Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

SIDS OLIVEIRA

 

 

“Sids Oliveira, poeta brasiliense, coligiu a matéria de sua poesia pela vida afora: desde a adolescência com grupos de punk rock, em movimentos sociais, depois com a música em forma profissional, com o grupo Maya Desnuda e agora com o projeto O Grande Barco (www.myspace.com/ograndebarco). Com um livro-cd publicado pelo Círculo de Brasília Editora apoiado pelo FAC-DF e intitulado Um dedo de Prosa, Uma Mão de poesia, Sids e O Grande Barco brincam a valer com as possibilidades de intersecções entre a poesia e a música, a qual denomina de Poemúsica. Vale dizer que o seu veio poético e que a sua ligação com a poesia vem desde o momento em que começou por observar e a sentir-se envolvido com os eventos ao seu redor. Daí então começou a escrever, primeiramente sobre uma ala mais subjetiva para, em seguida, deslanchar numa escrita mais telúrica e social. A sua linguagem ergue-se do olhar de menino que passeia pelo Gama-DF, da sua relação com a sua cidade natal, Brasília-DF e, já adulto, de seu contato com os lugares por onde passou: cidades reais e invisíveis, do profundo em seu âmago”.

Adriana Sacramento

 

 

DEPOIS DE TUDO

 

Foi numa rua da baixa em Lisboa, por volta de um mil novecentos e quinze, que conheci Fernando Nogueira Pessoa. Nosso mestre havia morrido e, por detrás das nuvens, o céu estava mais belo e porque não dizer mais colorido, ainda que não o conseguíssemos ver, sentíamos os seus encantos. Não trocamos palavras, de palavras sabia o mestre que as considerava desnecessárias, salvo quando a falar de seu rebanho guardado, de suas sensações à luz. Fernando mostrou-me coisas de seu desassossego. Eu só entendia o mestre, ainda que não tivesse nada a entender. O mestre, naquele instante, era o tudo a refletir e a reverberar dentro de mim: as nuvens do céu nublado, o céu por detrás das nuvens e essa mania de nos fazer conhecer gente da qual gostamos e seguimos a gostar. Corre-se o tempo e sinto-me criança ao lembrar do mestre e a sentir saudades do Fernando. Há poesia bastante aos trinta e quatro anos de idade pelas ruas vazias e cheias de nada de Brasília, em dois mil e cinco, depois de Cristo, depois de tudo.

 

 

ARVORAVA-ME

 

Arvorava-me pelas árvores, quando menino.

Arvorava-me em dissabores e deleites.

Abraços de subidas, de descidas e de estadas,

e por alongadas, esticadas, riscos, saltos e sustos,

arvorava-me, abacateava-me, mangava-me, amorava-me,

em sulcos, frutos da terra que me desprendia e me conectava

com o arvorar de raízes SolEstreLares.

 

 

SIDÉREO

 

Para Haroldo de Campos, em memória

 

sidéreo em poeira âmago pelo gama e acima da rua

que só rua que só sua que só nua que só nu por onde

não se andou nem passou nem sonhou andar que o vi

em galáxias de gala galante e galanteador

desconforme do fácil fraseado que por abismos

síntese fotossíntese em papel árvore frutífera de

touros e círculos-não-círculos e por países e plumas

espumas de pedra e fontes e pontes o leão-homem de

campos haroldo aragem interage ao vento concreto

que ventila e poestica poeira póstumum homenagem

em palavras palavrasouro a constelar por si em si

ensimesmado ensimesirmão ensimesóculos

ensimeslivros livre livro livres livroestrelas

livreestrelas estrelascampos camposestrelas

campospalavras palavraaragem do som em som e

silêncio e paz frieden pace paix peace paz(agem)

 

 

 

É DE TERRA O CAMINHO

 

Já chamaste a Terra de mãe?

É viva a voz que te alcança.

E a que lanças, vive!

 

Vês o olho antes do olhar?

Estás a todos interligado.

É de terra o caminho que trilhas.

 

Por quais ruas caminham as respostas?

Perguntaste ao dia pela noite.

Inspira palavras soltas a poesia.

 

Já cantaste o canto profundo da Terra?

 

 

Extraídos de Um Dedo de Prosa, Uma Mão de Poesia.  Círculo de Brasília Editora; FAC-DF, 2005.  80 pg.


OLIVEIRA, Sids.  Um dedo de prosa, uma mão de poesia.  Brasília: Apoio:  2005.  80 p.  20x20 cm.    ilus.  Projeto gráfico, diagramação e ilustrações: Angélica Lira. Capa: Regina Pessoa. Ilustrações baseadas em fotos de Sids Oliveira e Adriana Sacramento.   Inclui CD “O Grande Barco”. Apoio FAC. 

 

 

 

SIDS OLIVEIRA - o Grande Barco, A Flora - apresentação durante a Feira do Livro de Brasília, 2009 anunciando a II Bienal Internacional de Poesia de Brasília.

 

SIDS OLIVEIRA - O Grande Barco -na Pré-Bienal  - BIP, na Biblioteca Nacional de Brasília, 2010, Inlcui "No Meio do Caminho", na voz de Carlos Drummond de Andrade, com intervenção poético-musical de Sids Oliveira e os músicos do Grande Barco.

 

 

Página publicada em abril de 2008,ampliada e republicada em dezembro 2010




Voltar para a  página do Distrito Federal Voltar ao topo da página

 

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar