de los libros, estofada

de pendones y medallas, pero su aldea muchacha,

de los carpinteros, de las lunas y hombres lobos

de su tío Pavel, de su madre, del tren,

de sus primos, cosas así, guantes viejos,

agujereados, que sirven solamente para llorar.

Era embarazoso el modo como los ojos

de Yuri parecían traspasar pared,

en las reuniones de trabajo, en las solemnidades,

en las discusiones de las metas para el próximo año

y en el instante siguiente podían llenarse de agua

y los dientes quedaban casi azules de una sonrisa

inexplicable; un viejo general, irónicamente

o no, afirmaría en informe oficial que Yuri

Gagarin venía sufriendo de una ternura

devastadora; quién sabe lo que eso significaba,

pero parecía que era exactamente eso, porque

el héroe no volvió místico o religioso, quedó

dulce, y podía decir yo te amo con la facilidad

de un pequeño burgués, conforme sentencia

del Partido a puerta cerrada. Cierto día, cuentan,

cayó a los pies de Octavio Paz; descuidado tropezaría

de pasión por las telas cubistas degeneradas de Picasso.

Médicos recomendaron vodka, vacaciones, Marx,

barbitúricos; el pobre diablo hizo de todo

para ser igual a todo el mundo; pero,

cuando parecía apenas banal, luego decía cosas

como la levedad es leve. Desde el inicio,

quisieron callarlo; una pena; Yuri volvió vivo

y no nos contó cómo es la muerte.

 

 

*Juego grupal nordestino.

 

 

Página publicada em setembro de 2008; ampliada em fevereiro e em outubro de 2009.Ampliada em janeiro de 2013. Ampliada e republicada em abril de 2014.

 


 


Voltar para a  página do Rio de Janeiro Voltar ao topo da página

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar