Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

JOSÉ OITICICA
(1882-1957)

 

José Rodrigues Leite e Oiticica (Oliveira, Minas Gerais em 22 de julho de 1882 — Rio de Janeiro, 30 de junho de 1957) foi um professor, dramaturgo, poeta parnasiano e filólogo e notável anarquista brasileiro. Foi membro da Fraternitas Rosicruciana Antiqua, estudou Direito e Medicina, não tendo concluído nenhum dos dois cursos em favor do magistério e da pesquisa filológica. Foi vegetariano. No plano político foi um dos grandes articuladores da Insurreição anarquista de 1918 que inspirada pela Revolução Russa pretendia derrubar o governo central na capital do país.

 

ANARQUIA

Para a anarquia vai a humanidade

Que da anarquia a humanidade vem!

Vide como esse ideal do acordo invade

As classes todas pelo mundo além!

 

Que importa que a fração dos ricos brade

Vendo que a antiga lei não se mantém?

Hão de ruir as muralhas da Cidade,

Que não há fortalezas contra o bem

 

Façam da ação dos subversivos crime,

Persigam, matem, zombem... tudo em vão...

A ideia, perseguida, é mais sublime,

 

Pois nos rude ataques à opressão,

A cada herói que morra ou desanime

Dezenas de outros bravos surgirão.

 

OS SERINGAIS


Longe, na vastidão do Amazonas enorme,
Crescem, fartas de seiva, as héveas colossais!

Terra grande e ignorada, onde a guariba dorme
E uma raça de heróis percorre os seringais.


Florestas, rios! Sempre o verdor uniforme
De matas e o fulgor de águas plenas e iguais...
E ninguém que proteja essa terra e a transfore,
Fazendo-a, terra sã, produzir muito mais.


Escravo da savana, infernado da Hileia,
sem destino, sem pão, sem leis, sem lar, sem trato,
Trabalha o seringueiro, estranho ao seu país.

É o drama silencioso, a remota epopeia
Do povo do sertão que, no Brasil ingrato,
Vive desamparado, oprimido e infeliz.

 

 

A VIGÍLIA

 

Eu vigio; eu observo a luz da Treva!
Eu quero penetrar-te, ó Lei da lei!
Sou a aranha da Teia real, primeva...

Fios da teia, um dia os quebrarei.


Vivo como os caídos filhos de Eva,
Sem saber quando me levantarei...
Mas confio na Roda que me eleva,
Nas sete vidas do meu Agnus Dei.

 

Viajo o teu Corcel e afio a espora,
Ó Pensamento, ó grande domador!
Quem não vigia, não vê tudo e ignora.

 

Dormir é a tentação o pecador...
Ó Treva, enche os meus olhos como agora!
Não poder ver é toda a minha dor.

 

 

POESÍA ANARQUISTA
Coordinación de OMAR ARDILA

 

TEXTO EN ESPAÑOL- TEXTO EM PORTUGUÊS

 

ANTOLOGÍA ANARQUISTA ... siglo XXI. Selección, prólogo & reseñas de Omar Ardila.  Bogotá: Un Gato Negro Editores, 2013.    191 p. ‘    ISBN 978-958-46-24-89-5  Ex. bibl. Antonio Miranda

 

EL MERECIMIENTO

 

Tengo callos en las manos y campos de maíz en el alma

Siembro y cosecho para mis hermanos

Mi premio es merecer en mi mano

Ver a todos con menos dudas y más saludables

 

Feliz quien aunque a tientas exalta
Las llagas de otros con piadosas manos

Y        sacando de sí da fuerza y calma

A la inercia y el malestar de los hombres vanos.

 

En medio de la subida eterna y ruda
Bendito quien tiene brazo para levantar
Gloria al que me levante por virtud!

 

E infeliz el que viendo a alguien sufrir
Pudiendo socorrerlo no lo ayude

Y pase, indiferente a su deber.

 

 

O MERECIMENTO

Tenho calos nas mãos e searas na alma.

Semeio e colho para os meus irmãos.

Meu prêmio é merecer e minha palma

Ver todos menos dúbios e mais sãos.

 

Feliz de quem, tateando embora, enxalma

Chagas alheias com piedosas mãos

E, tirando de si, dá força e calma

A inércia e ao mal estar dos homens vãos.

 

No meio da subida eterna e rude,

Bendito o que tem braço para erguer,

Glória ao que me levante por virtude!

 

E infeliz do que, vendo alguém sofrer,

Podendo socorrê-lo, não o ajude

E passe, indiferente ao seu dever.

 

LA RONDA HEROICA

 

Por la santa anarquía - ideal humano -,
Una vez más la cárcel traspasé...

Yaquí en éste cubículo tirano

A los míos doy mi perdón, como Jesús

 

Sé que a través de mucho desengaño
Nosotros ensangrentamos nuestra cruz

Y solos debemos transformarla año tras año
Del leño infame a la antorcha que conduce

 

En España, heroico, el estandarte anarquista

Veo en cada trinchera delinear

Señalando al mundo el rumbo de conquista!

 

Con los ojos en él me postro a rezar

Y poco a poco va surgiendo ante mi vista
La ronda de sus muertos a cantar!

 

 

A RONDA HERÓICA

 

Pela santa Anarquia – ideal humano –,

Mais uma vez, o cárcere transpus...

E aqui, neste cubículo tirano,

Aos meus dou meu perdão, como Jesus.

 

Sei que, através de muito desengano,

Temos de ensanguentar a nossa cruz

E transformá-la, sós, ano após ano,

De lenho infame em tocha que conduz.

 

Na Espanha, heroico, o lábaro anarquista

Vejo, em cada trincheira, trapejar...

Aponta ao mundo o rumo da conquista!

 

De olhos nele, prosterno-me a rezar...

E, aos poucos, vai surgindo, à minha vista,

A ronda dos seus mortos a cantar!

 

 

Página publicada em agosto de 2015; amplida e republicada em out. 2018.


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar