Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

POESIA MINEIRA
Corrdenação de WILMAR SILVA


LUIZ RUFFATO

LUIZ RUFFATO


Nasci em Cataguases (MG), em fevereiro de 1961, filho de um pipoqueiro e de uma lavadeira. Sou formado em Comunicação pela Universidade Federal de Juiz de Fora (MG). Já fui, nesta ordem, pipoqueiro, caixeiro de botequim, balconista de armarinho, operário têxtil, torneiro-mecânico, jornalista, sócio de assessoria de imprensa, gerente de lanchonete, vendedor de livros autônomo e novamente jornalista, profissão que exerço atualmente em São Paulo, onde moro há dez anos. Publiquei dois livros de contos, "Histórias de Remorsos e Rancores" (1998) e "(os sobreviventes)" (2000), ambos pela Boitempo Editorial, de São Paulo. Tenho um livro de poemas inédito, "As Máscaras Singulares".

 

MAIO

o despertador marca
o minuto perdido
por entre os dedos
na mão fechada.
o despertador marca
o movimento contínuo
da passagem das nuvens
da morte inadmissível
das rosas e do sol
que se multiplica
geometricamente entre as
folhas dos pinheiros
o despertador marca
principalmente o caminho
da solidão percorrida
nas conversas modorrentas
após o almoço em família
frente à televisão
o caminho da solidão
percorrido pela fumaça
do cigarro que se
evola incondicionalmente
em direção às nuvens
o despertador marca
o minuto contido
e o peito opresso
na varanda
no quarto no quintal
o despertador marca
os limites da solidão
atravessada na garganta
doída na raiz do dente
enfiada — dedo —no ânus
a solidão implacável
que desce como um guerreiro
medieval em minha direção
neste domingo de maio
em minha casa


O RIO APASCENTA A NOITE
(segunda versão)

à noite o rio
se torna de vidro.
como uma serpente
digere a escuridão
e não mais se move
e o barulho que se ouve
é apenas o eco do bater
de suas águas
nas pedras
o dia inteiro
e o som não consegue se desvencilhar
da barreira formada pelas árvores e touceiras de capim
de suas margens
mas mesmo tendo certeza de sua paralisia vitral
ouvimos o som monótono
e ao mesmo tempo fluídico
que se labirinta pelos nossos ouvidos
e nos faz parte dele.
a noite torna-se morta
passo
a
passo
a cidade se esvai pelos poros
das janelas e portas das casas ribeirinhas
a noite agoniza
perde sangue
assassinada pelo punhal da lua amarelo-
laranja que se descortina por detrás das
nuvens
deixando-nos apenas antevê-las
                                                               adivinhá-la
encapuçada.
neste
rio lanço
a pedra fundamental
de minha sepultura.

Extraídos de POESIA EM MOVIMENTO – ANTOLOGIA, org. de JORGE SANGLARD. Juiz de Fora, MG: EDUFJF, 2002.  224p. 

Luiz Ruffato

De
Luiz Ruffato
AS MÁSCARAS SINGULARES
 São Paulo: Boitempo Editorial, 2002
ISBN  85-7559-016-2

 

II

Habitam as sombras a cidade que habita
um corpo que nela habita num momento, esse.
A cidade retornar é diverso de nela
permanecer, mesmo que em pensamento.
Volver: nas ruas subsumir a própria face
espelhada. Estar no porão da cidade todo
tempo: ela mesma reconhecer-se, objetos
olvidados na memória reordenar. Os olhos
de Medusa enfrentar e torná-la pétrea.

V

Onde quer que estejas, em teu país
ou em outro, és estrangeiro: ninguém
tua língua compreende. Só, o deserto
de estranhas veredas percorres.
Conservas, no entanto, dos primeiros anos
o albor, quando tua cidade, madrasta e mãe,
teus sonhos na noite fresca velava.
A grande mão que afagou-te esmaga o peito agora.
Ah! Somos apenas o que somos. Apenas.

 


Voltar à página de Minas Gerais Voltar ao topo da página

 


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar