Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 

 

PAULO CARDOSO

 



Pernambucano de São José do Egito, nascido a 23 de março de 19939. . É bacharel em Direito pela Unicap. Publicou Árvores sem sol (1964), Poemas (1992), Salva de versos (1992), As veias da noite (1993),Os passos da insônia (1994), Fronteira de dois chãos (1995) e A pedra dos oráculos (1996).  Membro da UBE-PE e Academia Recifense de Letras.

        

SONETO FLUVIAL

Rcife está moderna. Com mil polos.
Mas presa às intempéries e aos tormentos
dos veios d'água que se ocultam, lentos,
no vasto pantanal do subsolo.

De alicerces fincados sob o solo
os muros seculares dos conventos
não resistem às chuvas nem aos ventos:
escorre o pó sanguíneo dos tijolos.

Tem céu azul e sol que cedo alveja 
avenidas e praças. Talvez seja
o retiro das moças enganadas.

Das náufragas estrelas: sete-estrelo 
e o cruzeiro do sul navegam pelos
dois rios da cidade safenada.

 

De
Paulo Cardoso
A PEDRA DOS ORÁCULOS
Capa e ilustrações de Cavani Rosas.
Recife: Editora COMUNICARTE. 1996. 
57 p.  ilus. p&b


UM SONHO EM PORTUGAL

Viajei a Portugal de madrugada.
Pelas ruas estreitas de outras épocas
visitei velhos prédios sem estética
com cegos azulejos nas fachadas.

Vi à margem de aquáticas douradas
(recanto de harmonia tão poética)
waldemarinas expressões sintéticas
a Ferreira de Castro dedicadas.

O silêncio das pedras era surdo
como o canto de um pássaro viúvo
retraído em profunda solidão.

Foi assim que sonhei Lisboa antiga:
um rebanho de pombos na avenida 
voando sobre mim em saudação.

 

 

CONVÍVIO COM O SILÊNCIO

Prefiro consumir noturnas musas.
Delas é que mais flui a essência poética
irrigando e regando a forma, a estética
e as dúvidas das métricas confusas.

Meus versos são lavados pelas chuvas
que caem finas nas manhãs desérticas,
muitas vezes levadas pelas célicas
e indestinadas passageiras nuvens.

Em silêncio se entendem surdos-mudos.
A solidão é a casa dos viúvos
— revivência de lutas e de glórias.

Na grade de azulejo existe um rosto
que o fascínio de ver, antes exposto,
ficou microfilmado na memória.

 

Página publicada em setembro de 2011


Voltar para o topo da página Voltar para a página de Pernambuco

 

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar