Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 
 

ALMEIDA COUSIN

(1897-1991)
 

José Coelho Almeida Cousin nasceu em Sacramento, no Estado de Minas Gerais, a 15/12/1897. Filho de Leão Coelho de Almeida e de Maria Sebastiana Alves Moreira Coelho de Almeida. Poeta, trovador, cronista, ensaísta, crítico, jornalista, farmacêutico, advogado. Aprendeu as primeiras letras com a avó francesa, Victorine Cousin. Cursou o Ginásio Mineiro, em Belo Horizonte e o Colégio Pedro II. Formou-se em Farmácia, pela Universidade de Ouro Preto (1920) e em Ciências Jurídicas e Sociais, em Vitória, capital do Espírito Santo, em 1936. Foi empregado de fazenda, balconista, escriturário, farmacêutico. Na década de 30, foi redator da revista "Vida Capixaba" e colaborou em vários órgãos da imprensa do Espírito Santo. Mudou-se para o RJ onde militou nos meios jornalísticos e como professor de História do Colégio Pedro II. Foi catedrático de Química Analítica da Faculdade de Farmácia e Odontologia de Vitória, no Ginásio do Espírito Santo. No Liceu "Nilo Peçanha" em Niterói. Lecionou História e foi professor de Literatura no curso complementar Pré-jurídico. Membro do Pen Clube do Brasil, do Instituo Histórico e Geográfico do Espírito Santo, que em sua homenagem, criou o prêmio "Almeida Cousin" e dedica-lhe hoje uma Coleção Almeida Cousin, de livros de poetas capixabas. Foi correspondente de várias entidades culturais. Publicou teses de concurso, crônicas, ensaios e conferências. Faleceu no Rio de Janeiro, em 11/03/ 1991

Obras publicadas: "Itamonte" (epopéia brasilista) - Pongetti, Rio de Janeiro, 1932 e 1958; "Naufrágios" ( poemas), Vitória - 1937 e 1984; "O amor de Dom Juan" (poema lírico)- Vitória, 1938; "Odes de Anacreonte" (original grego e tradução, duas edições Pongetti e Livros de Ouro) 1948, 1966 e 1983; "Poemas da terra e da vida", Pongetti, Rio de Janeiro (poesia) 1956; "A sagração da mulher" 1958; "Cartões a Lálace" 1932 e 1984; "Lições de Química" 1937; "Primeiros estudos sobre a Matéria Corante da Ipoméia Roxa -suas relações com o PH" (monografia) 1934; "A Olioca, combustível espírito-santense" ( tese apresentada ao 2º Congresso Brasileiro e ao 3º Congresso Americano de Química) 1937; "O cristianismo em face do Império Romano e questões relacionadas com o ensino de História" (tese de concurso) 1930; "Influências políticas e econômicas na literatura" (tese) 1939; "Os baixos dos Pargos, primeiro limite do ES", Cátedra, Rio de Janeiro, 1975; "Memórias de cem anos"- 1975; "Cartas Antigas" ( poesia) 1976; "Troveirinho" 1979; "Cem anos de memórias" 1975; "Meu livro de crianças" 1980; "Aiamor" (contos) 1986; "História panorâmica da literatura" - Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo, Vitória-ES; "Idos vividos", Cátedra, Rio de Janeiro,1983.

FONTES: COUTINHO, Afrânio e Souza, J.G de (dir) Enciclopédia de Literatura Brasileira RJ FAE 1990; ELTON, Elmo. Poetas do Espírito Santo Vitória FCAA, UFES, PMV 1982 ELTON, Elmo. Academia Espírito-santense de Letras 1987; A Poesia Espírito-Santense no Século XX, organização, introdução e notas de Assis Brasil,1998.
Biografia extraída de
http://www.poetas.capixabas.nom.br

 

COUSIN, Almeida.  O Amor de Don Juan.  Escripto em 1929. Impresso em 1938.   Victoria, ES: Off. Da “Vida Capixaba”, 1938.  32 p.  ilus.  13,5x18,5 cm.   Silhueta por Zampaio.  Ex. Biblioteca Nacional de Brasília, doação de Dicamor Moraes. 

 

(fragmento)

Agonisa Don Juan. Languido e ousado,
Canções na bocca, ou a pluma ao vento e a espada ao lado,
Gastára o seu quinhão de aventuras e amores.
Desfolhára ao desdem as capellas de flores;
Desatára, a tremer, os véos brancos das noivas
E á propria morbidez das olheiras que engoivas
— Ó ascetismo da mona! — Elle trouxéra um beijo...

Nada fôra sagrado ao seu doido desejo!
Surprehendia balcões em noite enluarada
E á dama que sonhava, em ésluos, mal velada,
Assaltava, cravando um beijo e

ntre os dois seios...
Delia, lento e langue, o pudor e os receios
E, assim como um ladrão, na alcova a meio lume,
Abria, suave, rindo, os céslos do ciúme.
La fora o rouxinol, seu cumplice gemia.

(...)

 

Página publicada em março de 2017



 
 
 
  Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar