Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 

 

WILSON DA SILVA NUNES

 

 

 

 

Wilson da Silva Nunes (Belém23 de janeiro de 1919 — Brasília6 de janeiro de 1989) foi  um economistajornalistapoeta e escritor brasileiro.

 

No ínicio de 1960 por ser funcionario publico federal, mudeu-se com a família para nova capital federal Brasília, onde chegou um pouco antes da inauguração oficial.

 

Foi membro da Academia Brasiliense de Letras.

 

 

 

 

DEZ ANOS DE POESIA E UNIÃO. ANTOLOGIA 1988.  Brasília: Casa do Poeta Brasileiro – Poebrás – Seção de Brasília, 1988.  226 p.  15,5x22,5 cm.         Capa: pintura de Marlene Godoy Barreiros.  Ex. bibl. Antonio Miranda

 

 

MARIA LÚCIA

 

 

Dá-me, Lucinha, o delicado laço,
Que adorna tua cabeça graciosa,
E, em troca dele, sobre teu regaço,
Desfolharei uma singela rosa.

 

Quero, apoiado no teu níveo braço,
Seguir da vida a estrada sinuosa,
Não sentirei, assim, tanto o cansaço
Do meu viver, da sina desditosa.

 

Um dia perguntei à consciência,
De que se acaso viesse te perder,
Suportaria a dor de tua ausência;

 

e respondeu-me, então, (voz comovida):

—Como sem ela poderias viver,
Sendo a razão de tua própria vida?

 

 

 

 

TEUS OLHOS

 

Teus olhos azuis são lagos serenos,
Que em noites de lua refletem o luar,
E as auras que passam em beijos amenos
As águas de prata, vêm calmas, frisar.

Teus olhos azuis são ninhos pequenos,

Em cujo calor é tão doce o amar!

Se choras, o pranto, nos seios morenos,

—Cascata de amores —, se vem espraiar.

Pudesse algum dia transpor mil escolhos,
Chegar junto a ti, mirar-me em teus olhos,
E neles depor meu beijo de amor

 

Confesso, querida, se a lua deixasse
Que cheio de afeto o sol a beijasse,
Jamais o faria com tanto calor
.

 

 

 

TUA GRAÇA

 

 

No teu rostinho a soberana graça,
Veio morar com todo seu esplendor,
E é tua boca cristalina taça
Cheia do aroma de singela flor.

 

Permita Deus que a sombra da desgraça,
Nunca anuvie teu rosto encantador,
Que sempre puro, sem nenhuma jaça,
Possa ostentar seu divinal frescor.

No teu sorriso angelical e terno,
No teu olhar suave e transparente,
Tens o segredo de um encanto eterno,

 

E ai de mim! que sem saberes vivo,
Com a tua imagem presa à minha mente,
E o coração sempre a teus pés cativo.

 

 

 

 

INGRATA


Quando tu passas airosa,
Ó meiga virgem formosa,
Dileta flor desta aldeia;
Tu espalhas teu perfume
Que me deixa com ciúme
De tudo que te rodeia

 

Quando corres nas campinas,
Sob teus pés as boninas,
Beijam-te as pernas perfeitas;
Ai de mim que tão sozinho,
Vivo implorando um carinho,
Que tu, sem pena, rejeitas!

 

Inda hoje tu passaste
E nem sequer me olhaste,
— Eu que vivo a te adorar! —
Talvez com vago receio,
De ver nascer no teu seio,
Uma vontade de amar!

 

Numa noite constelada
Cantaste gentil toada,

— Fez chorar o peito meu! —
No céu a lua serena,
De mim, — quem sabe? — com pena,
Entre as nuvens se escondeu.

 

 

 

 

SAUDADE (aos meus amigos)

 

 

Quando o sol nasce por detrás do monte

Vem refletir na cristalina fonte,

A face bem louçã

E a ave que dormia no seu ninho

Desperta e vem pra beira do caminho,

Saudar o albor da manhã.

 

E pelo dia afora na amplidão da mata
Ora alegre, ora triste, o gorjear desata
Como sentido pranto
E quando o sol declina no poente
Inda se ouve ao longe, docemente

Mas cai a noite. E a melodia suave,
Dessa canora e fugitiva ave,
Cessou de se escutar;
É que à noite a ave volta ao ninho,
Que ela teceu com maternal carinho,
Para dormir e sonhar.

 

Assim eu vivo, cantando minhas dores

As graças da mulher, seus lânguidos amores

Como o perfume da flor;

Mas quando um dia dormir meu sono eterno

Nunca mais se ouvirá meu canto terno

Nos meu versos de amor.

 

Se neste livro que te é dileto

Leres meus nome com sentido afeto,

Ou simples amizade;

Fale-te à alma minha triste estória,

E em homenagem à minha vã memória,

Sintas de mim SAUDADE.

 

 

 

 

 

Página publicada em outubro de 2020

 


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar