Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MARCO ANTONIO DE MENEZES

 

Extraído de

SUPLEMENTO LITERÁRIO DE MINAS GERAIS. Belo Horizonte, MG: Imprensa Oficial do Estado de Minas Gerais, Maio/junho de 2017 – Edição no. 1.372.    Ex. bibl. Salomão Sousa

 

MARCO ANTONIO DE MENEZES, POETA

 

Por HUMBERTO WERNECK

 

Mineiro de Ouro Preto, Marco Antônio de Menezes (1941-1991) foi ligado, em seus anos de formação, a uma vasta federação de talentos espraiados pelos mais diversos territórios das artes. Escritores como Ivan Angelo e Silviano Santiago, que na segunda metade da década de 1950 editaram em Belo Horizonte os quatro números da revista Complemento. Gente de teatro, como Jota Dângelo e Carlos Kroeber, fundadores do fecundo grupo Teatro Experimental; da dança, como Klauss Vianna; das artes visuais, como o crítico e cineasta Olívio Tavares de Araújo. Não poucos foram também jornalistas, e vieram a constituir, em São Paulo, as primeiras equipes ao Jornal da Tarde, que, lançado em janeiro de 1966, haveria de revolucionar, no texto e no visual, a imprensa diária brasileira.

Desse time de transplantados fez parte Marco Antônio de Menezes, que, ao deixar Belo Horizonte, em 1968, interrompeu promissora carreira no teatro. Para o Teatro Experimental, tinha dirigido O Escurial, de Ghelderode, A História do Zoológico, de Albee, Cena a Quatro, de lonesco, os dois Atos sem Palavras e Krapp's Last Tape, de Beckett. Ao lado de Olívio Tavares de Araújo, concebera Fáber, espetáculo de vanguarda encenado em 1964. Dois anos mais tarde, costurou versos de dezenas de poetas na montagem de Não: Poesia Para.

A poesia, exatamente, ficaria sendo a face menos conhecida de Marco Antônio de Menezes — embora, hoje se sabe, tenha permanecido fiel a ela até o final da vida, sem publicar, mas cuttivando-a em surdina. Ele foi, avalia Olívio,"um excelente poeta de estirpe drummondiana". Um quarto de século depois de sua morte, o Suplemento Literário de Minas Gerais teve acesso a originais conservados pela família, e, entre os escritos mais curtos, selecionou cinco poemas para, finalmente, trazer à luz amostras do talento também poético de Marco Antônio de Menezes.     

 

 

O GATO

A dália farta, o dente na espessura
da calma conquistada, do prazer.
E essa agulha na testa, perfurando
o que não pude ser, nem mais serei.

No meu cenário pronto, o medo borda
sua trama de fome, repetida.
Abri, porta por porta, os equilíbrios
e as réguas do convívio. Me trancava.

O medo permanece. Em cada canto,
é o domador do que não sou domável.
Entra pela janela vespertina
quando mergulho aonde me devolvi:
o quarto em que refiz a antiga cama,
silêncio e sol da infância, quase a mesma
serenidade. Os cães trancados fora.

E me fecho a este sol, a esse eterno domingo,
e fico, em frente à flor, de um aço sem olfato.
Eu expulsei os cães, mas permaneço um gato,
de bigodes em pé, pupilas vigilantes
e um salto, a cada ameaça de visita.

  

PLANTA

Fecho as portas e as rimas. As ruínas
ainda traçam teu corpo em meu futuro,
o espaço onde vivemos, o ar maduro
em que teu coração de carne vibra.

Onde enterrar, amor, esse fantasma,
como se enterra um braço ou um tesouro,
sementes de risadas, de besouros
que não seremos nós, mas terão asas?

Deposito nos versos a peçonha
que a terra não aceita, com vergonha
de não saber a fruta da flor morta?

Ou fujo à morte é nesses epitáfios,
reacendendo os ossos do passado
para marcar meu nome em tua porta?

 

AMOR

 

Canção.
Longe daqui,

sem a mancha das letras.

 

Música.

Provisória, trêmula
no ar.
Entre dois.

 

Luz

mais luz que amores

feitos

de letras.

 

Cristal

que acorda a pedra
do silêncio.

 

Futuro

germinando no ímã
do desejo.

 

 

AUTOCRÍTICA

 

As sementes

já são maravilha bastante.
Além de que florescem,
tentam nossos dentes,
tornam-se nossa carne
e outros frutos mais simples.

 

 

O ESPELHO

 

Eu lembro.
É o que me custa
afiar a crista justa
entre nadar
e o nada.

 

Só busco

o verso avesso teu, leitor, o leite exato

que nem deito

no teu: está neste teu prato

de busca, igual à minha,

pela mama

que nos reconcilie madre e drama
(perduramos, ao sol,
sofrendo, um só momento).

 

Sofrer também é âncora,
viagem.

Memória (a crinolina rota
de viver-me, o filme que revelas)
contém, além do sol, este retrato
em que rimo, te espelhas.

 

O que ficou

guardado na gaveta da lembrança

(tão exata que às vezes se confessa

mais vazia que os passos esperando)

é uma estrada

que ainda não abri.

Ali não somos nada,

somos tudo,

a morte e seu veludo.

 

 

 

Página publicada em maio de 2018


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar