Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página

Sobre Antonio Miranda
 
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



SONILTON CAMPOS

 

 

Pós-graduado em Direito Civil e Processual Civil. Pós-graduado em Língua Portuguesa Contemporânea. Advogado militante, ex-Conselheiro da OAB/RJ (triênio 1995/ 1997). Licenciado em Teoria e Técnica da Comunicação e em Direito Usual e Legislação Aplicada. Ex-professor de Comunicação Social da Universidade de Brasília. Bacharel em Jornalismo.

 

Em sua escritura, Sonilton Campos, metalingüísticarnente, pergunta-se "Se é que sou poeta" ("0 'não' salvador"), para, depois, responder: "Mas eu que sou poeta" ("O Genoma e eu"). Não temos dúvida da condição de poeta daquele que tange a Harpa Alexandrina,cuja leitura-concerto lembra-me intensamente um epigrama do esteta irlandês Oscar Wilde (1854-1900): " Somente a beleza está protegida das injúrias do tempo. As filosofias se desagregam como as areias, as crenças se sucedem umas às outras, mas o que é belo é uma alegria em qualquer estação, um gozo eterno".”  LATUF ISAÍAS MUCCI

 

Página do poeta: http://www.soniltoncampos.com/

 

 

Amor incomum

 

Vou confessar-te, amada: o meu e o teu destino

definitivamente estão interligados.

Nossa forte união tem quês inusitados,

porque transcende o humano e esbarra no divino.

 

Esse nosso sentir, se bem ou mal defino,

tem o dom de vencer presentes e passados.

É por isso que assim, ambos entrelaçados,

só nos deixamos quando o Sol se põe a pino!

 

Os poemas que compus e entôo à meia-voz,

na alcova de cetim com gregas em debrum,

são o nosso elixir, quando estamos a sós.

 

Perdidos na volúpia, insólita, incomum,

esquecidos do mundo, eu afirmo por nós:

Igual ao nosso amor, não pode haver nem um!

 

O Genoma e eu

            "O DNA humano é decifrado e abre

             nova fronteira na ciência"

            (O Globo, 27.6.2000)

 

Completou-se o Genoma da criatura humana!

Abre-se a cura, enfim, de enfermidades várias,

tais como a obstrução das veias coronárias,

o câncer, a trombose e a Aids desumana.

 

A genética exulta, a ciência se ufana,

pois chegarão ao fim moléstias milenárias.

Mas eu, que sou poeta, tenho voluptuárias

maneiras de aplaudir o fato da semana ...

 

Que o código da vida uma cópia fiel

permita-me fazer de quem eu sou capaz

de amar perdidamente até entrar em coma!

 

Quero provar em dobro os seus lábios de mel,

ter em dobro o calor e o hálito fugaz,

ter dela tudo em dobro ... Alvíssaras, Genoma!

 

 

Mel e fel

 

Brigamos, meu amor, motivo de somenos ...

Às vezes, um tremor telúrico ribomba

sob o meu peito em fogo. A sensatez que tomba

é fruto do meu ser a destilar venenos.

 

Meu coração são dois, e tenho, pelo menos,

um de hiena feroz, outro de mansa pomba.

Naquele, as explosões detonam como bomba,

mas, neste, existe o amor na adoração de Vênus.

 

A Humanidade assim costuma proceder:

ora os dentes rilhando em ódio troglodita,

ora vertendo amor da mansidão do ser.

 

Também humano sou ... E agora que o furor,

que dantes me empolgava, insiste que eu reflita,

passo a ler e reler a cartilha do amor!

 

 

Dia de verão

 

De cima da sacada, olhava o movimento

sobre o barrento rio e o ancoradouro embaixo.

Ouvi, num ramo em frente, uns pios de borracho

chamando pela mãe à espera de alimento.

 

Era verão. Além, um cúmulo cinzento

ameaçava com chuva e vinha serra abaixo

a encobrir o filete argênteo de um riacho,

que refletia o Sol ardente do momento.

 

Eu evitava olhar para o negror em frente

e para o lado esquerdo, enfocando o direito,

onde o céu era azul, quando, subitamente,

 

notei que o lado todo, até então trevoso,

também ficara azul, e o nimbo, já desfeito,

descerrou para mim um céu maravilhoso!

 

 

Soneto redivivo

 

A rima, rica ou rara, a métrica correta,

a idéia desenvolta em trama inusitada

dão ao soneto o tom, a forma acrisolada

que eleva a inspiração ao sonho do poeta.

 

Com isso, o sonetista há de sentir-se esteta,

para tudo encantar, mesmo a partir do nada,

podendo transformar ato heróico em nonada

e até fazer do herege um exemplar asceta.

 

O soneto não morre. Aceita quarentenas,

porque acuado e inerme a gestos de repulsa,

recolhe-se ... Porém, é hibernação apenas ...

 

Quando o empolga o amor e a mística do vate,

ele ressurge inteiro, vigoroso, e pulsa

em versos de diamante do maior quilate!   

 

 

Extraídos de CAMPOS, Sonilton.  Harpa Alexandrina: cinqüenta e cinco sonetos e três traduções do francês.   Rio de Janeiro:  Papel Virtual editora, 2005. 



Voltar para a  página do Distrito Federal Voltar ao topo da página
 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música