Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


MÔNICA DE AQUINO

Foto: www.armadilhapoetica.com

 

MÔNICA DE AQUINO

 

 

         Nasceu em Belo Horizonte, Minas Gerais, em 1979. Colabora com suplementos literários de Minas Gerais. Publicou o livro de poemas Sístole (2005).

 

“No livro Sístole, com 35 poemas divididos em 4 partes (“Ponto-cego”, “Extra-sístole”, “Fibrilação” e “Refluxo”), Mônica de Aquino transita com suavidade pela concisão, oferecendo ao leitor versos delicados, sensíveis e repletos de musicalidade.

 

Com um lirismo encantador, Mônica seduz os leitores com versos como ( "Agora desabotoa-me a pele/atravessa-me/Veste-me teu corpo/de seda e silêncio").  Marcel Alan (2007)

 

 

Estreito labirinto

de memória.

Carícia em cadáveres

insones.

 

Culto de esqueletos

na negação

da pedra.

 

                                                  Sístole (2005)

 

 

Sopro e sono

no cais do corpo.

Relógios úmidos.

Sístole

diástole

contagem regressiva:

 

explosão esquiva

dispersão e números

vapor no prazer

que é véspera.

 

Amor

sem ponteiros.

 

                                                                                                       Ibidem

 

 

Não mais a faca cega do desejo

o corpo cego rente ao tato.

És, agora, noite abstrata

que disseco

com a lâmina da língua.

Se te ausentas em minha cama

subjugo-te a uma fome outra sem face

estreito -quase-pouco

no livor da fala

uso-te:

câmbio clandestino

sensações pensadas.

 

Às vezes, escolho amar-te.

                                                          Ibidem

 

 

 

Rasgos

no acaso:

o olho

espreita.

aceita.

 

Rasgos

no afago:

o olho

acolhe.

Acusa.

 

Rasgos

no espaço:

o olho

camufla

Condena.

 

Rasgos

na senda:

o olho

expõe

e escolhe.

 

Rasgos

na série:

o olho

recusa.

Arrisca.

 

Rasgos

na vida:

o olho

se fecha.

Perscruta.

Ibidem

 

 

 

Poemas extraídos do
SUPLEMENTO CULTURAL DE SANTA CATARINA
JUL. 2014  ISSN 2318-3063  [ô catarina] p.

 

 

José adotou a dor como método:

 

para curar um problema

que se fez carne, entranhado

colocava todo dia

uma pedra no sapato —

assim mesmo, sem metáforas

ou meios-termos: era homem de atos.

 

A dureza da pedra — e da técnica

mantinha em José o foco

a alma sóbria

a mínima cicatriz como aviso.

 

(José, quando ainda jovem

- habitou o calor do norte

e teve amigo matador—     

ex-matador, na verdade

do tipo que extirpa o mal

pela raiz:

decepou o próprio dedo

para vencer o gatilho.)

 

Aos poucos a pedra gasta

a pedra assimilada

fez-se corpo pele lastro.

 

 

O pai encantava abelhas

 

Discreto alienígena

no reino do ruído negro amarelo

a tela grossa sobre o rosto.

 

Levava fumaça branca

silêncio branco

a roupa branca

 

e com precisão de lâmina

de incisão que não sangra

rente bem rente ao favo

sem luvas, colhia o mel.       '

 

Trazia nas mãos o doce

e as picadas vermelhas

que conta serem abelhas

na defesa do excesso.

 

A conta de abelhas mortas.

 

Mas ele ignora a dor -

ou cede a pele de cera.

 

A filha é que se assusta

com os perigos do pai

    [com esta flor descoberta

 

com a mão que extrai doçura

de tantas colmeias secretas.

 

 

 

 

Página publicada em dezembro de 2009; ampliada e republicada em julho de 2014

Voltar para o Topo da Página Voltar para a Página de Minas Gerais

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar