Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 





Apropriação Neoísta 1, José Aloise Bahia, MG, Brasil, 2005


JOSÉ ALOISE BAHIA

 

 

POEMA PARA DONIZETI ROSA
José Aloise Bahia 

 

 

        Vai poeta, a sua mão direita representa

                                   o rosto da América Latina

                                   a sua mão, poeta, colore os olhos

                                   do Brasil

                                   a sua rebeldia, poeta, agita

                                   aquele sonho cheio de estrelas

                                   na bandeira de Minas Gerais.

                                   Eu nunca tinha visto Dom Quixote

                                   em vida, somente em livros.

                                   Vai poeta, mover os moinhos de braços                                    abertos e mostrar que o grito dos excluídos,                                    Che, Tiradentes, Cristo e a liberdade ainda

                                   que tardia são pavios curtosem veias abertas. 

                                   Vai poeta, estancar o sangue das batalhas e conquistas

                                   poeta, liberta o mundo de sua liquidação opressiva.

                                   Consciente, poeta, o seu sorriso imortal renasce

                                   em lutas - vale de lágrimas num oceano iluminado. 


********

                      VEJA TAMBÉM (EM PDF) O POEMA "UM OUTRO EXERCÍCIO ESTÉTICO"



homem despido

Nos porões das famílias, bisavôs, avôs, tios, pais e filhos encontram-se em versos que não se cansam de ouvir. No rola mundo, a fragilidade da honra é digna de um jardim botânico, onde moram ipês, lembranças, . palmeiras, choros, alecrins, risadas e a rosa do povo, nua. Abrigos e remédios para curar qualquer doença contagiosa.  


 

SONETO  

Eu, olho-me no espelho oval da parede,

Procuro detalhes desta minha presença.

Tento achar em minha verdadeira aparência

Ainda atraente, sentir algum contentamento

No limiar da idade estampada no rosto:

Sutilezas, algum sulco ao redor dos olhos,

Que faz·o corpo pedir azul kleiniano e branco,

Deixando-me satisfeito, na expectativa, entregue.

Mas não pensem que é uma mudança radical

O que se passa em minha proposta pessoal,

Esta tentativa de ficar mais jovem e refeito,

Bonito pra mim mesmo. Prestem bem atenção:

A razão suficiente da minha imagem refletida

Demonstra o prazer em vestir as cores do céu.  



nada é concreto

Na poesia, as palavras não são apenas lirismos. Às vezes observamos ou nunca queremos espreitar, nos desdobramentos, a melodia da investi da. O som da ousadia que tenta ligar coisas inimagináveis e impossíveis. Um enigma, que faz abrir a porta, pelo sopro do verbo, um imenso quarto escuro: o pomo de partida, nada.

 

Extraídos de: PAVIOS CURTOS. Belo Horizonte: Anome Livros, 2004.  91 p.


 


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar