Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

singrandohorizontes.blogspot.com.br

MATUSALÉM DIAS DE MOURA

nasceu no Córrego dos Coelhos, zona rural de Urupi, município de Iúna/ES,  em 05/06/1959. Advogado, político, homem de muitas atividades.

 

MOURA, Matusalém Dias deMaio. Haicais. Vitória – ES,Cousa, 2016.  124 p.  14x21 cm  capa dura. Prefácio, diagramação e capa: Gustavo Binda.  ISBN 9978-85-637446-72-6   Ex. bibl. Antonio Miranda

 

         Aberta a janela -
       Laranjeira no quintal
       toda em flor.

 

             À sombra da mata -
             Vagaroso riacho a colher
             folhas
secas.

 

                    Envelhece do dia
                    sobre o verde milharal -
                    Neblina prateada.

 

                           Sempre a por do sol
                           Reverenciando a noite,
                           girassol se curva.

 

                                  Casa em ruinas -
                                  Cobre todo o telhado
                                  pé de bucha em flor.

 

MOURA, Matussalém Dias deSonetos. Rio de Janeiro: Edições Galo Branco, 2016.  86 p.  14x21 cm. Apresentação: Anderson Braga Horta.  ISBN  978-85-7749-135-3    Ex. bibl. Antonio Miranda

         "O tom geral do livro é lírico, predominando a temática amorosa — o amor frustrado, o amor realizado, o amor desfeito —, não faltando as cores da infância, os fastos da família, as incertezas da vida e da morte. A linguagem é natural, quase de conversa. Muito disso pode ser exemplificado num único soneto, que seleciono para ilustração, destacando a beleza do verso final:  "   [ANDERSON BRAGA HORTA]

 

         AO TEU LADO

         Eu não te quero só por te querer,
        nem tenho culpa de te amar assim
        O que hoje me acontece, podes crer,
        é uma vontade que nasceu em mim:

        a de ir contigo, enquanto aqui viver,
        de braços dados, rumo ao nosso fim,
        com nossas vidas, juntas, num só ser,
        para a Deus reafirmarmos nosso "sim".

        Tu és o melhor bem que me ocorreu
        nos momentos de dores e alegrias,
        tornando bem mais leve o fardo meu.

E neste lento caminhar dos dias,
passo a passo, seguindo ao lado teu,
encho de luzes minhas mãos vazias.

 

O LIVRO

Sonhando ser, um dia, alguém na vida,
carreguei muitos livros na sacola,
lá longe, no começo da corrida,
em busca do saber, na velha escola.

E em toda a minha estrada percorrida,
desde menino pobre e rapazola,
o livro me seguiu na dura lida,
o ânimo me dando, e me consola

nas horas mais difíceis da jornada,
apontando-me o rumo a ser seguido
quando a dúvida cruza a minha estrada.

O livro é o companheiro mais querido
daquele que, durante a caminhada,
quer dar à própria vida mais sentido.

 

MOURA, Matusalém Dias de50 Poemas escolhidos pelo autor.  Rio de Janeiro: Edições Galo Branco, 2016.  120 p.  ll14xl21 cm.  (Coleção 50 poemas escolhidos pelo autor, v. 67)    Ex. bibl. Antonio Miranda

 

         SER PEDRA

 

        Sou pedra.
        Até aqui sou pedra;
        pedra de carne, osso e espírito,
        mas pedra.
        Pedra bruta a rola sem destino certo,
        a esfolar-me a alma toda
        — também de pedra —,
        estrada afora.
        Sim, sou pedra.
        Preciso ser pedra
        para resistir à maldade humana,
        à traição, à insensatez, à mediocridade, à provocação,
        à inveja e à cólera injustificáveis de alguns:
        ao deboche, ao escárnio e ao ódio gratuito
        de muitos outros.
        Sim, sou pedra.
        Preciso ser pedra para aturar o mundo.

 

        DOMINGO À TARDE

 

        Todo domingo à tarde
        há um silêncio de igreja
        no velho casarão,
        quebrado apenas pelo badalar do relógio
        marcando as horas,
        num canto da sala.

        Domingo á tarde
        a casa inteira cochila de barriga cheia.

 

MOURA, Matusalém Dias deSeleta de trovas.  Cachoeiro do Itapemerim, ES: Ed. Cachoeiro Cult, 2017.   125 p.  13x20 cm.  Capa: Douglas Peixoto. ISBN 978-85-62843-44-0   Ex. bibl. Antonio Miranda

 

         09

        A requebrar pela rua,
        a moça, muito assanhada
        — saia curta, quase nua —,
        enlouquece a rapaziada
.

 

         13

         Não saberia dizer-te,
        eu juro, não saberia,
        se, acaso, viesse a perder-te,
        de que forma eu viveria.

 

        30

         Saudade chega discreta
        e no meu peito se aninha.
        Sabendo que eu sou poeta,
        se torna parceira minha.

 

 

MOURA, Matusalém Dias deSonetos insones.  Vitória, ES: Cousa, 2018.   68 p. 13,5x21 cm. Editor: Saulo Ribeiro. Produção editorial, projeto gráfico, diagramação e capa: Gustavo Binda.  ISBN 978-85-9578-039-2   Ex. bibl. Antonio Miranda

 

         O TEMPO

        O tempo, inexorável, vai passando,
         subtraindo os meus sonhos mais queridos
         e transformando-os em cristais partidos
         sobre os caminhos que vou palmilhando.

         E, assim, sem sonhos, por aí, lutando,
         com os pés, a alma e o coração feridos,
         juro, não sei se encontro mais sentidos
         para seguir em frente pelejando.

         Quanta dificuldade, quanta dor,
         dia após dia, tenho de transpor
         para continuar seguindo a Luz...

         Às vezes, paro e choro no caminho,
         sinto-me triste, vejo-me sozinho,
         mas logo volto a carregar a cruz...

 

         CHÃO ANTIGO

        De volta ao chão antigo em que nasci,
         revi a “casa-mãe” desabitada,
         coberta de cipós, abandonada,
         guardando a bela infância que vivi

         Feliz, naquelas serras de Irupi,
         sem saber que era longa a minha estrada
         e muito dolorida a caminhada
         até chegar à Luz que persegui.

         E assim que a revisita terminei,
         trêmulo de emoção, ali, chorei
         um choro de lembrança e de saudade

         dos dias barulhentos de menino,
         vividos no costume campesino,
         plenos de paz e de simplicidade.

 

 

MOURA, Matusalém Dias de44 poemas curtos.  Vitória, ES: Arte da Cura, 2017.  56 p.     14x17 cm.  Capa, projeto gráfico e editoração: Caco Appel.  ISBN 978-85-5926-006-9  Ex. bibl. Antonio Miranda.  

 

         É A VIDA!...

        O porta retrato
        guarda um sorriso de amor
        que o tempo matou.

 

        AUSÊNCIA

        Sem tua companhia
        não há caminhos a seguir.
        Nem poesia...

 

MOURA, Matusalém Dias de.  Haikais para Guilherme de Almeida.  Vitória, ES: Cousa, 2017.  68 p.  11,5x17,5 cm.   ISBN 978-85-9578-018-7   Ex. bibl. Antonio Miranda

Luar

Brilha a lua cheia,
discreta, para o poeta.
Meia-noite e meia.

 

Outono

Na rua, caída,
já morta, próxima à porta,
folha retorcida.

 

Silêncio

No tronco se agarra,
silente na tarde quente,
alegre cigarra.

 

Contemplação

A nuvem correndo
encobre, e logo descobre,
a lua nascendo.

 

 

 

Página publicada em agosto de 2017; ampliada e republicada em abril de 2018.

       

               

 




 

 

 

 

 


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar