Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 RODRIGO MADEIRA

 

(Foz do Iguaçu, Paraná, Brasil, 1979)   tem poemas publicados nas revistas Oroboro, Coyote, Babel Poétiaca e Germina.  Teve o poema “Balada da Cruz Machado” adaptado para o cinema por Terence Keller (2009). É autor dos livros Sem pálpebras (poemas, 2007) e Pássaro ruim (poemas, 2009).

 

101 POETAS PARANAENSES (V. 2  (1959-1993)  antologia de escritas poéticas do século XIX ao XXI.  Seleção de Ademir Demarchi.  Curitiba, PR: Biblioteca Pública do Paraná, 2014.  398 p. 15X 23 cm.  (Biblioteca Paraná)

 

 POR FAVOR, IRMÃO

sábado brutal.

no vento o perfume do pneu
queimado.
desviando da poça de sangue baço
(incapaz de refletir a lua
ou contar a história do homem
que a verteu)
as pessoas tentando mais uma vez
chegar em casa,
mais uma vez tentando esquecer
o caminho de casa,
e um cara me para
na rua
e pergunta
(depois das 21:00, há sempre um louco
atrás de um cigarro):

— como eu chego lá, irmão?

pera aí, deixa eu ver...
faz asso,:

segue reto duas quadras
até o outdoor da unimed, beleza?
daí vira
à direita e caminha mais 2 quadras,
na esquina você vai ver um mendigo
(o sem cobertor,
bebendo pinga de garrafa plástica),
quebra à esquerda e depois,
duas quadras depois, onde fica um traveco
(o loiro, de minissaia preta
de couro falso),
de novo
à esquerda, daí você vai até
o segundo farol, não o do malabar
de 10 anos de idade,
o segundo, o segundo,
onde faz ponto uma puta e um traficante...
não tem erro, irmão,
logo em frente cê vai vê:

IGREJA ADVENTISTA DO SÉTIMO DIA

 

EXERCÍCIOS BANAIS 3

Há lugares onde a saudade, não fosse ela inopinada
e irrecusável, se exerce com método:
nos bancos de praça, pelas janelas
do quinto ao sétimo andar, diante do mar
nos alpendres dos sobrados, no interior do goiás
dentro dos ônibus interestaduais
e nas penitenciárias.
há lugares onde a saudade, não fosse ela inopinada
e irrecusável, não encontra passagem:
na rua XV do zênite, no pega-pra-capar do trânsito
na fila do banco, pelas escadas carregando compras
em frente aos muros pichados, nas lojas de sapatos
celulares e ares-condicionados
dentro de túneis, elevadores e mictórios.

 

Página publicada em maio de 2016


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar