Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 

ELMANO SOARES

 

 

(Santos, 1894 — Lagoas, 4 de setembro de 1938) foi um jornalista, poeta e político brasileiro. Elmano Soares (Santos, 1894 — Três Lagoas, 4 de setembro de 1938) foi um jornalista, poeta e político brasileiro.

Filho de Joaquim Soares, transferiu-se para a cidade de Três Lagoas no ano de 1916. Esposo de Lídia Soares; não tiveram descendência.

Dono de personalidade forte e de caráter íntegro, seu sonho era de possuir seu próprio jornal. Assim, em 10 de outubro de 1920, com Bernardo de Oliveira Bicca, editou o primeiro número da Gazeta do Comércio. Elmano Soares desempenhava a função de redator-chefe, tendo feito desse órgão de imprensa, publicado semanalmente, um dos mais conceituados da região do leste do sul matogrossense e do oeste paulista.

Devido a seu temperamento e a sua dura maneira de escrever, foi muitas vezes perseguido políticamente, tendo de se distanciar do trabalho e do lar algumas vezes por esse motivo.

Foi um dos fundadores da Associação de Imprensa Matogrossense.

Rosário Congro, outro poeta treslagoense, assim se expressou sobre a morte de Soares: "Elmano não deixou ouro nos bancos, mas pérolas, muitas pérolas que são os seus decassílabos. Rude e áspero na polêmica, ele também perlustrava o Parnaso, sabendo sentir as incomparáveis belezas da poesia. (…) Alheio a escolas ou correntes, não era simbolista à maneira do bardo negro, nem parnasiano ou condoreiro, como Olavo Bilac ou Castro Alves, mas fundia os seus bonitos versos com bronze do seu sentimentalismo livre e esvoaçante."

Quando de seu falecimento precoce aos quarenta e quatro anos de idade, deixou cem poemas e sonetos escritos. Sonhava em publicá-los em forma de poemas reunidos sob o nome de "Cinzas," mas isso nunca se concretizou.

Com ele, pôs-se fim ao estilo que dera à Gazeta do Comércio e a um capítulo da história de Três Lagoas. O jornal posteriormente pertenceu a Júlio Mário Abott de Castro Pinto.

Foi patrono da cadeira de número 29 da Academia Sul-Mato-Grossense de Letras.

Biografia: wikipedia

 

 

 

FERREIRA, SôniaChuva de poesias, cores e notas no Brasil Central – história através da arte.  2ª. edição revista e melhorada.  Goiânia: Kelps, 2007.  294 p.  ilus. col.         (antologia de poemas de autores do CECULCO – Centro de Cultura da Região do Centro-Oeste)   Ex. bibl. Antonio Miranda

 

 

 

  A   E N X A D A

 

Humilde e simples, corajosa e dura,
Vais cavando, cavando, prazenteira...
— Para a glória de cada sementeira.
— Para a glória de cada sepultura.

 

Nas mãos do lavrador, és a fartura...
Nas do coveiro, triste mensageira...
E ambos servindo, como companheira,
Dá-lhes felicidade a mais segura.

 

Cantando o teu poema de labor,
Num sacrossanto e divinal transporte,
Mostras à terra o mais ardente amor...

 

E a existência levando nessa lida
— Abrindo covas, tu nos dás a Morte.
— Rasgando sulcos, tu nos dás a Vida.

 

 

 

Página publicada em dezembro de 2019


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar