Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Foto: Foca Lisboa

SÔNIA QUEIROZ


Sônia Queiroz é natural de Belo Horizonte. Fez a graduação e o mestrado em Letras na UFMG, onde é professora de Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa. No doutorado em Comunicação e Semiótica, na Puc-SP, desenvolveu pesquisa sobre as edições do conto oral no Brasil, com ênfase no processo de transcrição e transcriação das narrativas orais.

Como poeta, além de poemas em jornais e revistas, Sônia Queiroz publicou, entre outros, o livro O Sacro Ofício (Prêmio Cidade de Belo Horizonte, 1980). Como contista, publicou o livreto Madrinha (Ed. Dez Escritos, 1987; segunda edição pela. Edições Bichinho Gritador, 1998), em que divulga uma experiência literária realizada com a língua da Tabatinga.

 

“Seus poemas, no que se convencionou chamar  escrita  feminina, publicados com anos de espaçamento, trazem forte ligação com aspectos de tradições socioculturais do estado, no que se refere ao papel social da mulher e às mudanças que tais tradições sofreram nos tempos atuais. A poesia de Queiroz resgata, transformando-a, a memória coletiva, em suas implicações literárias e culturais. Taz à tona o que ainda está vivo na consciência do grupo, para o indivíduo e para a comunidade. Deve ser entendida, pois, nos aspectos intercruzados da memória mítica, social, inscrita em práticas e da construída pelo historiador.”  MARIA DO CARMO LANNA FIGUEIREDO & GLÁUCIA GERUSA DIAS.

 

Extraído de
MELHOR DA POESIA BRASILEIRA EM MINAS GERAIS, O. Seleção e apresentação Sérgio Alves Peixoto.   Joinville, SC: Sucesso Pocket, 2002.   132 p.   10x17 cm. 

 

DAS NUBENTES

 

é certa

a espessura do anel

em que já me terás

devida

 

conheces

a mesura do gesto

com que me deixarás

despida

 

já sabes

como amainar-me o medo

por que me tomarás

castiça

 

então

vais dedilhar-me o pêlo

e assim tu me farás

macia

 

depois

vais me cobrir a pele

e em fúria investirás

aríete

 

até

que romperás a porta

em água de batismo

eu pia

 

enfim

descansarás teu gozo

eu joia desdourada

em cio

 

(O sacro ofício)

 

 

 

Página publicada em janeiro de 2014


 

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar