Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ANDRÉ GIUSTI

 

André Giusti nasceu em maio de 1968 no Rio de Janeiro e mora em Brasília desde a década de 90. Entre contos, crónicas e poemas, A Maturidade Angustiada (Penalux, 2017) e Os Filmes em que Morremos de Amor (Patuá, 2016) são seus livros mais recentes. Também é jornalista. Mantém site e blog em www.andregiusti.com.br

 

MEXIDÃO POÉTICO – A Poética brasiliense no Mexidão cultural do ver. Marcos Freitas, org.  Brasília, DF: 2017.  S.p. Impressão sem paginação nas folhas. Imagem da capa: Luiz de Alcântara. Organização, revisão e prefácio: Marcos Freitas. ISBN 9781549632716  Edição artesanal. E uma edição digital: https://www.amazon.com.br/Mexid%C3%A3o-Po%C3%A9tico-Po%C3%A9tica-Brasiliense-Cultural-ebook/dp/B07582XTN1

Inclui no livro os poetas participantes do evento: Abhay K., Adão Paulo Oliveira, Alceu Brito Corrêa, Alexandre Marino, André Giusti, Angélica Torres, Antonio Miranda, Carla Andrade, Dina Brandão, Flora Benitez, João Bosco Bezerra Bomfim, Jorge Amâncio, José Roberto da Silva, Jossonhir Britto, Kilito Trindade, Luiz Felipe Vitelli, Luis Turiba, Marcos Fabrício, Marcos Freitas, Menezes e Morais, Murilo Komniski, Nicolas Behr, Noélia Ribeiro, Olivia Maria Maia, Rêgo Júnior, Ruiter Lima, Sóter, Tita Lima e Silva, Vanderlei, Vicente Sá, Wélcio de Toledo, Yonaré Flávio.

 

Você acordou cansado
e levantar já parece
a mais dura tarefa do dia:
o corpo pesa mais que um
velho hipopótamo.
Durante a madrugada,
uma alquimia corrompida
substituiu

músculos ossos nervos,

toda a carne cinquentenária,
por concreto areia brita

e vergalhões enferrujados,

aqueles, transmissores de tétano.
O corpo pesa,
e dói tanto a espinha

que no meio dela
é como se houvesse brotado

uma hérnia de disco
em forma tamanho e peso

de um piano de calda.

Se pudesse, fugiria,
mas a exemplo de Minas

do poeta consagrado,
seu Rio de Janeiro não existe mais:

sucumbiu à imoralidade de seus palácios.
Com o que lhe resta de crença,

você ora ora ora

e chora chora chora.
Ao final, exercida a sobra de fé,

ressecadas as lágrimas vencidas,

o céu lhe responde

em forma de certeza íntima
renovada pelo exercício do choro:
escrever é o que resta,

posto que a poesia
é a única das forças
que ainda não lhe arrancaram.
Escrever escrever escrever,
mesmo que sejam cartas
ao primeiro ministro da Namíbia,
mensagens de reclamação ao serviço de entrega,
poemas de amor a amadas inventadas,
que dramaticamente nos traem
apenas por vingança.
Porque escrever é o jeito
que você encontrou
de ter esperança.

 

 

 

CORPORATION TRADE CENTER

 

Qual o premio pela minha cabeça?
Quem paga mais para arrematá-la e arrebentá-la

com uma tosca marreta de chumbo

no meio da praça

sob o olhar das feras

2- feira depois do almoço?

 

Quanto vale destruir

um sonho de moco

e vê-lo escorrer

até onde as sarjetas se unem

e formam coro no abandono da noite?

 

Quanto vale a minha cabeça

na cotação do maquiavelismo deles?

Quanto vale um reles cara do povo

ser visto entrando derrotado

na jaula das cobras?

 

Quem dobra o lance
para me empurrar no abismo
com bolas de ferro atadas
a grossas correntes
enroladas no pescoço?

 

Quem paga mais para ser o lobo
que vai me jantar
na frente de todos
na sala da diretoria
na fila do cartão?

 

Quem paga mais para soprar mais forte
a única vela que terei comigo
para tentar vencer a escuridão?

 

 

 

 

Página publicada em dezembro de 2017


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar