Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

VALERIA VICTORINO VALLE

                                         

De Anápolis, Goiás.

 

Valéria Victorino Valle: Escritora, professora, Embaixadora da Paz–Boinas Azuis/ONU, Delegada da Academia de Literatura de Valparaíso Chile, Comendadora da Academia de Letras de Goiás e da Universidade de Santiago/Chile, Letras e Artes, Senadora Cultural da Federação Brasileira dos Acadêmicos em Ciências, Letras e Artes, Acadêmica Internacional da Confederação Internacional dos Acadêmicos das Ciências e membro de várias Academias no Brasil, Buenos Aires e da IWA - International Writers and Artists Association - EUA. Publicações de 14 livros solo e 120 antologias no país e no exterior e detentora de medalhas e prêmios nacionais e internacionais.

Fonte da biografia e foto:  http://rebra.org/

 

 

 

 

V Coletânea Século XXI. Juan Carlos Gomes (Organizador).  Volta Redonda, RJ: Gráfica Drummond, 2014.  124 p.   ISBN 978-85-63913-14-12   Ex. bibl. Antonio Miranda

(Menção Honrosa):

 

 

       

ENCOMIÁSTICA

 

Entre A plumagem dos nomes vislumbramos o tecer literario.

Entre a Estrela-dAlva e a Alvorada caminhamos

na Planicie dos Sonetos do A%ulsem Tempo...

E na Ra¿% da Pala, lemos a Fábula de Fogo

montada no Pássaro de Pedra, trazendo consigo

La Palabra Perdida...

A Poesia é a Arte de Armar,
muitas vezes,em Poemas Reunidos
na Hora Aberta da Saciologia Goiana...

 

E nessa Falavra, nem sempre Nomináis,

moradora da Casa de Vidro,abre-se a Caixa de Fósforos

para uma nova remessa de Melhores Poemas...

 

E entre o Plural das Nuvens e L´Animal,

recriamos sensacionalmente Alibis e Sonetos,

criamos sensivelmente Arabiscos e Improvisuais,

na poesia Linear que maravilhosamente nunca se lineia

e nem se prende a Fugares Imaginários...

 

O que interessa é A Poesia em Gotas

na Retórica do Silencio, na Escriturando da Escrita,

ñas Intencoes do Oficio na Contramargem

e na Vanguarda do Sortilegio da Criando literaria...

 

E, ainda, nas Memorias Entrevistas em Goiás e em outros Discursos Paralelos,

saboreamos o Principio de Prazer e Realidade,
do Goiano Gilberto Mendonça Teles.

 

 

VOZES DE AÇO. XXIII Antologia poética de diversos autores.  Homenagem à     escritora Raquel Naveira.   Org. Jean Carlos Gomes.  Volta Redonda, RJ: Gráfica Drumond, 2021.   104 p.  15 x 21 cmISBN 978-65-86744-31-6
Ex. bibl. Antonio Miranda

 

PERECIMENTO

 

O choro e os gritos dela esvaeceram.
No negrume da noite,
entre o labirinto do sofrer e o enigma da tortura,
Maria desfalece diante do desprezo e da violência.
Não há selo de proteção contra os roxos e as humilhações.
Só medo, dor e amargor
nos dias contados e nas incontáveis lágrimas.
Instaura-se a misoginia,
impera a ferocidade e
executa-se a objetificação feminina.
Naturaliza-se a decrepitude do respeito e ceifa-se a fêmea.
O laço primitivo enlaça a mortificação do viver,
reifica a cidadão e
corporifica o exício da femina.
Seca-se, agora e a todo momento,
o pranto de mais uma Sinhá Sacrificada.


LADEIRA IDENTITÁRIA

 

Da teia poética emerge uma canção cigana
que desvela o feminino no compasso e no laço.

Nessa aventura insana, de asas cortadas,
sou várias mulheres que se completam ao luar.

Surge uma Ismália que contempla o beijo da lua e do mar.
E nesse ruflar de um coração insólito que aperta o peito
bate um temporal ardente e saliente,
uma força de Capitu, algoz de mim,
uma fantástica Bárbara, exigente de luas,
uma Colombia, entre Arlequim e Pierrot,
sempre confusa no talho do desejo.

Só queria ser Maria, guia de mim, por caminhos de Bonfim,
Só queria ser Madalena, pedaço confesso de mim,
Só queria ser Iracema, já que sou Martin,
Só queria ser Rosa, com seu espinho de jasmim,
Só queria ser Carolina, com seu colar carmim,
Só queria ser Teresa, presa na doçura do sem fim...

Mas na eira, na beira e na ladeira sou Sinhá Vitória, Geni e
Severina
nessa sina, acompanhada de poesia pequenina e literatura
água de mina,
e dissolvo-me, serena, como Helena, mais uma das
Mulheres de Atenas.

 

*

 

 

Página ampliada em setembro de 2021          

VEJA E LEIA outros poetas de  GOIÁS em nosso Portal de Poesia:

http://www.antoniomiranda.com.br/poesia_brasis/goias/goias.html

 

 

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar