Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

DOMINGOS PAOLIELO

 

Domingos Paoliello (Muzambinho, 23 de dezembro de 1925 — Jundiaí, 14 de abril de 2001) foi um economista, tradutor e poeta brasileiro.

Era filho de Camilo de Lellis Paoliello e de Eponina Magalhães Navarro Paoliello (neta do segundo Barão de Cabo Verde), irmão de Adhemar Paoliello, de Greenhalg Parnaíba Paoliello, sobrinho materno do grande poeta mineiro, Pedro Saturnino Vieira de Magalhães e primo em 1º grau da, também poetisa, Oneyda Paoliello Alvarenga - patronesse da Discoteca do Centro Cultural São Paulo, a "Discoteca Oneyda Alvarenga".
Fez seus estudos preliminares no Liceu Municipal de Muzambinho, instituição criada por seu avô materno, o Cel, Francisco Navarro de Moraes Salles. Graduou-se em economia, atuando profissionalmente nessa área, na Caixa Econômica Federal.
Amante das línguas, era profundo conhecedor de alemão, inglês, francês e japonês, havendo composto, em caráter privado, também nesses idiomas. Foi tradutor de alemão da revista Humbold. Grande admirador da música erudita, tinha nela a sua complacência.
Residiu, por quase toda a sua vida, em Jundiaí.
Era membro do Clube de Poesia de São Paulo, do Pen Club de São Paulo - 1968 e da Academia Jundiaiense de Letras - 1985, cujo patrono da cadeira de numero 25, daquela Academia, é o seu tio materno, o poeta Pedro Saturnino Vieira de Magalhães.

Livros publicados: Penumbra Murmurante – 1951; Caminho de Homem – 1952; Poemas do Limbo – 1956; Poemas Inauguraes1957; Batedores ao Vento – 1967; Secreto Exame – 1979; Poemas de Sazão – 1980.  

Biografia: Wikipedia

 

 

CAMPOS, Milton de Godoy.   Antologia poética da Geração 45.  São Paulo:
Clube de  Poesia, 1966.   207 p.  16 x 23 cm.   Ex. bibl. Antonio Miranda

 

                TRAJETÓRIA

Da murmurante penumbra
que me envolve, emerjo e sigo
o meu caminho de homem.
A luz me fere e deslumbra:
seus dioramas persigo
sombras de novo me comem.

O contrabando prático
de turvo ou claro tecido
molhado de sangue cálido.
Pobre de bens por vir, fico
de bens perdidos, vencido
tombo entre escombros e pálido
em frente ao país antigo
vislumbro o país futuro
que a musa alça aos espaços...
Do limbo erguendo-me sigo
transpondo o mais alto muro
levando a musa nos braços.

 

 

       ASPIRAÇÃO

       Ó alto e isento Azul
desta cruel manhã de abril
a nada mais aspiro
que tua altura e isenção

Jamais a lágrima frágil
o suspiro ridículo
o soluço infecundo

Nenhum consolo
a não ser o da certeza acerba
de mais alto e puro
desespero.

 

 

 

Página publicada em agosto de 2020

               


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar