Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

LENINE FIUZA LIMA


Nascido na Paraíba.

Lenine Fiuza Lima segue uma trajetória de vida singular. Ao tempo em que tem servido ao País através de diversos cargos e funções de relevância, vem-se mostrando um artista completo, desses que manejam vários instrumentos e meios para engrandecer o panorama cultural brasileiro.  WASHINGTON ARAÚJO

“Lenine  é o humanista sempre pronto a colaborar com as mais elevadas potencialidades do ser humano, disposto a ir à luta contra qualquer maledicência, desrespeito ou desvio do que é bom, honesto, ético e puro.”  CELITA OLIVEIRA SOUSA 

 

De
Lenine Fiuza Lima
EM NOME DO VERDE
Brasília: ALDF – Editora Academia de Letras do Distrito Federal, 2004.  
86 p  ilus. col. Ilustrações do Autor. [inclui poemas e outros textos]

 

 

II ...Na unidade

 

Antes do verde - verde,

queira-se o homem - Homem.

Sem este, o verde - verde

não será cor nem nome.

Será um verde a ver-se,

sem ter ninguém que o chame.

 

Primeiro, a Humanidade!

Sua vida, seu sangue:

mais que a seiva e a verdade

das folhas, que alguns homens

descoram na paisagem.

 

A verdade dos homens!

Mas, na totalidade!

- Sua vida e seu sangue

(que morre e escorre) vão-se

sem ter quem pare, estanque.

A verdade dos homens!
Verdade em toda parte
(aqui ou muito longe)
dos homens que têm parte
com a miséria e com a fome!

Homens que cheiram esgoto
e que respiram insetos
e que, entre um morto e outro morto,
morrem por sob os tetos
soterrados nos morros.

 

 

 

III...No sonho

 

Antes do verde - verde,

queira-se o homem - Homem.

Pois há quem o rejeite,

quem o transforme em vómito

muito antes que despeje

os rejeitos infames.

 

Mais do que as águas sujas,

acha-se sujo o sangue

desses homens que suam,

entre os vapores, onde

os gases ruins atuam.

 

Mais do que a terra nua,

o homem está nu, sem nada!

Nada que se construa

e que se chame casa,

e que se diga rua.

 

O homem está devastado!

E, muito mais que as árvores,

da vida está cortado:     í

sem bens, raízes, artes,

ciência e antepassados.

 

Se com a devastação

as árvores perderam

o pássaro, a canção,

o homem, em sua pobreza,

perdeu bem mais... ou não?

 

Perdeu o sonho e a fé

na alegria do mundo.

Como um tronco, de pé,

coberto pelo fumo

é que ele está de pé.

 

E nada sobrevoa

a desnuda cabeça,

senão a névoa fosca

das extintas fogueiras

que lhe queimaram as forças.

 

E tudo, tão-somente,

para que exista o pasto.

Para que muita gente

também se torne um pasto

verde, na cinza quente.

 

 

Página publicada em setembro de 2011

 


Voltar para o Topo da Página Voltar para a Página do Distrito Federal Voltar para a Página da Paraiba

 

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar