Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 

DOMINGOS PELLEGRINI

Foto: www.bemparana.com.br

 

 

DOMINGOS PELLEGRINI

 

 

(Londrina, 23 de julho de 1949) é um escritor brasileiro.

 

Entre as suas obras destacam-se Terra Vermelha, que conta a história da colonização do Paraná, O Caso da Chácara Chão e O Homem Vermelho, tendo por estas duas últimas obras ganho o prêmio Jabuti.

 

Nasceu e vive em Londrina, onde estudou Letras. Trabalha com jornalismo e publicidade. É autor de contos, poesias, romances e romances juvenis.

 

Vive atualmente na Chácara Chão, em sua cidade natal, de onde envia colunas para o Jornal de Londrina e para a revista Globo Rural, entre outras publicações.

 

O livro de contos O Homem Vermelho, sua primeira publicação, lhe valeu o Prêmio Jabuti em 1977. Em 2001 foi novamente agraciado com o Prêmio Jabuti (juntamente com Milton Hatoum e Patrícia Melo) pelo romance O caso da Chácara Chão.

Fonte:  wikipedia

 

 

CALMA, ANA

 

Goteira

na escuridão da casa

 

 

pingo

 

 

sangue de virgem

no colchão

 

pingo

 

mas ninguém é virgem não

ninguém, Ana, ninguém

todo mundo já sangrou na vida

nascer é sangrar a mãe

viver é uma sangria

 

pingo

 

engraçado, Ana, a gente

simplesmente esquece

que tem isso dentro

esse caldo vivo

correndo

 

pingo

 

sangue, Ana, sangue

o mesmo sangue vermelho

que renasceu na cruz

e escreveu o Evangelho

condenou Jesus

depois caiu de joelhos

 

pingo

 

e alguém, Ana, agora

pingo

agora mesmo

despeja nos bueiros do mundo

o sangue do desespero

 

pingo

 

espreite

nos becos e encruzilhadas do tempo

a palavra sangue

escrita a sangue

 

pingo

 

os arbustos inclinam

em emboscadas

o vento se organiza

em coro de condenados

os galhos dramatizam

forcas foices espadas

a árvore se equilibra

em borrões coagulados

 

pingo

 

as goteiras trespassando a casa

baionetadas

 

pingo

 

o amor sangra a primeira vez

para lembrar:

sempre há de sangrar

sem a gente perceber

 

pingo

 

eu te olho, você

me olha, Ana, nos olhos

me cai um pingo no peito

e te sai sangue do colo

 

pingo

 

não fique assustada

é sangue, não é nada

somos vítimas vampiros

nas veias da vida

bebe nosso espírito

 

Extraído de

O SACO – 4º. CADERN0 – No. 4 – SETEMBRO – 1976. p. 9
Revista mensal de cultura. Fortaleza, CE: OPÇÃO  Editora Promoções e Publicidade Ltda.

Poemas de Domingos Pellegrini Jr.

 

         DIAS DE CHUMBO

                Dia de chumbo, espinhas de peixe
         na madeira da mesa, rios de sono bruto.
         Pardais são uma praga. O leite azedou.
         O dia desentope devagar as janelas.

         Levanta, mulher. Conforme Alice.
         Hoje é dia do nosso desaniversário.
         Não teremos festa e não sorriremos.
         Pesam toneladas nossos calendários.

 

         QUADRAS

         Num porão cantei sozinho a multidões.
         Num pedaço de muro aprendi o alfabeto.
         Recebi as moedas do salário
         mas nunca tive tempo de contar dinheiro.

         Fiz o coração de cera, olhem
         como amasso e desamasso o coração.
         Nos túneis da noite berraram os povos
         e meu filho desceu de manhã.

         Estive ao lado de quem me abandonou.
         E decerto alguém ficou me esperando.
         Trabalhei sem ver meus companheiros:
         para que estava eu trabalhando?

         Engoli a sopa das cebolas roxas.
         Mastiguei o bife dos bois assustados
         — talvez por isso me acordava,
         agora estou pronto: amar, se odiado.

         Vim vindo o que procuro, cheiro no ar,
         que não me falte medo nem coragem.
         E, por tudo que errei, tenho certeza,
         mesmo sem passaporte ainda farei viagens.

 

         INSETOS

         Os pernilongos sumiram.
         Nas noites de tempestade
         aonde vão os insetos
         que nada tem a quebrar
         e tudo pra ser quebrados?

         A boca da calha esgota
         água em golfadas. Parece
         a casa escarrando, lavrador tuberculoso.

         Pai do Céu, eu que não te conheço
         nem te procuro na noite arregaçada,
         vejo o céu que está arrebentando
         e os pedaço amontoam mas suponho,
         como num sonho sem saída. Todos
         os insetos decidem defender a vida
         e procriam ferozmente nas enxurradas.

         Tempestades não são feitas de relâmpagos
         nem de chuva, trovões nem ventos,
         mas da morte coletiva dos insetos.
         Amanhã estarão no dia limpo
         de novo corroendo e equilibrando a vida,
         roendo a barba e os ossos dos elementos
         numa insistência humana, o povo dos insetos.

        

Página publicada em junho de 2010; página ampliada em junho de 2018

 

Voltar para o topo da página Voltar para poesia dos Brasis Paraná

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar