Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
POESIA GOIANA
ção de SALOMÃO SOUSA

 

XAVIER JUNIOR
 (1902 – 1979)

 

 

Xavier Junior é o nome poético de José Xavier de Almeida Junior, nascido na cidade de Goiás, no palácio Conde dos Arcos, em 1902, quando seu pai era presidente da então província de Goiás. Formou-se em Medicina na Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1927. Clinicou durante 30 anos nas cidades goianas de Morrinhos, Goiás, Caldas Novas, Anápolis e Goiânia. Foi Secretário de Obras Públicas do Estado de Goiás, no período de 1927 a 1930. Aposentou-se como médico da Estrada de Ferro de Goiás. Fundador e primeiro ocupante da cadeira nº 13 da Academia Goiana de Letras, que presidiu de 1953 a 1957. Na sua gestão, mais precisamente, em 1954, coordenou a realização do I Congresso Nacional de Intelectuais em Goiânia, evento que foi um divisor de águas no cenário intelectual goiano, contando com a presença de vários escritores ilustres, entre eles, Pablo Neruda e Jorge Amado. Mais conhecido como poeta, tendo inclusive recebido o título de “Príncipe do Poetas Goianos”. Publicou algumas obras científicas, mas sua carreira literária foi marcada pela publicação, em 1942, do livro A canção do Planalto, que retorna em 2002, em edição da Cânone Editorial, com a mesma composição original, acrescido de alguns poemas inéditos e de alguns textos em prosa reveladores da riqueza de sua formação intelectual.

XAVIER JUNIOR

 

 

A CANÇÃO DO PLANALTO

 

O Torto, como dissemos, é o ponto mais elevado do Brasil. A vista se estende ao longe, dominando colinas e montanhas, rios e florestas. Estamos na linha divisória das águas: as vertentes do norte e do oeste correm para o Tocantins e o Araguaia, as do sul para o Rio da Prata e as de leste para o São Francisco.

Frei Tapie

 

 

Das convulsões telúricas primevas

Brotei, rocha de fogo, enorme e alcantilada!

Quando me aplaino e alargo pelos ermos,

A extensão das campinas que revestem

Meu dorso, como as ondas ao Atlântico,

Desfaz-se no horizonte,

Embebe-se de azul,

Tinge de verde o céu, no indeciso limite...

E o próprio sol, quando agoniza,

 

É uma poeira de ouro,

Para o engano da vista deslumbrada,

Sobre o mistério verde-azul

Do ocaso indefinido.

 

Quando me precipito e dilacero

Em socavões e grotas,

Esses desvãos da minha estrutura vulcânica

Enchem-se de ouro e pedrarias,

Eternizando a lenda do El-Dorado.

Das rugas do meu solo imenso e rico

Nascem caudais buscando o oceano:

 

Ora, pausadas rolam, verdes e tranqüilas,

No leito do Araguaia,

Sereno como um lago

E desmedido como o próprio mar...

Escaldam-se nos crepúsculos

Tropicais,

Iluminam-se na hesitação

Das cores,

Estremecem à luz de todos os matizes,

 

E tênues ou profundas,

Sobre bancos de areia

Ou nos braços de pedra,

Que os travessões tentaculares

Apertam delirantes,

No furor do combate,

E desfazem, de manso,

Exaustos, rasgados, cobertos de espuma...

Prosseguem...

 

Irmanadas no Tocantins,

Glorioso de mais áspero caminho,

Enlaçam a Marajó,

E se misturam na peleja

Ao rio das Amazonas,

Restrugindo, gemendo, esbravejando,

Repelindo a invasão do largo oceano...

E abrem um sulco de doçura

Entre as ondas amargas...

 

Ora, saudando o oriente,

Rumo do São Francisco,

Arrepiadas e trêmulas,

Descem,

Pressentindo o esplendor de Paulo Afonso! 

 

E, em procura do sul,

Torvelinham no Paranaíba...

Vertiginosas e cantantes,

Barrentas e erosivas,

Vão purificar-se

na Cachoeira Dourada,

Envolta na bênção do arco-íris perene...

E da Cachoeira Dourada

Derivam para o Rio da Prata.

 

As águas que se desatam dos meus flancos

Circulam por todo o Brasil.

 

E o sangue de todos os brasileiros

Vem se cruzar dentro do meu sertão.

 

O sertanejo que se afasta

diante da imigração,

Tropeiro, boiadeiro, garimpeiro,

Lavrador ou peão,

Vem para os meus campos,

Vem para as minhas matas,

Vem para as minhas jazidas,

Renovando as bandeiras...

 

Muita ambição se amortalhou

Na areia dourada dos meus rios.

 

E se envolveu muita esperança

No sudário verde das minhas florestas...

 

É o carinho selvagem da terra bravia!

 

Há de passar

Esta fereza primitiva:

Eu deixarei vencer a minha solidão...

 

E o sertanejo vitorioso

Há de abrir aos povos todos do universo

O coração do Brasil,

Deste Brasil tão grande,

Que os seus filhos tiveram

De alongar as bandeiras pelo azul,

 

As asas dominando a imensidade,

A cruz dos aeroplanos

Sob o Cruzeiro do Sul,

Para unir na distância os limites da Pátria!

 

 

ARAGUAIA

 

Plácido curso de água verde-clara,

Mar sem ondas e rio sem cachoeiras,

Quem seus matizes trêmulos pintara,

Do sol às lentas luzes derradeiras?

 

Se do leito surgisse alguma iara,

Lascivo o gesto e as formas feiticeiras,

Quem sabe, aos seus encantos se entregara

O índio que busca as ermas ribanceiras?

 

Dança a ubá sobre a tona, leve e esguia.

O índio, de pé na proa, o arco distende

E sonda o fundo com a mirada fria.

 

A emoção de ferir um peixe enorme

Sacode o corpo todo ao brônzeo duende.

E a noite desce... e o grande rio dorme.

 

 

A CASA CHATA

 

Casa onde nasci...

Velha morada do tempo

do Conde dos Arcos.

 

 

FLAMBOYANT

 

Flamboyant, que ilusória Primavera

Enfeita de esperança e de quimera,

Quase encobrindo a tua idade austera;

Flamboyant, que te elevas paternal!

 

Muita vez, nestes límpidos luares,

Me esqueço, imerso em lânguidos cismares,

Sentindo a leve placidez dos ares,

Embaixo à tua paz de catedral...

 

Vês? À saudade as lágrimas oferto.

Leva-as, leva-as, em seiva, para o incerto

Balanço de teus ramos viridentes.

 

Delas faze uma nuvem que, fugindo,

Voe pelo espaço... e vá, depois, caindo,

Molhar de minha amada as mãos tremente

 

 

 

 

Página publicada em fevereiro de 2009.


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar