Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

João Scortecci, Lygia Fagundes Telles,

Cicero Acaiaba, Antonio Cassimoro Silva (sentados),

na homenagem na UBE aos 80 anos do poeta.

 

Fonte: www.joao.scortecci.nom.br

 

CÍCERO ACAIABA

 

 

Nasceu em Cambuquira, Minas Gerais, em 1925. Poeta, contista, novelista, jornalista, professor, presidente da Academia Varginhense de Ciências, Letras e Artes (1971/79), membro da UBESP, prêmio do Concurso Literário Luso-Brasileiro, Portugal (1967).

 

Fonte:COUTINHO, Afrânio; SOUSA, J. Galante de. Enciclopédia de literatura brasileira. São Paulo: Global; Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, Academia Brasileira de Letras, 2001: 2v.

 

 

O ANJO

 

Vem até mim

silencioso

olhar do anjo.

E fico imóvel

para seu pouso

e sua posse.

Ele caminha,

secreta nuvem.

Estou calado

até que roce

a alma sozinha

a alma que espera

vê-lo a meu lado.

Mas, invisível,

o seu sorriso

é apenas friso

no azul da face.

Então o vento

por um momento

passa nos lábios.

E o pensamento

em mudo impasse

repete os versos

como se o anjo

por mim falasse.

 

 

 

SONETOS. v.1.Jaboatão dos Guararapes: Editora Guararapes EGM, s.d.  154 p.  16,5 x 11       cm.  ilus. col.  Editor Edson Guedes de Moraes. Inclui 148 sonetos de uma centena de poetas brasileiros e portugueses.  Ex. bibl. Antonio Miranda



 

 

 

 

De

A ÚLTIMA ELEGIA

E 30 NOTURNOS DE MINAS

São Paulo: João Scorteci Editor, 1987.*

 

 

A PRIMEIRA ELEGIA

 

Era um córrego de passarinhos

e nuvens.

Tinha a mão de mármore

crispada como árvore

seca.

Sonhava-se de infância e morrer

bastante.

Tinha o silêncio da água

vasando o sono da pedra.

Sob o nimbo da tarde

à margem de um caminho

frágeis fisionomias;

e nas frestas dos dedos

cresciam relva e tempo.

Era a primeira elegia.

 

 

ELEGIA (V)

 

O pássaro

não morre:

muda as penas

do canto,

e voa

em surdina

o céu subterrâneo.

 

 

ELEGIA (IX)

 

Contemplou o dia murchando

Recolhido em sua própria sombra,

e o que via na fímbria lívida das montanhas

era o pulsar da saudade. Ah, como se morre

com tantas nuvens ricas de sol, com tanto pássaro e no espaço

aberto de par em par até o horizonte,

com esse azul de pétala orvalhada!

Mas de repente as árvores ficam imóveis,

como um rio de branco sussurro espraia-se o rebanho,

e bem longe se ouve na capela

a gangorra dos sinos.

Tudo se resumia no silêncio

de uma estrela maior fincada na areia do céu.

A tarde morreu de manso,

tão de manso

o vendo acende as luzes com tênue sopro.

 

 

ELEGIA (XVIII)

 

Morrer é isto:

 

um esquecimento profundo

de que havia o céu,

e talvez tenha havido o mundo.

 

 

ELEGIA (XXI)

 

A tarde é bom de se morrer:

as cores embranquecendo,

os sons não mais que um aceno,

e longe

a primeira estrela

nascida das sombras.

 

 

ELEGIA (XXVI)

 

O quarto: dorme a insônia do defunto.

Na janela impassível a cortina,

roca do vento. Sob a cama, junto

a sapatos cansados, traça a urina

recente nódoa escura. Quarto proibido,

trancado sempre à espera do seu dono;

que às vezes volta à noite impressentido

e arrasta sombra t´úmidas de sono.

Na parede de cal muito mais fria

e branca, sonha em cômoda moldura

a longínqua, feliz fotografia.

E estendida no assoalho a tessitura

do tapete empoeirado — qual lagarto

vigiando o medo alma servil do quarto.

 

 

NOTURNO (XII)

 

O trem atravessava a noite,

Estremecia seu doído longo apito

o coração menino.

Os móveis do quarto estreito

Cresciam no silêncio úmido da casa

e eram fantasmas

só rosto

à luz difusa das vidraças.

O único afago

Vinha em remanso de um sono cansado,

a nesga de lua bordada entre nuvens,

e o canto dos galos

— degraus de uma escada

subindo até a madrugada.

 

 

NOTURNO (XIV)

 

No quarto de paredes azuis

a noite se enreda de surpresa;

o espelho é a única luz que resiste na penumbra,

e decerto meus olhos pensativos

vão também escurecendo devagar.

Quando dou conta de mim estou em outro tempo,

no reino encantado de outrora,

e a sombra de uma árvore

tão doce quanto a saudade materna

se alonga em meu corpo, protetora.

 

 

*Extraídos de um exemplar do livro

 

Página publicada em janeiro de 2008. Ampliada em julho de 2018


Voltar para o Topo da Página Voltar para a Página de Minas Gerais

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar