Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


CARLOS CUNHA

Extraido de www.guesaerrante.com.br 

 

CARLOS CUNHA


Luis Carlos da Cunha nasceu em São Luis do Maranhão em 18 de maio de 1933, poeta, crítico, ensaísta, cronista, jornalista, professor, graduado em história e geografia, membro da Academia Maranhense de Letras. Autor de muitos livros de poesia, desde o primeiro – Poesia de ontem (1968).

 

 

Punhal da aurora

 

Ainda escuto a fala do meu pai,

iluminando o silêncio de tapeçaria

da nossa casa de telhado verde.

O rio que lavava a ruazinha estreita

não vegetava mágoas.

Ainda escuto a canção da aurora

que tocava o homem do realejo

com seus olhares retos

e o sorriso de orvalho.

Saudade de Maria

com seu olhar umedecido de alvorada.

Muitas vezes, muitas, percorri a rua

carregando sonhos nas mãos inocentes,

brincando com meus irmãos que nesse tempo

eram apenas anjos de porcelana,

num país sem memória.

Hoje que Rominha tem outro nome

e outras as crianças que ali residem,

a perspectiva das casas tornou-se paralela.

Deuses tiranos caminham sobre a lama viva

e os jardins que sorriam,

como as janelas, agora são de nuvens.

 

Como a infância corre depressa

na terra grávida do tempo.

 

Os meus castelos,

já não são fantasiados de papoulas,

mas castelos de vento.

 

Os meus sonhos agora já não têm a cor do gerânio

e o sol que havia no meu olhar

tornou-se uma saudade ancestral.

                         (Cancioneiro do Menino Grande/1972)
  


 

Trovas

Saudade é vaso quebrado,

guardado em maior recato;

é o fantasma do passado

colorido num retrato.

 

Confesso, na mocidade

saudade não ter sentido;

mas hoje sinto saudade

daquele tempo perdido!

 

Saudade traz o perfume

de tudo o que já passou;

a saudade é um vagalume,

resto de luz que ficou.

 

             (In Minha Terra Tem Palmeiras/Clóvis Ramos/1970)

 

 

Condor Ferido

 

             Para Jacimira, minha esposa

 

Eu já fui forte, ousado, destemido,

um rochedo sem medo do oceano,

primavera durante todo o ano

um feliz vendaval sem ser vencido.

 

Eu fui condor, voando distraído,

sem receio ou temor, sem desengano,

conquistei corações qual um tirano,

fui mais forte no amor do que Cupido.

 

Mas, tu chegaste, assim, na minha vida.

E foste entrando, em mim, despercebida,

deitando lá no fundo da minh'alma.

 

Pobre destino o meu, morrer assim:

um furacão vencido pela calma.

Foi tão-somente o que restou de mim.

 

                                        (Areia Velha/1989)


Colaboração de Zenilton de Jesus Gayoso Miranda.

 

CUNHA, Carlos.  Cancioneiro do menino grande. Ilustrações de Genes Soares.  São Luis,MA?: Tipografia São José; Edições Mirante, s.d.  folio dobrado em 8 folhas. ilus. p&b.  Col. A.M.  (EA)



Página publicada em novembro de 2008.
Ampliada e republicada em dezembro de 2013.


Voltar a página do Maranhão Voltar ao topo da página

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar