Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 




NAPOLEÃO VALADARES
 (1946-
     )

NAPOLEÃO Emanuel VALADARES nasceu em Arinos (MG). Vivem em Brasília. Diplomado em Direito. É autor de romances, contos, crônicas e ensaios. Conhecido também por suas atividades em prol da cultura, na presidência da Associação Nacional de Escritores – ANE, em vários mandatos e pelas duas edições do Dicionário de Escritores de Brasília, além de ser antologista de poesias e contos.

 

Notável também é a sua RESPOSTA ÀS CARTAS CHILENAS (Brasília: Thesaurus, 1998) em que satirizo os desmandos do ex-presidente Collor. Os versos foram distribuídos anonimamente aos amigos, pelo correio, em dezembro de 1991. As especulações... O autor reuniria “numa só pessoa, além do competente manejo do idioma, conhecimento histórico, teoria literária, sabedoria, sensibilidade e graça, aliados a um humor despido de ressentimentos”, escreveu José Santiago Naud no prefácio da edição da obra. Como Napoleão não costumava publicar poemas, ninguém imaginava ser ele... embora nascido em MG, terra do criador das Cartas Chilenas, obra atribuída ao nosso Tomás Antonio Gonzaga, poeta da Inconfidência Mineira. Escolhemos duas “Cartas” como exemplares da paráfrase em que evoca o bucolismo e os protesto do Gonzaga, na mesma personificação do poeta Critilo ao também poeta Doroteu. Espécie de cantiga de escárnio e mal dizer, mas em tom elegante e culto.                                             (A. M., jan. 2006)

 

VALADARES, Napoleão.  Resposta às cartas chilenas.  Prefácio de José Santiago Naud. Brasília: Thesaurus, 1998.  64 p.  14x21,5 cm.  “Sebastião Valadares “  Ex. bibl. Antonio Miranda

 

                      CARTA 4a

 

        Não é maldito, meu Critilo, o vício

        Dum poeta, que, empunhando a sua pena,

        Descanta em pulcros versos e agasalha

        O Belo na alma de quem sentir possa.

5       As tuas liras à serrana amada

         Foram lição, foram caminho. As letras

        Tiveram brilho, assim como as estrelas,

         Brilho perene! Viste o encantamento

         No pastoreio dum rebanho nédio

10     Que pasce nesses montes mansamente?

         Viste o arrozal que doura nossos campos?

         Pois a poesia também víçou na terra

         De Alcindo, de Glauceste, de Termindo.

         Nós tivemos cantores primorosos:

15     Dias, Azevedo, Freire, Abreu, Varela.

         Outros e outros nasceram. Todos vivem,

         Que um bardo morre só nas aparências,

         Seu canto ecoa atravessando os tempos.

         Sim, meu Critilo, o amante da verdade

20     Os meios busca para descobri-la.

          São mas as palavras. E elas valem

          Para hoje, para sempre: agora os rombos

          Do desgoverno são escandalosos,

          Mas da verdade ninguém mais faz conta

25      Nem é punido quem pratica fraude.

          No estranho balançar dessa gangorra

          O rico sempre sobe e o pobre desce.

          Esse caso é tão triste e deprimente

          Que aqui fecho, Critilo, a minha carta.

 

 

          1-4. Doroteu nega que seja maldito o vício dum poeta, como afirma Critilonos           versos 1,2, 19, 20.

          12. Verificam-se sinéreses neste ycrso e no 15.

          15. Gonçalves Dias, Ál\'ares de Azevedo, Junqucira Freire, Casimiro de Abreu,           Fagundes Varela.

          19-21. Doroteu confinna o que diz Critilo sobre a verdade nos versos 96 e 97. 

 

  

                  CARTA 12a

  

        Vê, meu Critilo, aquela ovelha branca

        Que hoje desceu para beber na fonte:

        Não sente que o pastor, saudoso, prono,

        Olha do monte, erguendo seu cajado,

 5      E roga que ao rebanho ela retome.

        Assim, agora nós temos saudade

        E requeremos na memória a volta

        Dos dias venturosos, esvaídos

        Na neblina do tempo que se foi.

10    Isso é sonhar em vão, porque sabemos

        O que é a vida. Mas teimamos sempre

        Em alentar, co'a força que nos resta,

        As quimeras que embalam méleos sonhos.

        Estou, Critilo, mais que noutros dias

15   — Não me leves a mal — bem saudosista,

        Mas é melhor do que remoer desgraças

        Que nos afligem dia a dia e às quais

        Nós temos que voltar constantemente.

        Eu te falei, Critilo, dum período

20    De cerca de vinte anos, que passamos

        Sob o guante cruel da ditadura Militar.

        Pois ali a corrupção

        Estranhamente andou de corda solta.

        E o novo chefe, na campanha, muito

25    Prometeu acabar co'os "marajás"

        E co'os corruptos, pondo-os na cadeia,

        Mas acabou seguindo a mesma trilha ...

        Por isso o povo o chama de "filhote

        Da ditadura". E o nome lhe assentou.

 
 

1-5. Versos bucólicos, à maneira dos poetas do arcadismo.

19-23. Regime militar de 1964 a 1985. Vide versos 28 e seguintes da carta 1a,

25. Collor tinha como principal slogan acabar com os marajás,

 referindo-se (hipocritamente, movido apenas pela demagogia)

aos funcionários públicos que ganhavam altos salários.

27. Francisco de Oliveira, op. cit., p. 162, viria a afirmar: "Longe de

 ser o primeiro presidente de um  Estado moderno e renovado, Collor na verdade

 foi o presidente de um Estado falido, que sua pirotecnia e sua

megalomania exibiram quase obscenamente.”

28-29. Luiz Werneck Vianna, op.cit., p. 105/106, afirma: “ ...nada mais

que os homens do neoliberalismo de hoje, salvo os cristãos novos do segundo

e terceiro escalões, tenham sido os da Tradição Republicana de ontem, como se

comprova através da história de cada qual, inclusive do atual presidente da

República, originário da ARENA, partido do regime autocrático militar”.



Extraído de:
2011 CALENDÁRIO   poetas     antologia
Jaboatão dos Guararapes, PE: Editora Guararapes EGM, 2010.
Editor: Edson Guedes de Morais

 

/ Caixa de cartão duro com 12 conjuntos de poemas, um para cada mês do ano. Os poetas incluídos pelo mês de seu aniversário. Inclui efígie e um poema de cada poeta, escolhidos entre os clássicos e os contemporâneos do Brasil, e alguns de Portugal. Produção artesanal.

 

 

 

VALADARES, NapoleãoEstesia (Triolés).  Brasília: André Quicé editor, 2010.  128 p.  14x21 cm.  Col. A.M. (EA) 

Definição e exemplos de triolés:

 

O TRIOLÉ

Oito versos. O primeiro
como quarto se repete.
O segundo é o derradeiro.
Oito versos. O primeiro
é o sétimo. E o terceiro,
quinto e sexto, livres. Sete...
oito versos. O primeiro
como quarto se repete.

 
INTROMETIDA

Estrela que pouco brilha
mas está sempre a brilhar;
pequena, as grandes humilha,
estrela que pouco brilha.
Do Cruzeiro última filha,
mas do meu primeiro olhar.
Estrela que pouco brilha,
mas está sempre a brilhar.

 

ESPERANÇA

Depois do não e do nada,
ela ainda está presente.
Tem a face transformada
depois do não e do nada,
suporta qualquer parada
e fica ao lado da gente.
Depois do não e do nada,
ela ainda está presente.

 

 


 



Voltar à página do Distrito Federal Voltar ao topo da página

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar